NA­TU­RE­BAS

Com o re­cor­de de mil vi­si­tan­tes, a fei­ra Na­tu­re­bas mos­tra que há um es­pa­ço cres­cen­te pa­ra os bran­cos e tin­tos ela­bo­ra­dos sem agro­tó­xi­cos e de­mais pro­du­tos quí­mi­cos

Menu - - Contents - even­to pau­lis­ta­no mos­tra a for­ça do vi­nho na­tu­ral

Qua­se cem pro­du­to­res, prin­ci­pal­men­te de vi­nhos, se reu­ni­ram no pri­mei­ro sá­ba­do de agos­to na Ca­sa das Cal­dei­ras, es­pa­ço de even­tos pau­lis­ta­no, mar­ca­do pe­la enor­me cha­mi­né on­de um dia foi uma das ins­ta­la­ções das In­dús­tri­as Reu­ni­das Fran­ces­co Ma­ta­raz­zo. Bra­si­lei­ros e es­tran­gei­ros, es­ta­vam to­dos a pos­tos pa­ra mos­trar seus vi­nhos e con­ver­sar com o pú­bli­co re­cor­de de mil pes­so­as da 6a edi­ção da Na­tu­re­bas. A fei­ra, que co­me­çou pe­que­ni­na em 2013, na pró­pria Eno­te­ca Saint Vin Saint, o res­tau­ran­te do ca­sal Lis Ce­re­ja e Ra­ma­tis Rus­so, or­ga­ni­za­do­res do even­to, cres­ceu tan­to a pon­to de lo­tar o no­vo es­pa­ço. No fi­nal de seis ho­ras inin­ter­rup­tas de de­gus­ta­ção, mui­tos pre­sen­tes co­men­ta­vam que não con­se­gui­ram pro­var to­dos os vi­nhos que pla­ne­ja­vam nem tro­car idei­as com to­dos os pro­du­to­res, e que o even­to po­de­ria ter, pe­lo me­nos, dois di­as.

No fi­nal des­se sá­ba­do, os or­ga­ni­za­do­res não ti­nham mais dú­vi­das do po­ten­ci­al do even­to. E, as­sim, res­pon­di­am à ques­tão se os vi­nhos or­gâ­ni­cos, bi­o­di­nâ­mi­cos e na­tu­rais são uma moda ou uma ten­dên­cia. “Se fos­se uma moda, já te­ria pas­sa­do”, afir­ma o bel­ga Jac­ques Tre­fois, pi­o­nei­ro em tra­zer pa­ra o Bra­sil os pri­mei­ros ró­tu­los de vi­nhos na­tu­rais (leia en­tre­vis­ta na pá­gi­na 51). É cer­to que, mes­mo com to­do o in­te­res­se, ain­da não há um con­cei­to de­fi­ni­ti­vo do que se­ja es­ses vi­nhos ela­bo­ra­dos sem qual­quer in­ter­ven­ção, in­cluin­do o ve­to a qual­quer pro­du­to quí­mi­co. Mas, em li­nhas ge­rais, os bran­cos e tin­tos que fer­men­tam li­vre­men­te e não têm qual­quer in­ter­ven­ção são cha­ma­dos de na­tu­rais; or­gâ­ni­cos são aque­les ela­bo­ra­dos com uvas cul­ti­va­das sem o uso de qual­quer ve­ne­no no so­lo, mas que po­dem re­ce­ber al­guns adi­ti­vos em sua vi­ni­fi­ca­ção, co­mo o SO2 (ani­dri­do sul­fu­ro­so, usa­do pa­ra con­ser­var o vi­nho). Bi­o­di­nâ­mi­cos, por sua vez, são fei­tos tam­bém sem qual­quer quí­mi­co, mas que se­guem a fi­lo­so­fia de Ru­dolf Stei­ner, das in­fluên­ci­as cós­mi­cas e com vá­ri­os com­pos­tos na­tu­rais no vi­nhe­do.

“É mui­to bom ver o in­te­res­se dos bra­si­lei­ros por es­ses vi­nhos”, diz o chi­le­no Ál­va­ro Es­pi­no­za, um dos ex­po­si­to­res do Na­tu­re­bas. Pi­o­nei­ro no cul­ti­vo or­gâ­ni­co no Chi­le – ele é con­sul­tor dos vi­nhe­dos Emi­li­a­na, o mai­or pro­je­to

nes­sa fi­lo­so­fia no país an­di­no –, Es­pi­no­za tem no An­tiyal o seu pro­je­to pes­so­al. Com vi­nhe­dos em Mai­po, zo­na em que a car­menè­re bri­lha, sua pro­pos­ta é ela­bo­rar tin­tos pe­lo cul­ti­vo bi­o­di­nâ­mi­co. O res­pei­to ao lo­cal é mais do que va­lo­ri­za­do en­tre os pro­du­to­res des­sa ten­dên­cia. “Os vi­nhos bi­o­di­nâ­mi­cos são mais ge­nuí­nos em seus aro­mas e tra­zem o sen­ti­do do lu­gar em que são cul­ti­va­dos”, de­fen­de Es­pi­no­za. Quan­do per­gun­ta­do por que ela­bo­ra um tin­to com a uva tin­ta vi­nhão, no­ta­da­men­te rús­ti­ca, o por­tu­guês Vasco Croft, da Alphos Wi­ne, res­pon­de, sim­ples­men­te: “É o es­ti­lo tra­di­ci­o­nal em Por­tu­gal des­de o sé­cu­lo 18”. Es­se tin­to, co­mer­ci­a­li­za­do por R$ 149, pe­la Wi­neLo­vers, vem tri­lhan­do o seu caminho em uma re­gião, a de vi­nhos ver­des, co­nhe­ci­da por bran­cos. No ca­so de Croft, ele es­tá na sub-re­gião on­de a lou­rei­ro é a uva mais uti­li­za­da e ele tem bran­cos de mui­ta qua­li­da­de.

A Na­tu­re­bas é tam­bém o es­pa­ço pa­ra que os pro­du­to­res bra­si­lei­ros que se­guem es­sa ten­dên­cia con­si­gam mos­trar seus vi­nhos pa­ra os con­su­mi­do­res. Es­ta­vam to­dos no even­to, até Edu­ar­do Zen­ker, o gaú­cho que te­ve sua vi­ní­co­la Ar­te da Vi­nha in­ter­di­ta­da pe­lo go­ver­no e apro­vei­tou o even­to pa­ra lan­çar o li­vro Re­a­lin­ver­sa, em que con­ta es­sa sa­ga. Luis Hen­ri­que Za­ni­ni, com os seus pe­ve­rel­la, da Era dos Ven­tos; Li­ze­te Vi­ca­ri, com um vi­nho de ma­ce­ra­ção carbô­ni­ca, fei­to com a uva sei­bel; Mar­co Da­ni­el­le, com os seus pi­not noir, eram al­guns dos pre­sen­tes. Um dos des­ta­ques era o Pet Nat, co­mo são ape­li­da­dos os es­pu­man­tes na­tu­rais, que fer­men­ta ape­nas na gar­ra­fa, da Vi­nhas do Tem­po, de Da­ni­el Lo­pes. É ven­di­do por R$ 120 a gar­ra­fa.

Dos ex­po­si­to­res es­tran­gei­ros, pre­do­mi­na­vam os chi­le­nos, en­tre os pro­du­to­res da Amé­ri­ca do Sul – tal­vez se­ja con­sequên­cia de o país ter um so­lo mais pro­te­gi­do de pra­gas, tal­vez pe­la cons­ci­ên­cia dos pro­du­to­res. Em mui­tos, as va­ri­e­da­des até re­cen­te­men­te pou­co va­lo­ri­za­das, co­mo a uva país, eram o des­ta­que. O pro­du­tor Ro­ber­to Hen­ri­quez era um exem­plo, se­gui­do pe­lo pro­je­to pes­so­al de Ma­ca­re­na del Río, com uma uva país do va­le de Ita­ta, e lon­ga ma­ce­ra­ção, de exa­tos 69 di­as (os dois pro­du­to­res es­tão no port­fó­lio da La

Vi­nhe­ria). E o Pi­sa­dor 2016, um país de vi­nhas cen­te­ná­ri­as, im­por­ta­do pe­la Pi­o­vi­no por R$ 249,90, mos­tra que es­sa ce­pa po­de, mes­mo, ge­rar vi­nhos de qua­li­da­de.

Da Eu­ro­pa, pro­du­to­res de Por­tu­gal e Fran­ça, prin­ci­pal­men­te, mos­tra­vam que o caminho do vi­nho na­tu­ral pa­re­ce ser mais con­so­li­da­do no ve­lho con­ti­nen­te. O Lo­ren­zo Va­len­zu­e­la, da es­pa­nho­la Bar­ran­co Os­cu­ro, por sua vez, mos­tra­va o bran­co La Ví y Soñé (R$ 249), um vi­og­ni­er da re­gião de Gra­na­da, com no­tas de pês­se­go e cí­tri­cos, que foi um dos des­ta­ques do even­to. A vi­ní­co­la fa­mi­li­ar Bar­ran­co Os­cu­ro re­ve­la uma no­va fa­ce­ta do ca­sal Lis e Ra­ma­tis: seus vi­nhos co­me­çam a ser importados pe­la Eno­te­ca Saint Vin Saint. A im­por­ta­ção di­re­ta de vi­nhos na­tu­rais é uma área que o ca­sal pre­ten­de in­ves­tir mais for­te­men­te no Bra­sil, pa­ra a sor­te dos se­gui­do­res des­sa ten­dên­cia. Os vi­nhos de im­por­ta­ção pró­pria e al­guns ou­tros ró­tu­los são ven­di­dos no si­te da eno­te­ca.

O lo­ta­do sa­lão da Ca­sa das Cal­dei­ras

Luis Hen­ri­que Za­ni­ni, da Era dos Ven­tos e Da­ni­el Mi­ran­di­nha

Pau­lo Ne­to (no cen­tro), da La Vi­nhe­ria

O por­tu­guês Vasco Croft

O chi­le­no Al­va­ro Es­pi­no­za

Lis Ce­re­ja e Ra­ma­tis Rus­so

Li­ze­te Vi­ca­ri

Edu­ar­do Zen­ker

Ga­bri­e­la Schã­fer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.