Ma­pa gas­tro­no­mi­co do BRA­SIL

20 gran­des co­zi­nhei­ros do País re­ve­lam as de­lí­ci­as de seus es­con­de­ri­jos pre­di­le­tos

Menu - - Capa - por Fer­nan­da Me­ne­guet­ti

Aca­ra­jé, co­xi­nha e pão de quei­jo. Fei­jo­a­da, mo­que­ca e ma­ni­ço­ba. Açaí, bri­ga­dei­ro e ta­pi­o­ca. E tam­bém: sushi e ce­vi­che, lá­men e es­pa­gue­te, ri­so­to e bi­bim­bap, fa­lá­fel e sa­mos­sa. Não é se­gre­do ne­nhum que re­cei­tas raiz e imi­gran­tes es­tão to­tal­men­te in­cor­po­ra­das à di­e­ta bra­si­lei­ra. Nem por is­so dei­xam de pro­vo­car nos­sos estô­ma­gos, nem de atrair os olha­res es­tran­gei­ros. Se­gun­do o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo, es­sa co­mi­lan­ça úni­ca e sin­cré­ti­ca, que mis­tu­ra in­gre­di­en­tes in­dí­ge­nas e eu­ro­peus, tra­di­ções afri­ca­nas e asiá­ti­cas, é um dos prin­ci­pais atra­ti­vos do País. Tan­to as­sim que, no ano pas­sa­do, cons­ta­tou-se que, pa­ra os vi­si­tan­tes in­ter­na­ci­o­nais, nos­sa gas­tro­no­mia só per­de pa­ra a hos­pi­ta­li­da­de – São Pau­lo, por exem­plo, re­ce­beu 97,3% de ava­li­a­ções po­si­ti­vas, e Bra­sí­lia te­ve 97,7% de seus res­tau­ran­tes apro­va­dos por tu­ris­tas in­ter­na­ci­o­nais. Os ín­di­ces bra­su­cas, por sua vez, es­tão de­sa­tu­a­li­za­dos. Ain­da as­sim, na úl­ti­ma pes­qui­sa, apre­sen­ta­da em 2012, a apro­va­ção dos ser­vi­ços e in­fra­es­tru­tu­ra cu­li­ná­ria já bei­ra­va os 90%. Ou se­ja, na ho­ra de pen­sar em des­ti­nos gour­mets, não fal­tam mo­ti­vos pa­ra olhar pa­ra nos­so pró­prio um­bi­go. Foi exa­ta­men­te is­so que fi­ze­ram 20 chefs das di­fe­ren­tes re­giões bra­si­lei­ras. Es­se mes­mo ba­laio cul­tu­ral foi com­pro­va­do quan­do Me­nu per­gun­tou a eles o que há de me­lhor pa­ra se co­mer por aqui. Qu­er di­zer, o que eles mais gos­tam de co­mer quan­do não es­tão com a bar­ri­ga no fo­gão... E deu de um tu­do: pas­tel, cor­dei­ro no tan­do­or, am­bro­sia, bu­cha­da de bo­de, ta­ta­ki, bi­fe com ba­ta­ta fri­ta, su­kiya­ki, car­ne as­sa­da e até ome­le­te! Os gran­des co­zi­nhei­ros es­co­lhe­ram a de­do seus lu­ga­res com gos­to de ca­sa e co­mi­das com jei­to de abra­ço, exe­cu­ta­das com pri­mor. Sur­giu, as­sim, um ro­tei­ro in­co­mum, mas igual­men­te de­li­ci­o­so. Um ma­pa pa­ra sus­ci­tar bo­as in­ves­ti­das fo­o­di­es, al­ter­nan­do, cla­ro, com pon­tos tu­rís­ti­cos tra­di­ci­o­nais. De Nor­te a Sul. Afi­nal, po­de ter con­vi­te me­lhor do que des­bra­var es­con­de­ri­jos in­di­ca­dos por quem mais en­ten­de do as­sun­to?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.