O MON­GE DO CHAM­PA­NHE

Menu - - Mundovinho -

Na his­tó­ria dos es­pu­man­tes, sa­be-se ho­je que as bor­bu­lhas já eram va­lo­ri­za­das no sul da Fran­ça, em Li­moux, an­tes que o mon­ge Dom Pé­rig­non fa­las­se a sua fra­se clás­si­ca (que, aliás, não há re­gis­tros de que se­ja ver­da­dei­ra). “Es­tou be­ben­do es­tre­las”, te­ria di­to ele. Na ver­da­de, na aba­dia de Haut­vil­lers, o mon­ge tra­ba­lha­va pa­ra des­co­brir o que trans­for­ma­va os vi­nhos tran­qui­los em bor­bu­lhan­tes, con­si­de­ra­dos, na épo­ca, um de­fei­to. Atu­al­men­te, com to­do o co­nhe­ci­men­to dos pro­ces­sos bi­oquí­mi­cos, sa­be-se que com o frio, no ca­so a che­ga­da do in­ver­no no nor­te da Fran­ça, as le­ve­du­ras pa­ra­vam de fer­men­tar. Com au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra na pri­ma­ve­ra, elas rei­ni­ci­a­vam o pro­ces­so, for­man­do as bor­bu­lhas.

Ao mon­ge, cou­be a sa­be­do­ria de mes­clar vi­nhos di­fe­ren­tes, ano­tar, sis­te­ma­ti­ca­men­te, os seus aro­mas e sa­bo­res, e organizar os vi­nhe­dos. Mas a his­tó­ria do cham­pa­nhe não se de­ve ape­nas ao re­li­gi­o­so. A jo­vem Nicole Pon­sar­din é ou­tra per­so­na­gem his­tó­ri­ca. Ao fi­car viú­va, ela as­su­miu os ne­gó­ci­os da fa­mí­lia de seu ma­ri­do e cou­be a ela, ou a um de seus as­sis­ten­tes, a in­ven­ção dos pu­pi­tres. Nes­sa es­tru­tu­ra de ma­dei­ra, as gar­ra­fas fi­cam de ponta-ca­be­ça, o que per­mi­te eli­mi­nar os se­di­men­tos das le­ve­du­ras, evi­tan­do que a be­bi­da fi­que tur­va. Cou­be a viú­va Clic­quot tam­bém cri­ar o cham­pa­nhe ro­sé. Só um de­ta­lhe: ape­nas em Cham­pa­nhe, um vi­nho tran­qui­lo de pi­not noir é mes­cla­do ao vi­nho-ba­se pa­ra se ob­ter a cor ro­sa­da e as no­tas de fru­tas ver­me­lhas da be­bi­da. Nos de­mais ro­sés, em ge­ral são uti­li­za­dos vi­nhos-ba­ses que fi­ca­ram mai­or tem­po em con­ta­to com as va­ri­e­da­des tin­tas, ab­sor­ven­do a sua cor.

Dom Pé­rig­non e os monges na Aba­dia de Haut­vil­lers

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.