AR­GEN­TI­NA

Co­nhe­ci­da pe­los seus tin­tos ela­bo­ra­dos com a mal­bec, a Ar­gen­ti­na in­ves­te em co­nhe­cer a vo­ca­ção de ca­da um dos seus ter­roirs

Menu - - Contents -

O pais da mal­bec quer des­co­brir a vo­ca­ção de ca­da um de seus ter­roirs

Um tan­go de Car­los Gar­del, uma boa car­ne na bra­sa, um ges­to do ex­pres­si­vo de Di­e­go Ma­ra­do­na e uma ta­ça de vi­nho tin­to, ela­bo­ra­do com a uva mal­bec. To­das elas for­mam as ima­gens do car­tão-pos­tal da Ar­gen­ti­na. Mas, ao me­nos no vi­nho, o país do tan­go vem des­co­brin­do que é pre­ci­so am­pli­ar es­sa ima­gem. Cla­ro que há es­pa­ço pa­ra aque­le tin­to mui­to fru­ta­do, qua­se do­ce, en­cor­pa­do, mas com ta­ni­nos ma­ci­os, que con­quis­tam tan­tos con­su­mi­do­res. Mas a mal­bec, va­ri­e­da­de de ori­gem fran­ce­sa que tão bem se adap­tou ao cli­ma se­co do la­do de cá da Cor­di­lhei­ra dos An­des, po­de – ou me­lhor, de­ve – re­sul­tar em tin­tos com mai­or per­so­na­li­da­de e não ape­nas as no­tas de fru­tas ver­me­lhas ma­du­ras. Mais do que is­so, es­sa ce­pa de ori­gem fran­ce­sa e al­ma ar­gen­ti­na po­de – e de­ve – ter a com­pa­nhia de ou­tras va­ri­e­da­des e, as­sim, am­pli­ar o in­te­res­se dos con­su­mi­do­res mun­di­ais pe­los vi­nhos do país.

Es­se pa­re­ce ser o de­sa­fio que mo­ve os enó­lo­gos do país de nor­te a sul. Eles não têm dú­vi­das do po­ten­ci­al da mal­bec, que cor­res­pon­de a pou­co mais de 36% dos 203,5 mil hec­ta­res de vi­nhe­dos ar­gen­ti­nos, com 41,3 mil hec­ta­res cul­ti­va­dos. Por is­so mes­mo, sa­bem que de­vem ex­plo­rar as ca­rac­te­rís­ti­cas das vi­nhas em ca­da uma das re­giões vi­ti­vi­ní­co­las lo­cais, se­jam elas as mais co­nhe­ci­das, co­mo Men­do­za, San Juan, Sal­ta e Pa­tagô­nia, as no­vas co­mo na cos­ta do Atlân­ti­co e as que es­tão pa­ra sur­gir. “Até o iní­cio dos anos 1990, a le­gis­la­ção proi­bia o plan­tio de uvas fo­ra dos va­les tra­di­ci­o­nais”, con­ta o jor­na­lis­ta Jo­a­quim Hi­dal­go, con­tra­ta­do pe­la Wi­nes of Ar­gen­ti­na pa­ra mos­trar al­guns dos no­vos ter­roirs do país. Nes­se no­vo ma­pa, há vi­nhe­dos bem ao sul, co­mo em Chu­but, na Pa­tagô­nia pró­xi­ma ao Atlân­ti­co, re­cém-plan­ta­dos pe­los ir­mãos Mi­chel­li­ni; ou­tros na que­bra­da de Hu­mahu­a­ca, em Ju­juy, ao nor­te do país.

Mas nem to­dos es­tão tão lon­ge as­sim dos An­des. Santiago Achá­val, co­nhe­ci­do pe­los vi­nhos Acha­val Fer­rer, que ven­deu pou­cos anos atrás, plan­tou um vi­nhe­do em El Chal­lao, em um pe­que­no oá­sis es­con­di­do en­tre as mon­ta­nhas. Achá­val e seu só­cio, o enó­lo­go ita­li­a­no Ro­ber­to Ci­pres­so, en­con­tra­ram um so­lo de ori­gem ge­o­ló­gi­ca mais an­ti­ga, na pré-Cor­di­lhei­ra (os so­los da Cor­di­lhei­ra são mais no­vos ge­o­lo­gi­ca­men­te), em uma pe­que­na re­gião com du­as ho­ras de sol a me­nos que Men­do­za, ou se­ja, com me­nor in­so­la­ção. Ba­ti­za­do de Ma­ter­vi­ni, o pro­je­to re­sul­ta em tin­tos de mai­or fres­cor e uma fru­ta ver­me­lha fres­ca. “Um dos de­sa­fi­os da Ar­gen­ti­na é en­con­trar zo­nas bo­as pa­ra os vi­nhe­dos em re­giões mais fri­as, pa­ra re­sul­tar em vi­nhos de mai­or aci­dez”, afir­ma Hi­dal­go. Tra­di­ci­o­nal­men­te, a crí­ti­ca aos vi­nhos do país é a sua bai­xa aci­dez, re­sul­ta­do de um cli­ma con­ti­nen­tal bem quen­te e de ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as do seu so­lo.

Ao nor­te, uma boa sur­pre­sa é o vi­nhe­do de ape­nas um hec­ta­re que a vi­ní­co­la El Por­ve­nir cul­ti­va no va­le de Ca­faya­te, a 1.850 me­tros do ní­vel do mar. Sem pla­cas in­di­ca­ti­vas na es­tra­da e de di­fí­cil aces­so, as vi­nhas do vi­nhe­do Al­to Los Cui­ses des­to­am da pai­sa­gem lo­cal. Com ár­vo­res em to­do o seu re­dor e vi­nhe­dos de mal­bec, char­don­nay e pe­tit ver­dot plan­ta­dos em va­sos (sis­te­ma de con­du­ção em que ca­da vi­nha é plan­ta­da se­pa­ra­da da ou­tra), nem pa­re­ce que a re­gião é de­sér­ti­ca. A ir­ri­ga­ção vem de um pe­que­no tan­que, que acu­mu­la água do de­ge­lo dos An­des. Plan­ta­das em 2011, as vi­nhas são jovens, mas os pri­mei­ros vi­nhos, ain­da de pe­que­na pro­du­ção, pro­me­tem. O des­ta­que é o mal­bec, que além das no­tas de fru­tas ver­me­lhas fres­cas, tem aro­mas de er­vas fres­cas e um in­te­res­san­te to­que mi­ne­ral. “É um mal­bec di­fe­ren­te de to­do o va­le de Ca­faya­te”, de­fi­ne o enó­lo­go Fran­cis­co “Pa­co” Pu­ga. O char­don­nay, do mes­mo vi­nhe­do, tam­bém ca­mi­nha nes­ta di­re­ção do fres­cor e da mi­ne­ra­li­da­de do tin­to.

Es­ses exem­plos – e eles são ape­nas al­guns no ce­ná­rio dos vi­nhos ar­gen­ti­nos – res­pon­dem à per­gun­ta do que vem de­pois do mal­bec. Vi­rão mais mal­bec, po­rém de per­fis di­ver­sos e com a ti­pi­ci­da­de do lo­cal em que ca­da vi­nha é cul­ti­va­da. Co­nhe­ci­da no pas­sa­do co­mo a “fran­ce­sa”, a mal­bec tem a van­ta­gem de es­tar no país des­de 1853, quan­do su­as pri­mei­ras mu­das fo­ram tra­zi­das pe­lo fran­cês Mi­chel Ai­mé Pou­get. “É a va­ri­e­da­de que me­lhor se adap­tou ao nosso so­lo. É o veí­cu­lo que nos per­mi­te me­lhor ex­pres­sar o nosso ter­roir”, afir­ma o pro­du­tor Se­bas­ti­an Zuc­car­di, da vi­ní­co­la fa­mi­li­ar que le­va o seu so­bre­no­me. Ele é con­vic­to des­sa va­ri­e­da­de, mes­mo de­pois de com­ple­to es­tu­do de so­lo que fez no va­le de Uco, ao sul de Men­do­za.

Mas ao la­do do mal­bec, há ou­tras uvas que po­dem bri­lhar no ce­ná­rio ar­gen­ti­no. Há des­de va­ri­e­da­des me­nos usu­ais, co­mo a im­pro­vá­vel bar­be­ra, que a vi­ní­co­la Val­lis­to ela­bo­ra com boa ti­pi­ci­da­de em Ca­faya­te; a bo­nar­da, a se­gun­da va­ri­e­da­de tin­ta mais cul­ti­va­da no país, com 18 mil hec­ta­res e que vem se re­ve­lan­do em tin­tos de qua­li­da­de, e, pa­ra os vi­nhos pre­mium, a ca­ber­net franc.

A va­ri­e­da­de co­me­çou a ser cul­ti­va­da nos anos 1990 com o ob­je­ti­vo de dar mai­or es­tru­tu­ra aos vi­nhos tin­tos do país. Foi só na dé­ca­da se­guin­te que a ca­ber­net franc co­me­çou a ser pen­sa­da co­mo uma va­ri­e­da­de com po­ten­ci­al pa­ra vi­nhos va­ri­e­tais (aque­les ela­bo­ra­dos ape­nas com uma va­ri­e­da­de). O pri­mei­ro a ser lan­ça­do foi o da La Ce­lia, da sa­fra de 2001. Nos anos re­cen­tes, a ca­ber­net franc vem con­quis­tan­do es­pa­ço e re­le­vân­cia nos vi­nhe­dos de cli­ma mais frio, ao sul de Men­do­za. Mais: cha­ma mui­to a aten­ção, ape­sar de re­pre­sen­tar 1% dos vi­nhe­dos do país e ter a gran­de mai­o­ria de su­as uvas di­re­ci­o­na­das pa­ra os tin­tos de mais alta ga­ma.

Exem­plos não fal­tam co­mo o Pa­si­o­na­do Ca­ber­net Franc, da An­de­lu­na, ela­bo­ra­do em bar­ri­cas de car­va­lho de pri­mei­ro uso; o Zuc­car­di Po­li­go­nos San Pa­blo, que fer­men­ta em tan­ques de con­cre­to e ama­du­re­ce em bar­ri­cas gran­des e an­ti­gas; ou o Bra­ma­re Cha­ba­res Es­ta­te, que ama­du­re­ce em uma mes­cla de bar­ri­cas usa­das e no­vas, en­tre ou­tros. “Fo­mos apren­den­do a ma­ne­jar o vi­nhe­do pa­ra não re­sul­tar em tin­tos com mui­tas no­tas ve­ge­tais”, ex­pli­ca An­drés Vig­no­ni, enó­lo­go da Viña Cob­bos.

Vi­nhe­dos em Men­do­za, com a Cor­di­lhei­ra dos An­des ao fun­do

Quan­do bem cui­da­das, as vi­nhas mais ve­lhas dão ori­gem à mal­bec de mai­or com­ple­xi­da­de

Cac­tos di­vi­dem es­pa­ço com as vi­dei­ras nos vi­nhe­dos ao nor­te da Ar­gen­ti­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.