POR AÍ

A ci­da­de co­nhe­ci­da pe­las be­las ca­ta­ra­tas tam­bém quer ser lem­bra­da por sua gas­tro­no­mia

Menu - - Contents - por Luciana Mas­tro­ro­sa, de Foz do Igua­çu*

Foz do Igua­çu (PR) quer tam­bém ser lem­bra­da por sua gas­tro­no­mia

Uma pai­sa­gem na­tu­ral deslumbrante e um des­ti­no ain­da pou­co ex­plo­ra­do pe­los bra­si­lei­ros. As­sim é Foz do Igua­çu, no Pa­ra­ná, na fron­tei­ra com Pa­ra­guai e Ar­gen­ti­na. A ci­da­de, até pou­co tem­po atrás, era mais co­nhe­ci­da e fre­quen­ta­da por turistas es­tran­gei­ros e bra­si­lei­ros que mo­ram em re­giões pró­xi­mas, co­mo Cas­ca­vel, e tam­bém pe­lo pú­bli­co em bus­ca de com­pras, re­a­li­za­das no além-fron­tei­ras com nos­sos paí­ses vi­zi­nhos. Com o for­ta­le­ci­men­to do tu­ris­mo – e, aos pou­cos, tam­bém da gas­tro­no­mia lo­cal – os nú­me­ros têm mu­da­do e ca­da vez mais Foz tem si­do um des­ti­no a ser re­co­nhe­ci­do pe­lo pú­bli­co na­ci­o­nal.

Den­tre as atra­ções mais im­pac­tan­tes da re­gião es­tá o Par­que Na­ci­o­nal do Igua­çu, on­de fi­cam as des­lum­bran­tes Ca­ta­ra­tas do Igua­çu, for­ma­do por 185 mil hec­ta­res de re­ser­va flo­res­tal. É a úl­ti­ma área ex­ten­si­va de Ma­ta Atlân­ti­ca no Sul do Bra­sil, e o par­que foi cri­a­do com o ob­je­ti­vo de pre­ser­var a área, sua fau­na e flo­ra. Com uma lo­ca­li­za­ção pri­vi­le­gi­a­da den­tro do par­que, o Bel­mond Ho­tel das Ca­ta­ra­tas tem si­do um dos ca­ta­li­sa­do­res da gas­tro­no­mia e do tu­ris­mo da re­gião.

Em se­tem­bro pas­sa­do, o ho­tel ofe­re­ceu seu se­gun­do Fes­ti­val Foz Gas­tronô­mi­co, re­ce­ben­do mais de 1.300 pes­so­as e reu­nin­do chefs do Bra­sil e do mun­do pa­ra al­mo­ços, jan­ta­res e de­mons­tra­ções cu­li­ná­ri­as, além de uma área ao ar li­vre re­ple­ta de pe­tis­cos, chur­ras­co e be­bi­das pa­ra o pú­bli­co de den­tro e de fo­ra do ho­tel. A ini­ci­a­ti­va faz par­te de um re­nas­ci­men­to do lo­cal, que tem co­mo pro­pos­ta o de­sen­vol­vi­men­to da gas­tro­no­mia e a atra­ção de turistas na­ci­o­nais de vá­ri­os can­tos do País. “A gen­te não ti­nha hós­pe­des ha­bi­tu­ais bra­si­lei­ros, ago­ra is­so es­tá mu­dan­do. Pes­so­as de ou­tras re­giões vêm pe­la pri­mei­ra vez e vol­tam”, diz Cas­si­a­no Vitorino, ge­ren­te de co­mu­ni­ca­ção do gru­po que co­man­da o Bel­mond. “Te­mos um mi­lhão de pes­so­as pas­san­do na nos­sa por­ta, por is­so nos­sa pro­pos­ta é atrair es­sas pes­so­as por meio da gas­tro­no­mia, mes­mo os

que não se­jam hós­pe­des. Por is­so, nosso pri­mei­ro ob­je­ti­vo com es­ses fes­ti­vais é a apro­xi­ma­ção do pú­bli­co por meio da boa co­mi­da e be­bi­da”, afir­ma Vitorino.

Des­de que o gru­po Bel­mond as­su­miu o ho­tel, em 2007, têm si­do fei­tos es­for­ços pa­ra pri­o­ri­zar a gas­tro­no­mia co­mo for­ma de ala­van­car ain­da mais o tu­ris­mo da re­gião. Ain­da há mui­to por ser for­ta­le­ci­do em re­la­ção ao tra­ba­lho com in­gre­di­en­tes lo­cais – mui­tos in­su­mos vêm de ou­tros lu­ga­res do Bra­sil, prin­ci­pal­men­te de po­los dis­tri­bui­do­res, co­mo São Pau­lo, o que di­fi­cul­ta a lo­gís­ti­ca. Des­de o fi­nal de 2017, o chef pe­ru­a­no Je­an Paul Bar­bi­er as­su­miu a co­zi­nha do Bel­mond Ho­tel das Ca­ta­ra­tas e pas­sou a tra­ba­lhar for­te­men­te pa­ra des­co­brir pro­du­to­res da re­gião e for­ta­le­cer es­ses la­ços, tra­zen­do um pou­co mais dos sa­bo­res de Foz pa­ra os res­tau­ran­tes. “Tra­ba­lho mui­to com fru­tas sa­zo­nais, ver­du­ras da tem­po­ra­da, mi­lho, or­gâ­ni­cos. Tam­bém há bons pes­ca­dos por aqui. Pre­ten­do am­pli­ar a hor­ta do ho­tel pa­ra pro­du­zir pe­que­nas coi­sas do dia a dia, co­mo flo­res, er­vas, bro­tos”, diz Bar­bi­er. “É um tra­ba­lho de lon­go pra­zo”, afir­ma.

Em seu menu, os sa­bo­res bra­si­lei­ros se des­ta­cam ca­da vez mais. O ho­tel pos­sui dois res­tau­ran­tes: no Ipê Grill, a pro­pos­ta é ofe­re­cer um car­dá­pio mais des­con­traí­do, fo­ca­do em chur­ras­co em estilo gaú­cho. Ali tam­bém se ofe­re­ce o ca­fé da ma­nhã, com pães pro­du­zi­dos na ca­sa. Já o res­tau­ran­te Itai­pu é on­de a co­zi­nha do chef Bar­bi­er bri­lha mais, com pra­tos de co­zi­nha con­tem­po­râ­nea ali­a­da a to­ques bem bra­si­lei­ros, mas sem dei­xar de la­do as raí­zes pe­ru­a­nas. É o ca­so do en­trecô­te de wagyu com ra­vió­li de pal­mi­to e es­pu­ma de foie gras, que tran­si­ta en­tre os sa­bo­res da gas­tro­no­mia in­ter­na­ci­o­nal e os pro­du­tos na­ci­o­nais, co­mo o pal­mi­to pu­pu­nha e a pi­men­ta ro­sa. Já o ti­ra­di­to, re­fe­rên­cia di­re­ta da co­zi­nha pe­ru­a­na, é abra­si­lei­ra­do com aba­ca­te, pi­men­ta de­do-de-mo­ça e bro­tos de co­en­tro.

Em to­dos os jan­ta­res ofe­re­ci­dos na se­gun­da edi­ção do Fes­ti­val Foz Gas­tronô­mi­co, os chefs usa­ram pro­du­tos bra­si­lei­ros,

ex­ce­to quan­do con­se­gui­ram tra­zer al­go da ba­ga­gem. Al­guns dos co­zi­nhei­ros se quei­xa­ram da ofer­ta de pro­du­tos, pois es­pe­ra­vam jus­ta­men­te en­con­trar al­go mais re­gi­o­nal com o que se tra­ba­lhar. Por ou­tro la­do, se en­can­ta­ram com al­guns dos sa­bo­res tí­pi­cos da­qui, co­mo a man­di­o­qui­nha (ou ba­ta­ta-ba­roa), mui­to pre­sen­te na gas­tro­no­mia lo­cal.

O chef Ri­car­do Cos­ta, do The Ye­at­man Ho­tel, de Por­tu­gal, tra­zia cal­do de car­ne e ou­tros in­su­mos na ba­ga­gem, que fi­ca­ram pre­sos na alfândega. Aqui, adap­tou os pra­tos que ser­vi­ria com os in­gre­di­en­tes que en­con­trou, mas es­pe­ra que, nu­ma pró­xi­ma vin­da, a ofer­ta de pro­du­tos lo­cais te­nha se am­pli­a­do. “Vim aqui com o ob­je­ti­vo de co­nhe­cer al­gu­mas coi­sas da­qui e tam­bém tra­zer al­guns in­gre­di­en­tes da mi­nha ter­ra pa­ra mos­trar, mas in­fe­liz­men­te não con­se­gui tra­zê-las. Da pró­xi­ma vez, gos­ta­ria de co­nhe­cer mais dos in­su­mos de Foz”, diz Cos­ta. O chef Ri­car­do Mar­tins, do res­tau­ran­te Si­e­te, no Pe­ru, te­ve mais sor­te: pre­pa­rou uma ver­são da fei­jo­a­da bra­si­lei­ra fi­na­li­za­da com pei­xe gre­lha­do. Usou tem­pe­ros pe­ru­a­nos no pra­to, co­mo o ají, pi­men­ta tí­pi­ca de seu país, e apro­vou a ofer­ta de pes­ca­dos que en­con­trou por aqui. Já o fran­cês Ma­ri­on Mon­ni­er foi res­pon­sá­vel por um dos gran­des pra­tos do fes­ti­val, o ve­ge­ta­ri­a­no ca­mai­eux de le­gu­mes com cal­do de par­me­são e li­mão con­fi­ta­do. “Gos­tei mui­to do que vi por aqui, os in­gre­di­en­tes são mui­to fres­cos e tam­bém há uma boa ofer­ta de quei­jos. Fi­quei en­can­ta­do de pro­var os quei­jos na­ci­o­nais”, diz ele. Du­ran­te to­do o fes­ti­val, o ho­tel mon­tou uma pe­que­na de­gus­ta­ção de quei­jos bra­si­lei­ros, pos­si­bi­li­tan­do a hós­pe­des e chefs pro­var es­ses in­su­mos de di­ver­sas re­giões do país. Ago­ra, o ho­tel já se pre­pa­ra pa­ra a ter­cei­ra edi­ção do fes­ti­val, que es­tá pre­vis­to pa­ra ocor­rer em se­tem­bro de 2019, ain­da sem da­ta de­fi­ni­da.

Vis­ta aé­rea do Bel­mond Ho­tel das Ca­ta­ra­tas, den­tro do Par­que Na­ci­o­nal do Igua­çu

Sal­mão com nho­que de ba­na­na em mo­lho de er­va-do­ce, do res­tau­ran­te Itai­pu. Ao la­do, o ca­fé da ma­nhã do ho­tel com vis­ta pri­vi­le­gi­a­da

En­trecô­te de wagyu com ra­vió­li de pal­mi­to e es­pu­ma de foie gras

Pi­ra­ru­cu com beur­re blanc, fa­ro­fa de ba­na­na e le­gu­mes bra­si­lei­ros

O charmoso quar­to do Bel­mond

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.