POR­TU­GAL

Ca­da vez mais nas­cem projetos fo­ra da cur­va nos vi­nhe­dos lu­si­ta­nos, co­mo o de Pedro Ribeiro, do Bo­ja­dor, e o de Pau­lo Nu­nes, da Ca­sa da Pa­sa­rel­la. Mos­tra que o país se abriu, de­fi­ni­ti­va­men­te, pa­ra a di­ver­si­da­de, que tão bem ca­rac­te­ri­za o mun­do do vi­nho

Menu - - Menu -

Pro­du­to­res es­tão aber­tos a no­vas ex­pe­ri­men­ta­ções

Os vi­nhos por­tu­gue­ses ela­bo­ra­dos em ân­fo­ra, em geral, e o Bo­ja­dor, em par­ti­cu­lar, po­dem di­vi­dir seu mun­do em an­tes e de­pois de Jan­cis Ro­bin­son. No fi­nal de 2017, a crítica de vi­nhos in­gle­sa ele­geu o Bo­ja­dor co­mo uma das dez ten­dên­ci­as dos vi­nhos por­tu­gue­ses. O tin­to foi o úni­co ró­tu­lo alen­te­ja­no no pai­nel, em even­to pro­mo­vi­do pe­la Es­sên­cia do Vi­nho, na ci­da­de do Por­to. “A opi­nião de­la trou­xe cre­di­bi­li­da­de ao nos­so tra­ba­lho, e também no­vos im­por­ta­do­res pa­ra o meu vi­nho”, con­ta o enó­lo­go Pedro Ribeiro. A es­co­lha des­se vi­nho abriu portas pa­ra to­do um mercado: “Em 2017, te­ve um re­cor­de na ela­bo­ra­ção de bran­cos e tin­tos em talha no Alen­te­jo”, in­for­ma o enó­lo­go. No Bra­sil, es­te corte de trin­ca­dei­ra, mo­re­to e tin­ta gros­sa cus­ta R$ 145, na Wi­ne Lo­vers.

As ân­fo­ras, cha­ma­das de ta­lhas no país, são tra­di­ci­o­nais no Alen­te­jo. A no­vi­da­de é que ago­ra dão ori­gem a bran­cos e tin­tos não tão rús­ti­cos co­mo no pas­sa­do. Com a mai­or aten­ção nos vi­nhe­dos e na vi­ni­fi­ca­ção (a lim­pe­za das ân­fo­ras é um cui­da­do im­por­tan­te e também um de­sa­fio), es­ses vi­nhos são ela­bo­ra­dos co­mo an­ti­ga­men­te e fer­men­tam com le­ve­du­ras au­tóc­to­nes.

Um re­ci­pi­en­te de bar­ro traz van­ta­gens nes­sa re­gião de cli­ma quen­te, que ge­ra uvas mui­to ma­du­ras. A ân­fo­ra per­mi­te co­lher mais ce­do: o ca­rá­ter mais ve­ge­tal da fru­ta, quan­do co­lhi­da an­tes de sua com­ple­ta ma­tu­ra­ção, de­sa­pa­re­ce de­pois de seis me­ses na ân­fo­ra e dá ori­gem, diz o enó­lo­go, a no­tas de fru­tas fres­cas, com to­ques ter­ro­sos e de er­vas fres­cas. A talha abre mais uma pos­si­bi­li­da­de pa­ra os enó­lo­gos que de­se­jam ti­rar pro­vei­to da mi­cro-oxi­ge­na­ção, mas não que­rem ela­bo­rar vi­nhos com a mar­ca da ma­dei­ra, vin­do das bar­ri­cas.

Ho­je en­tu­si­as­ta das ta­lhas, Ribeiro che­gou a elas por aca­so. “Mi­nha for­ma­ção é de vi­nhos do No­vo Mun­do, com mui­ta fru­ta ma­du­ra”, re­cor­da. Co­mo enó­lo­go também da Her­da­de do Ro­cim, ele ela­bo­rou vi­nhos em talha pa­ra a vi­ní­co­la. Co­mo gos­tou do re­sul­ta­do, le­vou a ideia de fa­zer o vi­nho em seu pro­je­to pes­so­al, o Bo­ja­dor.

Com is­so, o pro­je­to talha vem cres­cen­do. Na Her­da­de do Ro­cim, Ribeiro faz su­ces­so com o Clay Aged, ela­bo­ra­do com pi­sa a pé em la­gar de pe­dra e es­tá­gio em ân­fo­ras por 16 me­ses. Além dis­so, ele en­co­men­dou um es­tu­do na Uni­ver­si­da­de de Mont­pel­li­er, na França, que re­sul­tou no ama­du­re­ci­men­to de vi­nhos em pe­que­nas ta­lhas, de 140 li­tros, ela­bo­ra­das es­pe­ci­al­men­te pa­ra es­sa fi­na­li­da­de. Ele es­tu­da ago­ra mon­tar uma pequena fá­bri­ca pa­ra ela­bo­rar ân­fo­ras, tan­to pa­ra o seu uso co­mo pa­ra de ter­cei­ros.

Pau­lo Nu­nes é “ape­nas” o enó­lo­go da vi­ní­co­la Ca­sa da Pas­sa­rel­la, em La­ga­ri­nhos, nos pés da Serra da Es­tre­la, no Dão. Mas tem tan­ta li­ber­da­de pa­ra fa­zer o seu tra­ba­lho, que mais pa­re­ce do­no des­sa propriedade, que per­ten­ce ao em­pre­sá­rio por­tu­guês Ri­car­do Ca­bral. Seus vi­nhos exem­pli­fi­cam o re­nas­ci­men­to do Dão, re­gião que vi­nha per­den­do es­pa­ço com o su­ces­so do Dou­ro e do Alen­te­jo, e que re­sul­ta em bran­cos e tin­tos lon­ge­vos e de mui­to fres­cor.

Fundada em 1892, an­tes da de­mar­ca­ção do Dão, a Pas­sa­rel­la foi res­ga­ta­da por Ca­bral, que con­fi­ou seus vi­nhos pa­ra Nu­nes, em 2008. A ideia ini­ci­al do do­no era tro­car os vi­nhe­dos an­ti­gos por no­vos, mais pro­du­ti­vos e ren­tá­veis. Nu­nes ba­teu o pé que que­ria as vi­nhas ve­lhas. E o que ele fez? Na­da de bus­car co­nhe­ci­men­to nos li­vros de eno­lo­gia ou com os gran­des enó­lo­gos: ele foi an­dar pe­los vi­nhe­dos, co­nhe­cer ca­da par­ce­la e, principalmente, con­ver­sar com as pessoas que já tinham tra­ba­lha­do ne­las e co­nhe­ci­am ca­da uma das ce­pas plan­ta­das. “Gos­to das ca­rac­te­rís­ti­cas dos vi­nhe­dos an­ti­gos, de en­ten­der a ex­po­si­ção, a his­tó­ria”, diz o enó­lo­go.

Ele con­ta que apren­deu mui­to com es­sas pessoas mais ve­lhas, até a iden­ti­fi­car quais são os me­lho­res ter­re­nos pa­ra plan­tar ca­da va­ri­e­da­de. Mas o me­lhor re­sul­ta­do des­se vi­nhe­do an­ti­go é o Ca­sa da Pas­sa­rel­la O Fu­gi­ti­vo Vi­nhas Cen­te­ná­ri­as. Sim, do vi­nhe­do an­ti­go, qua­se des­truí­do, vem as 24 va­ri­e­da­des, plan­ta­das mis­tu­ra­das, e que dão ori­gem a es­se vi­nho já re­fe­rên­cia em Por­tu­gal (por aqui, é ven­di­do por R$ 443, na Pre­mium). O tin­to pas­sa por la­ga­res, es­ta­gia por um ano em bar­ri­cas de 600 li­tros e ama­du­re­ce mais dois anos em gar­ra­fa an­tes do lan­ça­men­to.

O vi­nhe­do também abriu ou­tras in­ves­ti­ga­ções de Nu­nes. A pri­mei­ra é que ele com­pa­rou a tou­ri­ga na­ci­o­nal da plan­ta­ção cen­te­ná­ria com as mudas atu­ais. “Elas são di­fe­ren­tes, pre­ci­sa­mos investigar su­as ori­gens”, apon­ta. Atu­al­men­te, o ma­te­ri­al ve­ge­ta­ti­vo des­sas vi­nhas ve­lhas es­tá sen­do re­pli­ca­do em no­vos vi­nhe­dos. O olhar do enó­lo­go não vai ape­nas pa­ra a tou­ri­ga na­ci­o­nal, que tem seu ber­ço no Dão. Ele de­fen­de a ja­en, até co­mo por­ta de entrada pa­ra os vi­nhos lo­cais. “É uma uva que con­quis­ta no­vos con­su­mi­do­res pa­ra o Dão.”

Nu­nes de­fen­de também as va­ri­e­da­des bran­cas. O Dão é o ber­ço da en­cru­za­do e, na vi­ní­co­la, a uva se re­ve­la em vi­nhos di­fe­ren­tes, de acor­do com ca­da ter­roir. Há des­de o bran­co mais bá­si­co – a li­nha da vi­ní­co­la es­tá di­vi­di­da em So­mon­tes, de ró­tu­los do dia a dia, Ca­sa da Pas­sa­rel­la e os íco­nes Vil­la Oli­vei­ra, dos vi­nhos que Nu­nes con­si­de­ra de ex­ce­ção –, até ró­tu­los co­mo o Fu­gi­ti­vo em cur­ti­men­ta, na qual a en­cru­za­do fer­men­ta com as cas­cas e en­ga­ços, co­mo um vi­nho tin­to. Há também o Vil­la Oli­vei­ra 1a Edi­ção, na qual uvas bran­cas de vi­nhas ve­lhas são fer­men­ta­das jun­tas, numa mes­cla de du­as sa­fras: 2010 e 2015. O me­lhor é que es­sas são ape­nas al­gu­mas ex­pe­ri­ên­ci­as do enó­lo­go. Ou­tras vi­rão em bre­ve.

Pedro Ribeiro e, ao la­do, a gar­ra­fa do Bo­ja­dor

Pau­lo Nu­nes mos­tra seus vi­nhos e, abai­xo, o pre­mi­a­do Vi­nhas Cen­te­ná­ri­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.