LAU­REN­TI­NO GO­MES

‘Bra­sil tem de­sa­fio de en­ca­rar a pró­pria história es­cra­va­gis­ta e de­la ti­rar li­ções’

Metro Brasil (ABC) - - CULTURA -

Quais con­sequên­ci­as a es­cra­vi­dão dei­xou pa­ra o Bra­sil atu­al?

Nes­te iní­cio de sé­cu­lo 21, temos uma so­ci­e­da­de ri­ca do pon­to de vis­ta cul­tu­ral, di­ver­si­fi­ca­da e mul­ti­fa­ce­ta­da, mas tam­bém mar­ca­da por gran­de de­si­gual­da­de so­ci­al e ma­ni­fes­ta­ções qua­se diá­ri­as de pre­con­cei­to ra­ci­al. Is­so, no meu en­ten­der, é ainda he­ran­ça da ex­plo­ra­ção de­su­ma­na, cru­el e in­dig­na do tra­ba­lho de mi­lhões de pes­so­as for­ça­das a cru­zar o Oce­a­no Atlân­ti­co a bor­do dos na­vi­os ne­grei­ros pa­ra vi­ver co­mo ca­ti­vas no Bra­sil colô­nia.

Por­tan­to, o le­ga­do da es­cra­vi­dão per­sis­te en­tre nós ainda ho­je na for­ma de pre­con­cei­to, exclusão so­ci­al, ou, pi­or, de au­to­ne­ga­ção, co­mo se o te­ma não exis­tis­se ou não me­re­ces­se ser es­tu­da­do. Os des­cen­den­tes de afri­ca­nos ga­nham me­nos, mo­ram em lu­ga­res mais in­sa­lu­bres, es­tão mais ex­pos­tos aos efei­tos da vi­o­lên­cia e da cri­mi­na­li­da­de. Es­pe­ro dar uma con­tri­bui­ção pes­so­al pa­ra o de­sa­fio bra­si­lei­ro de en­ca­rar a sua pró­pria história es­cra­va­gis­ta e de­la ti­rar li­ções que nos aju­dem a cons­truir o fu­tu­ro.

Por que es­co­lheu es­cre­ver sobre es­se te­ma?

Foi uma de­cor­rên­cia na­tu­ral da mi­nha pri­mei­ra tri­lo­gia de li­vros. Es­tu­dar 1808, 1822 e 1889, ou se­ja, as três da­tas fun­da­men­tais pa­ra a cons­tru­ção do Bra­sil co­mo na­ção in­de­pen­den­te no sé­cu­lo 19, aju­da a ex­pli­car a ma­nei­ra co­mo nos cons­ti­tuí­mos do pon­to de vis­ta le­gal, ins­ti­tu­ci­o­nal e bu­ro­crá­ti­co. Mas não é o su­fi­ci­en­te pa­ra en­ten­der os as­pec­tos mais pro­fun­dos da nos­sa iden­ti­da­de na­ci­o­nal. Pa­ra is­so, é pre­ci­so ir além da su­per­fí­cie, ob­ser­var a história dos ín­di­os, dos ne­gros e co­mo a so­ci­e­da­de e a cultura bra­si­lei­ras fo­ram se mol­dan­do des­de a che­ga­da de Pedro Ál­va­res Cabral na Bahia até os di­as de ho­je. Ao fa­zer is­so, eu me dei con­ta de que o as­sun­to mais im­por­tan­te da nos­sa história não são os ci­clos econô­mi­cos, as re­vo­lu­ções, o im­pé­rio ou a mo­nar­quia. É a es­cra­vi­dão.

Quais fo­ram os per­so­na­gens mais mar­can­tes dos 250 anos abor­da­dos?

No li­vro, exis­tem per­so­na­gens for­tes e acon­te­ci­men­tos que cer­ta­men­te vão sur­pre­en­der os lei­to­res. É o ca­so do rei do Ma­li (um dos gran­des im­pé­ri­os afri­ca­nos), que dois sé­cu­los an­tes de Vas­co da Ga­ma e Pedro Ál­va­res Cabral ten­tou che­gar ao Bra­sil atra­ves­san­do o Atlân­ti­co nu­ma flo­ti­lha im­pro­vi­sa­da de ca­no­as. Ou da rai­nha afri­ca­na Jin­ga, que co­man­dou mi­lha­res de guer­rei­ros ho­mens, in­fer­ni­zou a vi­da dos por­tu­gue­ses em An­go­la no sé­cu­lo 17, e ho­je é uma he­roí­na do mo­vi­men­to co­mu­nis­ta que fez a li­ber­ta­ção do país, na dé­ca­da de 70. His­tó­ri­as co­mo es­sa aju­dam a jo­gar luz, atrair e re­ter a aten­ção dos lei­to­res pa­ra um as­sun­to com o qual to­dos nós, bra­si­lei­ros, de­ve­ría­mos nos pre­o­cu­par.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.