CO­NE­XÃO BRA­SIL-CA­NA­DÁ

Menu - - Aperitivos -

Pe­la se­gun­da vez, a Câ­ma­ra de Co­mér­cio Bra­silCa­na­dá pro­mo­veu a Se­ma­na de Gas­tro­no­mia Ca­na­den­se, em São Pau­lo, em ju­nho pas­sa­do. Pa­ra es­sa co­ne­xão cul­tu­ral, o res­tau­ran­te Ev­vai re­ce­beu o chef An­to­nio Park, com mais de 10 res­tau­ran­tes em Mon­tre­al e To­ron­to. Des­cen­den­te de co­re­a­nos, ele mos­trou ter mui­ta bra­si­li­da­de em su­as cri­a­ções. Afi­nal, pas­sou par­te da infância no Bra­sil, co­mo con­ta a se­guir.

De­pois de qua­tro anos que vi­veu no Rio de Ja­nei­ro, sen­te sau­da­des dos sa­bo­res da­qui? Sim, bas­tan­te. As­sim que che­guei, lo­go fui co­mer fei­jo­a­da! E qu­e­ria mui­to co­mer car­ne e me in­di­ca­ram A Fi­guei­ra. Mas te­nho mui­tos in­gre­di­en­tes bra­si­lei­ros em meus res­tau­ran­tes. No La­van­de­ria, por exem­plo, sir­vo pão de quei­jo e gua­ra­ná. Tam­bém fa­ze­mos chur­ras­co, pre­pa­ra­do no car­vão, po­rém le­va le­gu­mes. E usa­mos mui­ta man­di­o­ca.

Co­mo ex­pli­car a gas­tro­no­mia ca­na­den­se pa­ra um bra­si­lei­ro?

É uma comida nór­di­ca, com mui­tos pei­xes e fru­tos do mar da re­gião, co­mo snow crab, la­gos­ta, ca­ma­rão ma­ta­ne e ha­li­bu­te. Tam­bém te­mos in­gre­di­en­tes bem tradicionais, co­mo o ma­ple sy­rup, ci­dra de ma­çã, vi­na­gre de icewi­ne – eu gos­to de brin­car bas­tan­te com aci­dez e do­çu­ra.

Você fa­la que sua comida não é fu­si­on, mas é al­go úni­co, seu. Co­mo ex­pli­car? É mui­to cla­ro. Eu ten­to co­nec­tar mi­nhas me­mó­ri­as de infância, com o tem­po que pas­sei na Amé­ri­ca do Sul (Park nas­ceu na Ar­gen­ti­na e mo­rou tam­bém no Pa­ra­guai), em meus pra­tos. Não es­tou fa­zen­do uma fu­são, mas con­tan­do mi­nha história atra­vés da comida.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.