COM ESTILO

Sai­ba mais so­bre as Ales bri­tâ­ni­cas, ain­da pou­co ex­plo­ra­das no Bra­sil

Menu - - Contents -

En­tre no mun­do inexplorado das cer­ve­jas ales in­gle­sas e co­nhe­ça su­as va­ri­e­da­des

Se exis­te uma es­co­la cer­ve­jei­ra su­bes­ti­ma­da no mer­ca­do bra­si­lei­ro, é a in­gle­sa. À ex­ce­ção da Dry Stout Guin­ness e de um ou ou­tro ró­tu­lo que viajantes pro­vam por lá e even­tu­al­men­te re­pe­tem por aqui, não há uma pro­du­ção lo­cal tão nu­me­ro­sa co­mo a de Ame­ri­can IPAs ou até mes­mo de re­cei­tas de ins­pi­ra­ção ale­mã e bel­ga. E is­so é uma pe­na, pois o con­su­mi­dor aca­ba per­den­do a chan­ce de di­ver­si­fi­car sua bi­bli­o­te­ca de aro­mas e sa­bo­res com al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas pe­cu­li­a­res.

Um dos pon­tos mais in­te­res­san­tes das Bit­ters in­gle­sas, por exem­plo, é a pos­si­bi­li­da­de de en­con­trar exem­pla­res de te­or al­coó­li­co in­fe­ri­or às nos­sas lou­ras ge­la­das, mas ain­da as­sim bas­tan­te sa­bo­ro­sos e com­ple­xos, co­mo é o ca­so das Or­di­nary Bit­ters, que va­ri­am de 3,2% a 3,8%. Tan­to ela quan­to su­as “ir­mãs” mais al­coó­li­cas, a Best Bit­ter e a Spe­ci­al Bit­ter, di­vi­dem ca­rac­te­rís­ti­cas co­mo o per­fil de mal­te cen­tra­do em no­tas de pão, bis­coi­to e le­ve tos­ta­do, és­te­res fru­ta­dos e

no­tas de lú­pu­lo que in­clu­em um per­fil mais ter­ro­so. Pa­ra qu­em gos­ta de es­tu­dar de­ta­lhes e su­ti­le­zas das cer­ve­jas, a com­pa­ra­ção das Bit­ters é mui­to im­por­tan­te – po­de ser fei­ta às ce­gas, com aju­da de ami­gos.

A “vi­a­gem” des­ta edi­ção in­clui ou­tra co­ne­xão mui­to im­por­tan­te: a In­dia Pa­le Ale. Se­gun­do o Ox­ford Com­pa­ni­on to Be­er, o estilo se ori­gi­nou a par­tir de Pa­le Ales in­gle­sas em me­a­dos do sé­cu­lo 17, e de Stock Ales (cer­ve­jas pen­sa­das pa­ra ma­tu­rar por um lon­go tem­po). Em­bo­ra ini­ci­al­men­te não ti­ves­se o no­me IPA, foi con­su­mi­do por tro­pas e co­mer­ci­an­tes in­gle­ses na Ín­dia, até per­der es­pa­ço pa­ra as La­gers. Nos Es­ta­dos Uni­dos, há re­gis­tros de pro­du­ção de IPA em me­a­dos do sé­cu­lo 19, mas foi no sé­cu­lo 20 que o estilo foi ado­ta­do pe­los cer­ve­jei­ros ar­te­sa­nais lo­cais, tor­nan­do-se o mais po­pu­lar em to­tal de ró­tu­los e ins­cri­ções em con­cur­sos. Além de com­pa­rar En­glish e Ame­ri­can IPAs, não se es­que­ça de in­cluir a Ame­ri­can Pa­le Ale (APA), cu­jo exem­plar que ba­se­ou o estilo, da Si­er­ra Ne­va­da, po­de ser en­con­tra­do no Bra­sil.

A de­gus­ta­ção ter­mi­na com a Ca­li­for­nia Com­mon, que tem sua his­tó­ria li­ga­da à Cos­ta Oes­te dos Es­ta­dos Uni­dos, du­ran­te a cor­ri­da do ou­tro. Tra­ta-se de uma cer­ve­ja âm­bar, pro­du­zi­da com le­ve­du­ra de bai­xa fer­men­ta­ção (La­ger), mas a tem­pe­ra­tu­ras mais elevadas que o pa­drão.

De acor­do com o li­vro A Me­sa do Mes­tre Cer­ve­jei­ro, de Gar­rett Oli­ver, Bit­ters in­gle­sas com­bi­nam com pra­tos de car­ne bo­vi­na ou de fran­go as­sa­da, além de ba­ca­lhau e sal­si­chas em ge­ral. As En­glish IPAs, se­gun­do Oli­ver, vão bem com pra­tos con­di­men­ta­dos e mais den­sos; ele apon­ta es­pe­ci­fi­ca­men­te a cu­li­ná­ria in­di­a­na. A mes­ma ló­gi­ca se apli­ca à Ca­li­for­nia Com­mon. As Ame­ri­can IPAs, por sua vez, fa­zem um par tra­di­ci­o­nal com ham­búr­gue­res e tam­bém com sal­mão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.