BEBIDAS

A bus­ca por ali­men­tos sau­dá­veis abre es­pa­ço pa­ra bebidas co­mo o kom­bu­cha, o swit­chel e re­fri­ge­ran­tes or­gâ­ni­cos

Menu - - Editorial - Apren­da em re­vis­ta­me­nu.com.br a fa­zer kom­bu­cha em ca­sa

Kom­bu­cha, swit­chel e re­fri­ge­ran­tes or­gâ­ni­cos es­tão ga­nhan­do es­pa­ço no mer­ca­do

Co­mo vo­cê de­ve ter li­do na re­por­ta­gem de capa des­ta edi­ção, a gas­tro­no­mia en­trou num ru­mo sem vol­ta em di­re­ção a in­gre­di­en­tes mais sau­dá­veis e sus­ten­tá­veis. E o de­se­jo de con­su­mir pro­du­tos me­lho­res tam­bém che­gou ao mun­do das bebidas. Não es­ta­mos fa­lan­do só de vi­nhos na­tu­rais, cervejas ar­te­sa­nais ou co­que­téis mais ela­bo­ra­dos. Su­cos e re­fri­ge­ran­tes tra­di­ci­o­nais, as op­ções mais co­muns pa­ra quem quer fu­gir do ál­co­ol, ago­ra es­tão di­vi­din­do a pre­fe­rên­cia com bebidas co­mo kom­bu­cha, swit­chel e re­fri­ge­ran­tes or­gâ­ni­cos. Es­sas no­vi­da­des ain­da es­tão lon­ge de fa­zer fren­te às op­ções mais co­muns, pe­lo me­nos em ter­mos de ven­das, mas mos­tram que as pes­so­as es­tão ávi­das por bebidas que com­bi­nem sa­bor, bons in­gre­di­en­tes e res­pei­to ao meio am­bi­en­te.

O kom­bu­cha (se fa­la kom­but­chá) é o prin­ci­pal re­pre­sen­tan­te des­ta on­da. Ape­sar de ser uma be­bi­da mi­le­nar, ele foi re­des­co­ber­to por cau­sa de su­as ca­rac­te­rís­ti­cas pro­bió­ti­cas, ou se­ja, por con­ter bac­té­ri­as que fa­zem bem ao or­ga­nis­mo. “O kom­bu­cha nas­ceu de uma téc­ni­ca mi­le­nar pa­ra con­ser­var chás”, ex­pli­ca Le­o­nar­do An­dra­de, só­cio da Com­pa­nhia dos Fer­men­ta­dos, em­pre­sa em São Paulo que ven­de a be­bi­da en­gar­ra­fa­da e tam­bém ofe­re­ce cur­sos que en­si­nam a pre­pa­rar di­ver­sos ti­pos de ali­men­tos do gê­ne­ro.

“(O kom­bu­cha) é mui­to sim­ples de fa­zer em ca­sa”, en­si­na An­dra­de. Ele co­me­ça com o scoby (si­gla em in­glês pa­ra colô­nia sim­bió­ti­ca de bac­té­ri­as e le­ve­du­ras), um dis­co ge­la­ti­no­so com mais de 30 ti­pos di­fe­ren­tes de mi­cro-or­ga­nis­mos. Es­se fer­men­to vai con­su­mir os ta­ni­nos do chá e o açú­car, que pre­ci­sa ser co­lo­ca­do pa­ra for­ne­cer o “com­bus­tí­vel” ne­ces­sá­rio pa­ra a fer­men­ta­ção

acon­te­cer. O pro­ces­so le­va de cin­co a se­te di­as pa­ra ser fi­na­li­za­do e pe­de uma se­gun­da fer­men­ta­ção, em gar­ra­fa, quan­do são adi­ci­o­na­das fru­tas ou ex­tra­tos na­tu­rais, que vão dar sa­bor ex­tra e dei­xar a be­bi­da le­ve­men­te ga­sei­fi­ca­da.

Em­bo­ra se­ja fá­cil de fa­zer em ca­sa, An­dra­de e seu só­cio, Fer­nan­do Gol­dens­tein, pro­du­zem kom­bu­chas pron­tos pa­ra be­ber, ven­di­dos atra­vés do si­te da em­pre­sa e em al­guns em­pó­ri­os, ba­res e res­tau­ran­tes do Bra­sil – no to­tal, 50 pon­tos co­mer­ci­a­li­zam o pro­du­to, co­mo o res­tau­ran­te Li­lu e lo­jas da re­de Mun­do Ver­de. Cada gar­ra­fi­nha sai por R$ 12 na lo­ja on­li­ne. E a de­man­da tem au­men­ta­do: “Co­me­ça­mos há um ano e meio fa­zen­do 20 li­tros por mês. Ho­je che­ga­mos a 4 mil li­tros men­sais”, con­ta An­dra­de.

Ou­tra be­bi­da que vem con­quis­tan­do adep­tos é o swit­chel (se fa­la suít­chel). Con­su­mi­da por fa­zen­dei­ros no Ca­ri­be co­mo um re­fres­co e um isotô­ni­co, le­va vi­na­gre, mel e gen­gi­bre. No Bra­sil, os pi­o­nei­ros são Le­eward Wang e Gus­ta­vo Reis, do Or­di­ná­rio (São Paulo), que cri­a­ram a mar­ca Ki­ro, a prin­cí­pio ven­di­da ape­nas nes­se res­tau­ran­te. Foi de­pois que a du­pla se ali­ou ao pes­so­al do Sal­sa­da, que de­sen­vol­ve pro­du­tos e pres­ta ou­tros ser­vi­ços de gas­tro­no­mia, que o Ki­ro co­me­çou a che­gar às lo­jas e ou­tros es­ta­be­le­ci­men­tos.

“Ele tem a com­ple­xi­da­de de um drin­que, mas sem ser al­coó­li­co”, diz Ro­ber­to Mei­rel­les, um dos só­ci­os do Sal­sa­da. A pro­du­ção é fei­ta ape­nas com in­gre­di­en­tes de pe­que­nos pro­du­to­res. As ven­das são fei­tas por e-mail (pe­di­do mí­ni­mo de no­ve uni­da­des, que cus­tam R$ 9, cada) e em cer­ca de 40 es­ta­be­le­ci­men­tos de São Paulo, co­mo a Pa­do­ca do Ma­ní, La Gu­a­pa e Spot. No Rio de Ja­nei­ro, há ape­nas um pon­to de ven­da, o Mar­che­zi­nho.

Mes­mo os re­fri­ge­ran­tes, tão cri­ti­ca­dos nos úl­ti­mos tem­pos pe­lo ex­ces­so de açú­car, ado­çan­tes e con­ser­van­tes, têm re­con­quis­ta­do con­su­mi­do­res. Des­de que se­jam or­gâ­ni­cos, cla­ro. É o ca­so da mar­ca Wewi, que tem oi­to ró­tu­los à ven­da no mer­ca­do: gua­ra­ná, cola, la­ran­ja, água tô­ni­ca, tô­ni­ca ro­sé (to­dos or­gâ­ni­cos) e as ver­sões ze­ro ca­lo­ria de gua­ra­ná, cola e la­ran­ja, que não po­dem re­ce­ber o se­lo or­gâ­ni­co por usa­rem ado­çan­te es­té­via. “Nos­so ob­je­ti­vo sem­pre foi cri­ar um pro­du­to na­tu­ral e gos­to­so”, afir­ma Ro­dri­go Cam­pos, um dos só­ci­os da Wewi. Lan­ça­do em 2013, ele po­de ser en­con­tra­do em su­per­mer­ca­dos co­mo Car­re­four e St. Mar­che e res­tau­ran­tes co­mo Le Man­jue, Z De­li, Me­ats (São Paulo) e T.T. Bur­ger (Rio de Ja­nei­ro).

Um pon­to em co­mum das três mar­cas é que elas pro­cu­ram atin­gir um pú­bli­co jo­vem e que bus­ca ali­men­tos me­nos in­dus­tri­a­li­za­dos. “Nos­sos con­su­mi­do­res es­tão aci­ma dos 25 anos e bus­cam um es­ti­lo de vi­da mais sau­dá­vel”, afir­ma An­dra­de, da Com­pa­nhia dos Fer­men­ta­dos. Mei­rel­les, do Ki­ro, e Cam­pos, do Wewi, eco­am es­sa per­cep­ção. “São pes­so­as mais cons­ci­en­tes, que pas­sa­ram a ques­ti­o­nar o con­su­mo de açú­car, de adi­ti­vos”, diz Mei­rel­les. “As pes­so­as es­tão, sim, bus­can­do pro­du­tos mais sau­dá­veis. Te­mos mui­tos cli­en­tes que não to­mam o re­fri­ge­ran­te tra­di­ci­o­nal, mas to­mam o Wewi”, acres­cen­ta Cam­pos.

Até pe­lo per­fil dos con­su­mi­do­res, es­ses pro­du­tos tam­bém se des­ta­cam pe­los sa­bo­res mais adul­tos. O kom­bu­cha e o Ki­ro já são usa­dos em al­guns ba­res pa­ra ela­bo­rar drin­ques. O mes­mo acon­te­ce com tô­ni­ca or­gâ­ni­ca da Wewi.

Pa­ra es­sas mar­cas, o de­sa­fio ago­ra é con­quis­tar mais cli­en­tes. “Não que­re­mos ser um pro­du­to de ni­cho”, diz Cam­pos. Com as pre­o­cu­pa­ções em tor­no da saú­de e da sus­ten­ta­bi­li­da­de em al­ta, po­rém, é ques­tão de tem­po pa­ra es­sas bebidas se tor­na­rem cada vez mais co­muns em ba­res, res­tau­ran­tes e su­per­mer­ca­dos do País.

Be­bi­da da mo­da, o kom­bu­cha po­de ser fei­to em ca­sa ou com­pra­do pron­to

O Ki­ro le­va mel, vi­na­gre e gen­gi­bre e de­ve ser be­bi­do com bas­tan­te ge­lo

A tô­ni­ca ro­sé da Wewi tem um to­que de açaí

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.