A BOR­GO­NHA CO­MO RE­FE­RêN­CIA

Menu - - Caderno De Bebidas -

Há pou­co mais de um ano, o chi­le­no Mar­ce­lo Pa­pa é o prin­ci­pal enólogo da vi­ní­co­la Con­cha Y To­ro. Foi al­ça­do ao car­go de co­or­de­nar os de­mais enó­lo­gos do gru­po (a ex­ce­ção é En­ri­que Ti­ra­do, do Don Mel­chor) pe­lo tra­ba­lho que re­a­li­zou à fren­te da Ca­sil­le­ro del Di­a­blo, a prin­ci­pal li­nha de vi­nhos da CYT; e tam­bém da Marqués de Ca­sa Con­cha e May­cas del Li­ma­rí. Mas Pa­pa não qu­er fi­car sen­ta­do em lou­ros pas­sa­dos: seu tra­ba­lho ca­mi­nha na di­re­ção de ela­bo­rar vi­nhos de qua­li­da­de, mais pe­la ele­gân­cia do que pe­la po­tên­cia.

O me­lhor exem­plo dis­so são as su­as vi­a­gens. An­tes de vir pa­ra São Pau­lo pa­ra lan­çar o Eti­que­ta Ne­gra, o pri­mei­ro blend da li­nha Marqués de Ca­sa Con­cha, Pa­pa pas­sou uma se­ma­na na Bor­go­nha. “Es­ta­mos tra­ba­lhan­do na mes­ma di­re­ção dos fran­ce­ses, de co­lher mais ce­do, de re­du­zir o uso de bar­ri­cas”, con­ta ele. E acres­cen­ta: “Mui­tos bor­go­nhe­ses es­tão re­du­zin­do a quan­ti­da­de de bat­to­na­ge (téc­ni­ca de me­xer os vi­nhos nas bar­ri­cas), pa­ra pri­vi­le­gi­ar o fres­cor.”

Nes­sas vi­si­tas às vi­ní­co­las lo­cais, Pa­pa fez mui­tas per­gun­tas so­bre o uso da ma­dei­ra. Co­me­çou a ques­ti­o­nar o uso de fou­dres (as bar­ri­cas gran­des de mais de 5 mil li­tros) pa­ra bran­cos e a per­ce­ber que não dá pa­ra abrir mão do uso de bar­ri­cas no­vas. “É pre­ci­so mes­clar as bar­ri­cas no­vas e usa­das e tam­bém os ti­pos de tos­ta de ca­da bar­ril”, con­ta, en­tu­si­as­ma­do. Só os tan­ques em for­ma­to de ovos de con­cre­to que não es­tão en­can­tan­do o enólogo. De no­vi­da­des, pro­me­te um no­vo mal­bec e tra­zer pa­ra o Bra­sil o ro­sé da li­nha Marqués, que vem fa­zen­do su­ces­so em ou­tros mer­ca­dos.

Mar­ce­lo Pa­pa, ao la­do, e os vi­nhe­dos de Lí­ma­ri

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.