A VI­DA CON­TI­NUA

Menu - - Perfil -

Após o Mas­terChef, al­guns par­ti­ci­pan­tes, as­sim co­mo Eli­sa, mu­da­ram o ru­mo de su­as car­rei­ras

Não é a par­ti­ci­pa­ção em um re­a­lity show cu­li­ná­rio que tor­na al­guém pro­fis­si­o­nal em gas­tro­no­mia. Mas, sem dú­vi­da, a ex­pe­ri­ên­cia e os ho­lo­fo­tes po­dem ser um es­tí­mu­lo e tan­to pa­ra a gui­na­da na car­rei­ra. “Foi um di­vi­sor de águas na mi­nha vi­da”, diz Leo Young, cam­peão da ter­cei­ra tem­po­ra­da do Mas­terChef Bra­sil, em 2016. Ele, que atu­a­va no mer­ca­do fi­nan­cei­ro e man­ti­nha uma edi­to­ra de li­vros e re­vis­tas, já ti­nha pro­xi­mi­da­de com a pro­fis­são (seu ir­mão, Gus­ta­vo, é chef exe­cu­ti­vo do Bis­trot Ba­ga­tel­le, em São Pau­lo), mas só de­pois do pro­gra­ma te­ve a chan­ce de tra­ba­lhar com gas­tro­no­mia. Des­de o fim do re­a­lity, ele acu­mu­la au­las-show e even­tos cor­po­ra­ti­vos por to­do o País, e, re­cen­te­men­te, en­trou co­mo só­cio e chef exe­cu­ti­vo do res­tau­ran­te Ta­tá Sushi, na ca­pi­tal pau­lis­ta. “Eu co­lhi mui­tos fru­tos por con­ta do pro­gra­ma, fa­ço mui­tos even­tos, mas não te­nho ideia de até quan­do is­so vai du­rar. O meu ob­je­ti­vo é se­guir no ra­mo de res­tau­ran­tes”, diz ele, que acre­di­ta que se­guiu na pro­fis­são mui­to mais pe­la von­ta­de pes­so­al do que pe­lo pro­gra­ma. “Tan­to que são ra­ros os ca­sos de quem faz es­sa tran­si­ção”, ob­ser­va Young.

Sem dú­vi­da, a no­to­ri­e­da­de pro­por­ci­o­na­da pe­los mi­nu­tos de fa­ma é um ata­lho pa­ra ob­ter su­ces­so na pro­fis­são. “É pre­ci­so agar­rar as opor­tu­ni­da­des que o pro­gra­ma pro­por­ci­o­na”, afir­ma Iza­bel Al­va­res, cam­peã da se­gun­da tem­po­ra­da do re­a­lity show. As­sim co­mo Eli­sa, ela fez o cur­so de co­zi­nha no Le Cor­don Bleu de Pa­ris e, de vol­ta ao Rio de Ja­nei­ro, es­ta­gi­ou no ex­tin­to Le Pré Ca­te­lan, ao la­do do chef fran­cês Ro­land Vil­lard. “Vi que a co­zi­nha pro­fis­si­o­nal, nes­tes mol­des, não é pa­ra mim”, con­ta ela. De­pois de ema­gre­cer 40 qui­los gra­ças à di­e­ta low carb, que re­duz a in­ges­tão de car­boi­dra­tos e açú­ca­res, ela viu nes­se ni­cho de mer­ca­do uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­ci­os, tan­to que cri­ou uma li­nha de pro­du­tos cha­ma­da Ma­gre­la. Por en­quan­to, itens co­mo os bo­li­nhos de cho­co­la­te 70%, a piz­za de cou­ve-flor e a ghee de to­mi­lho es­ta­rão à ven­da pe­lo e-com­mer­ce so­men­te pa­ra o Rio de Ja­nei­ro, mas em bre­ve es­ta­rão dis­po­ní­veis na ca­pi­tal pau­lis­ta.

Já Raul Le­mos, par­ti­ci­pan­te da se­gun­da tem­po­ra­da, po­de não ter con­quis­ta­do o gran­de prê­mio, mas viu nos ex-par­ti­ci­pan­tes do re­a­li­ti­es shows cu­li­ná­ri­os uma pos­si­bi­li­da­de de ne­gó­cio. “Co­me­ço a ob­ser­var quem tem ta­len­to e, mais do que ser in­flu­en­cer, qu­er tra­ba­lhar de ver­da­de”, afir­ma Le­mos. Há três anos, ele inau­gu­rou o hub de ne­gó­ci­os gas­tronô­mi­cos Me­ní, no qu­al pro­mo­ve pro­je­tos e even­tos em par­ce­ria com mar­cas e ex-par­ti­ci­pan­tes do Mas­terChef, do The

Tas­te e do Hell's Kit­chen. Re­cen­te­men­te, ele pres­tou con­sul­to­ria pa­ra a Crazy Me­at, fran­quia de san­duí­ches de car­ne lou­ca ela­bo­ra­dos por ele, e, em par­ce­ria com a En­de­mol, li­cen­cia uten­sí­li­os de co­zi­nha com a mar­ca do Mas­terChef. Co­mo se não bas­tas­se, ele caiu nas gra­ças da di­re­ção da Band e se tor­nou apre­sen­ta­dor da pré­via do pro­gra­ma. “Fiz uma vez, me cha­ma­ram de no­vo e con­ti­nu­ei. O pro­gra­ma me abre mui­tas por­tas até ho­je”, diz ele.

As­sim co­mo Eli­sa, Leo Young e Iza­bel Ál­va­res con­quis­ta­ram prê­mio má­xi­mo no re­a­lity e in­gres­sa­ram na gas­tro­no­mia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.