TEN­DÊN­CIA

Cres­ce o nú­me­ro de pes­so­as que abrem as su­as ca­sas pe­lo País, pa­ra ofe­re­cer re­fei­ções ao pú­bli­co

Menu - - Editorial - por Cin­tia Oli­vei­ra fo­tos Di­e­go Cag­na­to

Cres­ce o nú­me­ro de pes­so­as pe­lo País que abrem su­as ca­sas pa­ra ofe­re­cer re­fei­ções ao pú­bli­co

Quan­do vo­cê de­ci­de jan­tar fo­ra, pro­va­vel­men­te a es­co­lha é pau­ta­da pe­lo ti­po de co­mi­da que de­se­ja e, de­pois, o res­tau­ran­te on­de quer ir. Mas, se em vez de um res­tau­ran­te, o jan­tar fos­se na ca­sa de um des­co­nhe­ci­do, di­vi­din­do a me­sa com pes­so­as que vo­cê nun­ca viu na vi­da e, mui­tas ve­zes, sem sa­ber an­tes o que se­rá ser­vi­do? As re­fei­ções com­par­ti­lha­das – gê­ne­ro cres­cen­te no País – par­tem des­sa pre­mis­sa.

Es­se es­ti­lo não che­ga a ser uma no­vi­da­de: lá fo­ra, foi con­sa­gra­do por ini­ci­a­ti­vas co­mo o si­te is­ra­e­len­se EatWith.com, pre­sen­te em mais de 200 ci­da­des pe­lo mun­do (in­cluin­do ca­pi­tais bra­si­lei­ras co­mo São Paulo e Rio de Ja­nei­ro) e que co­mer­ci­a­li­za re­fei­ções na ca­sa de pes­so­as des­de 2013. Por aqui, há si­tes co­mo o Din­ne­er. com, que se­gue a mes­ma li­nha, e pla­ta­for­mas co­mo o Fo­od­pass, es­pe­ci­a­li­za­da na cu­ra­do­ria de even­tos gas­tronô­mi­cos, que tam­bém in­ter­me­dia a ven­da des­ses jan­ta­res. “Ho­je, a ofer­ta cor­res­pon­de a 10% dos even­tos que ofe­re­ce­mos. Tan­to que cri­a­mos uma ca­te­go­ria no si­te só pa­ra as re­fei­ções com­par­ti­lha­das, cha­ma­da ‘mi ca­sa, su ca­sa’”, co­men­ta Pris­ci­la Sa­ba­rá, cri­a­do­ra do Fo­od­pass.

A mo­ti­va­ção das pes­so­as em abrir su­as ca­sas va­ria. Há quem en­ca­re o né­go­cio co­mo ter­ri­tó­rio pa­ra tes­tar re­cei­tas, co­mo é o ca­so da ban­que­tei­ra es­pe­ci­a­li­za­da em co­zi­nha ára­be e mar­ro­qui­na, Ka­tia Han­ne­quim. “As pes­so­as têm a opor­tu­ni­da­de de in­te­ra­gir co­mi­go en­quan­to pre­pa­ro o jan­tar, en­tão o fe­ed­back é ime­di­a­to”, diz ela, que du­as ve­zes por mês abre a sua ca­sa no bair­ro ca­ri­o­ca do Jar­dim Bo­tâ­ni­co pa­ra pe­que­nos jan­ta­res.

Há tam­bém quem in­vis­ta nes­se for­ma­to pe­la in­de­pen­dên­cia que ele pro­por­ci­o­na. “Não te­nho obri­ga­ção de se­guir um car­dá­pio fi­xo, o que me traz li­ber­da­de de cri­ar. E se um dia es­ti­ver com dor nas cos­tas ou que­ren­do vi­a­jar, sim­ples­men­te não abro”, con­ta a chef Patty Tol­di, que há dois anos co­man­da o pro­je­to Ca­sa dos Co­quei­ros, em João Pes­soa (PB).

Por ou­tro la­do, es­se ti­po de even­to tam­bém po­de ser o pri­mei­ro pas­so pa­ra abrir um res­tau­ran­te. “É uma vi­tri­ne pa­ra di­vul­gar meu tra­ba­lho, en­quan­to não te­nho mei­os de ter meu pró­prio res­tau­ran­te”, con­ta o chef An­to­nio Pe­dro Men­des, do pro­je­to Ap 201. Há se­te me­ses, de­pois de uma tem­po­ra­da na Eu­ro­pa, ele abre o seu apar­ta­men­to em São Paulo e o de sua fa­mí­lia no Rio de Ja­nei­ro pa­ra jan­ta­res, que mes­clam a co­zi­nha fran­ce­sa com ele­men­tos do Su­des­te Asiá­ti­co.

A se­guir, con­fi­ra ou­tros pro­je­tos bem-su­ce­di­dos de co­zi­nhei­ros que abrem as por­tas de su­as ca­sas pa­ra ofe­re­cer uma ape­ti­to­sa ex­pe­ri­ên­cia.

As­sim co­mo boa par­te das ini­ci­a­ti­vas do gê­ne­ro, o pro­je­to sur­giu em 2014, du­ran­te a Co­pa do Mun­do, e te­ve co­mo im­pul­so o mer­ca­do gas­tronô­mi­co es­tag­na­do. “O Gus­ta­vo tam­bém sen­tia mui­ta fal­ta de ser­vir uma co­mi­da mais au­to­ral”, con­ta a jor­na­lis­ta. O pro­je­to co­me­çou com uma me­sa de qua­tro lu­ga­res, no an­ti­go apar­ta­men­to do ca­sal, em São Paulo. E ho­je, três anos de­pois, acon­te­ce no tér­reo do so­bra­do on­de vi­vem, nu­ma rua pa­ca­ta da zo­na sul pau­lis­ta­na. A cada jan­tar – são qua­tro por mês –, eles con­se­guem aten­der até 28 pes­so­as – 14 de­las aco­mo­da­das nu­ma me­sa úni­ca, de fren­te pa­ra a co­zi­nha en­vi­dra­ça­da.

O me­nu de­gus­ta­ção, que mu­da a cada jan­tar, car­re­ga um pou­co da his­tó­ria de cada um. En­quan­to La­ris­sa, que nas­ceu em Rio Ver­de, in­te­ri­or goi­a­no, traz des­de su­as re­fe­rên­ci­as da co­zi­nha do cer­ra­do até os seus 15 anos co­mo jor­na­lis­ta gas­tronô­mi­ca, Ri­guei­ral re­lem­bra sua in­fân­cia em San­tos, li­to­ral pau­lis­ta, e mais de uma dé­ca­da de car­rei­ra em co­zi­nha pro­fis­si­o­nal. Um exem­plo es­tá no “en­con­tro do mar com o cer­ra­do”, pra­to ela­bo­ra­do pe­la du­pla. “A me­mó­ria é o fio con­du­tor de nos­sa co­zi­nha, mas fa­ze­mos o uso de téc­ni­cas pa­ra tor­ná-la mais mo­der­na”, de­fi­ne Ri­guei­ral.

Fru­tos do mar uti­li­za­dos no Jan­tar Se­cre­to

O ca­sal La­ris­sa Ja­nuá­rio e Gus­ta­vo Ri­guei­ral prepara re­fei­ções com­par­ti­lha­das em São Paulo

O “en­con­tro do mar com o cer­ra­do” reú­ne ca­ma­rão, vi­ei­ra, por­co, ma­xi­xe e qui­a­bo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.