SEXTO SENTIDO

Con­fi­ar ou não na in­tui­ção na ho­ra de de­ci­dir?

Mente Curiosa - - Primeira Página - CONSULTORIAS Si­mo­ne Grohs, psi­có­lo­ga; Héc­tor Ni­e­vas, psi­có­lo­go e te­ra­peu­ta com­por­ta­men­tal; Ma­ria Car­men Ta­ta­gi­ba , psi­có­lo­ga e es­pe­ci­a­lis­ta em psi­co­lo­gia or­ga­ni­za­ci­o­nal; Dil­za Ta­ran­to, con­sul­to­ra de re­cur­sos hu­ma­nos. Dil­za Ta­ran­to, con­sul­to­ra de re­cur­sos

D “e ca­be­ça quen­te”, “com os ner­vos à flor da pe­le” e “no ca­lor do mo­men­to” são ex­pres­sões usa­das no dia a dia pa­ra ex­pli­car a pre­sen­ça da emo­ção na vi­da hu­ma­na. Pre­sen­te des­de os pri­mór­di­os da nos­sa es­pé­cie por meio do ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia, sen­tir é uma par­te es­sen­ci­al da vi­da. Se­ja ao cri­ar co­ra­gem pa­ra con­vi­dar uma pes­soa pa­ra sair, es­cre­ver res­pos­tas na fo­lha de ga­ba­ri­to do ves­ti­bu­lar ou agir em uma si­tu­a­ção de con­fli­to, a bus­ca por so­lu­ções não po­de fi­car ape­nas ao en­car­go da ra­zão, já que to­da de­ci­são tam­bém é in­flu­en­ci­a­da pe­los sentimentos.

“O ide­al é bus­car o ca­sa­men­to da ra­ci­o­na­li­da­de com a in­tui­ção, que é sinô­ni­mo do ca­sa­men­to en­tre co­ra­ção e cé­re­bro”, afir­ma a du­pla de psi­có­lo­gos Héc­tor Ni­e­vas e Si­mo­ne Grohs. Como diz a po­pu­lar com­po­si­ção, Ra­zões e Emo­ções, da ban­da bra­si­lei­ra NX Ze­ro, o se­gre­do es­tá no equi­lí­brio e em en­con­trar um meio ter­mo en­tre es­ses dois fa­to­res. En­tão, an­tes de agir de for­ma ins­tin­ti­va ou com­ple­ta­men­te ra­ci­o­nal, o re­co­men­da­do pa­ra tomar bo­as decisões é evo­luir a re­la­ção en­tre am­bos as­pec­tos, pa­ra, en­tão, en­con­trar as me­lho­res so­lu­ções pa­ra os seus pro­ble­mas.

PARE, RESPIRE E SE EMOCIONE

Ser gui­a­do ex­clu­si­va­men­te por sentimentos, as­sim como bus­car sa­tis­fa­zer to­dos os de­se­jos que sur­gem na ca­be­ça, não é uma pos­tu­ra re­co­men­da­da pa­ra quem pro­cu­ra uma vi­da ple­na. En­tre­tan­to, en­xer­gar a emo­ção como um de­fei­to e se pri­var de re­a­ções fe­li­zes ou tris­tes pa­ra não se ma­go­ar tam­bém não de­ve ser tra­ta­da como uma ma­nei­ra ade­qua­da de agir. Afi­nal, es­con­der-se do mun­do não é uma for­ma po­si­ti­va de evo­lu­ção. E uma res­pos­ta sau­dá­vel a am­bos os con­fli­tos po­de ser o apri­mo­ra­men­to das in­te­li­gên­ci­as emo­ci­o­nais e ra­ci­o­nais.

Bus­car ter con­tro­le so­bre a men­te e o co­ra­ção é es­sen­ci­al pa­ra que se to­mem bo­as decisões. Is­so por­que os sentimentos es­tão pre­sen­tes em di­fe­ren­tes mo­men­tos do co­ti­di­a­no e, pa­ra que eles não cau­sem es­tres­se des­ne­ces­sá­rio, ori­gi­nem er­ros ou cau­sem má­go­as, é pre­ci­so re­la­xar. “De­ve­mos ‘con­tar até dez’ an­tes de to­mar­mos qual­quer de­ci­são quan­do es­ta­mos sob emo­ções in­ten­sas. A emo­ção é mais rá­pi­da que a ra­zão, en­tão po­de­mos aca­bar de­ci­din­do de for­ma pre­ci­pi­ta­da e equi­vo­ca­da”, acon­se­lha a psi­có­lo­ga Ma­ria Ta­ta­gi­ba.

APRENDA A SE EMOCIONAR

“Vo­cê pre­ci­sa se con­tro­lar”. A fra­se é, mui­tas ve­zes, di­ta em mo­men­tos de con­fli­to e de­ses­ta­bi­li­da­de pa­ra pes­so­as que en­fren­tam uma cri­se emo­ci­o­nal e que não con­se­guem se co­nec­tar com a ra­zão. De um es­tres­se des­ne­ces­sá­rio à per­da de um en­te que­ri­do, os sentimentos po­dem ad­qui­rir pro­ta­go­nis­mo de um mo­men­to pa­ra o ou­tro e, pa­ra sa­ber li­dar com mo­men­tos ex­tre­mos, o re­co­men­da­do é de­sen­vol­ver a ca­pa­ci­da­de de con­tro­le emo­ci­o­nal.

Em ins­tan­tes de ten­são e es­tres­se, quan­do a men­te pa­re­ce pe­sar, a pes­soa po­de não en­con­trar con­for to em pen­sa­men­tos. Por is­so, pa­ra lu­tar com a an­si­e­da­de ca­rac­te­rís­ti­ca des­se ti­po de si­tu­a­ção, ter uma com­pe­tên­cia emo­ci­o­nal de­sen­vol­vi­da é vi­tal. “As si­tu­a­ções de ur­gên­cia exi­gem emo­ções. E, pa­ra mi­ni­mi­zar os efei­tos no­ci­vos do ‘ca­lor do mo­men­to’ e ter com­por­ta­men­tos as­ser­ti­vos, é ne­ces­sá­rio ad­mi­nis­trar os fa­to­res que cau­sam de­ses­ta­bi­li­da­de”, pon­tua Ma­ria.

Sa­ber como li­dar com as emo­ções po­de ren­der fru­tos nos mais di­ver­sos ce­ná­ri­os da vi­da. Ao re­ce­ber uma ta­re­fa no tra­ba­lho ou na es­co­la, a an­si­e­da­de lo­go sur­ge como res­pos­ta na­tu­ral a uma si­tu­a­ção des­co­nhe­ci­da. En­tre­tan­to, en­quan­to pa­ra al­guns a no­vi­da­de po­de ser ame­dron­ta­do­ra, pa­ra ou­tros po­de ser­vir como com­bus­tí­vel. Is­so por­que con­tro­lar seus pró­pri­os sentimentos é um dos pas­sos pa­ra apri­mo­rar a au­to­es­ti­ma, o con­ví­vio co­le­ti­vo e as am­bi­ções pes­so­ais. “O que re­al­men­te irá de­ter­mi­nar o su­ces­so das es­co­lhas é a ca­pa­ci­da­de de in­ter­pre­tar es­sas emo­ções de ma­nei­ra ade­qua­da”, afir­ma a con­sul­to­ra de re­cur­sos hu­ma­nos Dil­za Ta­ran­to.

QUES­TÃO DE EQUI­LÍ­BRIO

A con­cep­ção de que a emo­ção e a ra­zão são con­cei­tos opos­tos é po­pu­lar. De fa­to, bus­car co­nhe­ci­men­to e apren­der a sen­tir são pro­ces­sos in­di­vi­du­ais, iso­la­da­men­te com­ple­xos, sen­do mui­tas ve­zes, com­pli­ca­do que se te­nha sa­tis­fa­ção em am­bos os que­si­tos. Con­tu­do, as­sim como dois ri­a­chos de flu­xo pró­prio se unem pa­ra for­mar a cor­ren­te­za de um rio, a men­te e o co­ra­ção pre­ci­sam se jun­tar pa­ra for­mar uma vi­da ple­na, se­gu­ra e es­tá­vel. E es­sa é uma ideia va­li­o­sa pa­ra que se par­ta pa­ra o ca­mi­nho mais de­se­ja­do da vi­da hu­ma­na: o da fe­li­ci­da­de.

Afi­nal, as­sim como afir­ma Ma­ria Ta­ta­gi­ba, ter uma no­ção dos pro­ces­sos que vo­cê pas­sa po­de pro­por­ci­o­nar um mai­or con­tro­le dos ca­mi­nhos tri­lha­dos. “O au­to­co­nhe­ci­men­to emo­ci­o­nal fa­vo - re­ce a ad­mi­nis­tra­ção de sentimentos e aju­da a ra­zão a en­con­trar as me­lho­res res­pos­tas e a tomar decisões equi­li­bra­das”, sa­li­en­ta a es­pe­ci­a­lis­ta. E es­sa dis­cus­são so­bre for­mas ade­qua­das de se pen­sar e sen­tir pa­ra que, des­sa for­ma, se­ja pos­sí­vel apren­der a agir e a re­a­li­zar es­co­lhas da me­lhor for­ma, é ex­tre­ma­men­te ne­ces­sá­ria pa­ra que se ob­te­nha o mai­or ní­vel de sa­tis­fa­ção pos­sí­vel. “Sin­cro­ni­zar a re­la­ção en­tre ra­zão e emo­ção po­de ser con­si­de­ra­do como um dos prin­ci­pais trun­fos pa­ra o su­ces­so pes­so­al e pro­fis­si­o­nal”, pon­tua a psi­có­lo­ga.

EDUCAÇÃO EMOTIVA

De­sen­vol­ver a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal tam­bém po­de ser uma saí­da pa­ra a me­lho­ra do en­si­no. De acor­do com ar­ti­go pu­bli­ca­do no jor­nal Washig­ton Post, o me­tó­do So­ci­al and emo­ti­o­nal le­ar­ning (Apren­di­za­do emo­ci­o­nal e so­ci­al, em por­tu­guês), que con­sis­te na educação dos con­cei­tos de au­to­cons­ci­ên­cia, cui­da­dos pes­so­ais, cons­ci­ên­cia so­ci­al e ha­bi­li­da­des de re­la­ci­o­na­men­to, tem apre­sen­ta­do re­sul­ta­dos pro­mis­so­res.

O SEL, si­gla do mé­to­do, foi apli­ca­do em du­as uni­ver­si­da­des de Chi­ca­go, nos Es­ta­dos Uni­dos: na Uni­ver­si­da­de de Loyo­la e na de Il­li­nois. A pes­qui­sa ana­li­sou um gru­po de es­tu­dan­tes e os in­se­riu em um am­bi­en­te de re­la­ções so­ci­ais e emo­ti­vas. A ava­li­a­ção mos­trou que os alu­nos que fi­ze­ram par­te das au­las ti­ve­ram uma mé­dia 11% me­lhor em pro­vas do que os que não par­ti­ci­pa­ram da ex­pe­ri­ên­cia. Os efei­tos po­si­ti­vos pu­de­ram ser ob­ser­va­dos até seis me­ses de­pois da re­a­li­za­ção da pes­qui­sa.

“O ide­al é bus­car o ca­sa­men­to da ra­ci­o­na­li­da­de com a in­tui­ção”

Si­mo­ne Grohs e Héc­tor Ni­e­vas, psi­có­lo­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.