Ter­ra es­tran­gei­ra

Menu - - Contents -

Che­gou a épo­ca em que to­dos dis­cu­tem o que te­re­mos na ceia de Na­tal. Nos qua­tro can­tos do País, com even­tu­al tra­ço re­gi­o­nal, os pra­tos gi­ram em tor­no de sal­pi­cão, pe­ru, ten­der, ches­ter, fa­ro­fas re­che­an­do as­sa­dos, ar­ro­zes com cas­ta­nhas e fru­tas se­cas, tor­ta de no­zes. Se pa­rar­mos pa­ra pen­sar, co­mo foi que es­sas re­cei­tas se con­so­li­da­ram no nosso re­per­tó­rio na­ta­li­no? Tal­vez a par­tir de li­vros de re­cei­tas, fas­cí­cu­los de re­vis­tas, “ame­ri­ca­ni­za­ção” nos pro­gra­mas de TV. Mas nem sem­pre a comemoração é as­sim.

Num bom de­do de pro­sa que ti­ve com o sau­do­so Ocí­lio Fer­raz, so­ció­lo­go e co­zi­nhei­ro, du­ran­te uma vi­si­ta que fiz a ele em seu res­tau­ran­te em Sil­vei­ras (SP), me de­pa­rei com sa­gra­das sur­pre­sas. No co­ra­ção do va­le do Pa­raí­ba, ber­ço da cultura tro­pei­ra, re­gis­trei im­pres­sões des­se te­ma que en­vol­vem co­men­sa­li­da­de e re­li­gião em tor­no da iden­ti­da­de lo­cal.

Até bem pou­co tem­po, na noi­te de 24 de de­zem­bro, era ser­vi­do um jan­tar de Na­tal cer­ca­do de ex­tre­ma sim­pli­ci­da­de e, aci­ma de tu­do, re­li­gi­o­si­da­de. Fer­raz con­tou-me que as fa­mí­li­as das ci­da­des pró­xi­mas re­ce­bi­am seus pa­ren­tes e ami­gos que vi­nham da zo­na ru­ral e ali, em tor­no de um ca­fe­zi­nho, ser­vi­am uma can­ja de ga­li­nha, uma can­ji­qui­nha ou qui­re­ra, tu­do den­tro de ex­tre­ma sim­pli­ci­da­de. De­pois to­dos iri­am à igre­ja pa­ra a tra­di­ci­o­nal mis­sa do ga­lo.

Dia se­guin­te, em re­fe­ren­cia aos in­fan­tes de até dez anos, era fei­ta a mis­sa dos an­jos e, por con­sequên­cia, era pos­ta a cha­ma­da “me­sa dos an­jos”. As cri­an­ças fan­ta­si­a­das de an­jos, em tor­no da me­sa, ser­vi­am-se de do­ci­nhos cai­pi­ras, tí­pi­cos e bem sim­ples, dos mais mo­des­tos pos­sí­veis, mas sem­pre com a pre­sen­ça do do­ce de figo se­co, uma tra­di­ção imen­sa na re­gião dos cai­pi­ras.

De­pois uma me­sa am­pla e mui­to far­ta, on­de não ha­via ne­nhu­ma be­bi­da, e na­da de pe­ru as­sa­do ou car­nes as­sa­das gran­di­o­sas. Era ser­vi­do sim­ples­men­te o fran­go cai­pi­ra, uma fa­ro­fa acom­pa­nha­da de ar­roz bem fei­to e fei­jão. Na­que­le mo­men­to era re­pe­ti­do o si­len­cio en­tre­me­a­do de mui­ta ora­ção, mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de e na­da de tro­ca de pre­sen­tes. A ce­le­bra­ção mai­or era em tor­no do con­ví­vio, da fa­mí­lia, o mais sa­gra­do dos exem­plos que se po­dia trans­mi­tir. Gos­ta­ria que nes­te Na­tal e pas­sa­gem de ano, a gen­te pen­sas­se um pou­co mais no car­dá­pio ti­pi­ca­men­te bra­si­lei­ro du­ran­te as fes­tas. Por is­so, dei­xo aqui mi­nha re­cei­ta de fa­ro­fa de ovos. Fe­li­ci­da­des e mui­ta saú­de pra to­dos nós!

Fa­ro­fa de ovos, re­cei­ta pa­ra uma ceia com sim­pli­ci­da­de e bem bra­si­lei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.