IMPOSTO E LI­BER­DA­DE

Metro Brasil (ABC) - - FOCO - JOSÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

Se cha­mar imposto já co­me­ça mal, por­que lem­bra fal­ta de li­ber­da­de e de de­ci­são pró­pria num país que já co­bra mais da me­ta­de do ano de seus tra­ba­lha­do­res; um pe­río­do em que vo­cê tra­ba­lha de gra­ça para um go­ver­no que não te de­vol­ve saú­de, edu­ca­ção, se­gu­ran­ça pú­bli­ca, es­tra­das, es­co­las, en­fim, vo­cê não sa­be aon­de vai aque­le ti­jo­li­nho da pon­te que vo­cê es­ta­ria pa­gan­do. Pon­te que li­ga na­da a lu­gar ne­nhum, afi­nal foi um com­pro­mis­so de cam­pa­nha do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca que não ha­ve­ria mais im­pos­tos.

Cri­ar imposto sob o pre­tex­to de cri­ar no­vos em­pre­gos vai exa­ta­men­te na con­tra­mão da his­tó­ria da re­du­ção dos ju­ros para es­ti­mu­lar o cres­ci­men­to. Es­se pa­po fu­ra­do de co­brar mais dos ri­cos tam­bém não co­la; aqui, não ca­be o pa­pel de Ro­bin Ho­od. Sim­ples as­sim: se vo­cê co­bra mais do ri­co, ele vai ge­rar me­nos em­pre­go para vo­cê, vai man­dar vo­cê em­bo­ra, não vai te con­tra­tar.

In­te­res­san­te que no meio de tan­tas re­for­mas nun­ca se fa­la em re­for­ma po­lí­ti­ca, pri­o­ri­tá­ria, nem em gas­to pú­bli­co de um Es­ta­do in­cha­do, ne­po­tis­ta e be­ne­vo­len­te sem­pre para os mes­mos, de­bai­xo dos pra­tos in­ver­ti­dos do Con­gres­so –que, aliás, são uma obra fan­tás­ti­ca do nos­so Ni­e­meyer, o qual na ver­da­de ja­mais ima­gi­na­va que de­bai­xo da­que­les pra­tos saís­sem sem­pre de­ci­sões que dei­xam o pra­to do bra­si­lei­ro va­zio.

Acei­tar mais imposto, se­ja ri­co ou se­ja po­bre, sig­ni­fi­ca se su­jei­tar a uma di­ta­du­ra po­lí­ti­co-econô­mi­ca que nos le­va­rá a uma con­ta mai­or do bol­so do po­vo.

Li­ber­da­de, li­ber­da­de: abra as asas so­bre nós.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.