Abas­te­ci­men­to re­tor­na e de­ve se nor­ma­li­zar em até dois di­as

Ale­luia! Dis­tri­bui­do­ras le­va­ram com­bus­tí­vel on­tem pa­ra 100 pos­tos do ABC e de­vem aten­der ou­tros 100 ho­je. Vo­lu­me ven­di­do é li­mi­ta­do

Metro Brasil (ABC) - - FOCO - DI­E­GO BRI­TO E VA­NES­SA SELICANI ME­TRO ABC

Após no­ve di­as de blo­quei­os nas ro­do­vi­as, o com­bus­tí­vel fi­nal­men­te vol­tou a ser dis­tri­buí­do on­tem aos pos­tos do ABC e Gran­de São Pau­lo.

Fi­las qui­lo­mé­tri­cas de veí­cu­los se for­ma­ram nos es­ta­be­le­ci­men­tos, que ti­ve­ram apoio da po­lí­cia e de agen­tes de trân­si­to pa­ra fun­ci­o­nar. O vo­lu­me ven­di­do aos mo­to­ris­tas foi li­mi­ta­do pa­ra que mais pes­so­as pu­des­sem ser aten­di­das.

A si­tu­a­ção, po­rém, de­ve de­mo­rar ao me­nos mais dois di­as pa­ra se nor­ma­li­zar, pre­vê o Re­gran (Sin­di­ca­to do Co­mér­cio Va­re­jis­ta de De­ri­va­dos de Pe­tró­leo).

O pre­si­den­te da en­ti­da­de, Wag­ner de Souza, afir­ma que as dis­tri­bui­do­ras es­tão li­be­ran­do o com­bus­tí­vel gra­da­ti­va­men­te na re­gião. “Ao me­nos 100 pos­tos re­ce­be­ram ho­je (on­tem) apro­xi­ma­da­men­te 15 mil li­tros ca­da. Ama­nhã (ho­je), ou­tros es­ta­be­le­ci­men­tos di­fe­ren­tes te­rão o mes­mo vo­lu­me.” As se­te ci­da­des do ABC pos­su­em 400 pos­tos.

Os ca­mi­nhões que che­gam com o ma­te­ri­al não es­tão mais ne­ces­si­tan­do do acom­pa­nha­men­to de es­col­ta po­li­ci­al, co­mo ocor­reu an­te­on­tem.

Souza ex­pli­ca que a lo­gís­ti­ca pa­ra dis­tri­bui­ção im­pe­de que a si­tu­a­ção se nor­ma- Mo­to­ris­tas le­va­ram ga­lões pa­ra con­se­guir com­bus­tí­vel

li­ze rá­pi­do. “Se os blo­quei­os dos ca­mi­nho­nei­ros não fo­rem mon­ta­dos no­va­men­te, a gen­te acre­di­ta que até quin­ta-fei­ra (ama­nhã), no má­xi­mo, a si­tu­a­ção vol­te ao nor­mal. O pro­ble­ma é que o eta­nol, por exem­plo, pre­ci­sa che­gar nas dis­tri­bui­do­ras pe­los ca­mi­nhões e en­tão ser le­va­do aos pos­tos. Já a ga­so­li­na che­ga aos dis­tri­bui­do­res por du­tos, mas tam­bém pre­ci­sa de mis­tu­ra do eta­nol pa­ra ven­da”, afir­ma.

O pre­si­den­te do Re­gran diz que a ga­so­li­na che­gou on­tem com 21% de eta­nol, quan­do o co­mum é 27%. A re­du­ção da mis­tu­ra foi apro­va­da pe­la ANP (Agên­cia Na­ci­o­nal do Pe­tró­leo) na quin­ta-fei­ra pa­ra fa­ci­li­tar a dis­tri­bui­ção.“Por con­ta da di­mi­nui­ção, o li­tro da ga­so­li­na che­gou R$ 0,06 mais ca­ro.”

Souza diz que não re­pas­sou o au­men­to pa­ra o con­su­mi­dor em seu pos­to, mas que ca­da es­ta­be­le­ci­men­to ado­ta seus pre­ços.

De­nún­ci­as

A ANP aler­ta que, ape­sar do li­vre mer­ca­do de com­bus­tí­vel nos pos­tos bra­si­lei­ros, abu­sos não po­dem ser ad­mi­ti­dos.

Se­gun­do o su­pe­rin­ten­den­te de fis­ca­li­za­ção do abas­te­ci­men­to, Fran­cis­co Ne­ves, as re­fe­rên­ci­as dos ór­gãos de fis­ca­li­za­ção são os pre­ços co­bra­dos an­tes da cri­se de abas­te­ci­men­to.

Ou se­ja, um li­tro de eta­nol por mais de R$ 5 ou um li­tro de ga­so­li­na aci­ma de R$ 8 são ina­cei­tá­veis.

Pa­ra o cli­en­te, fi­ca a ori­en­ta­ção: se de­ci­dir pa­gar e qui­ser de­nun­ci­ar de­pois, tem de pe­dir a no­ta fis­cal. Na sequên­cia, é pos­sí­vel pro­cu­rar a pró­pria ANP (0800 970 0267) ou o Pro­con (0800 377 6266).

| FOTOS: ALESSANDRO VAL­LE/ABCDIGIPRE­SS

Fi­la na ave­ni­da Santos Du­mont, em San­to An­dré

Es­pe­ra em pos­to de São Ca­e­ta­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.