‘ TAMO jun­to’!

Cam­pa­nha de pre­ven­ção ao sui­cí­di­o­a­ler­ta pa­ra a ur­gên­cia de com­ba­ter a es­tig­ma­ti­za­ção de do­en­ças co­mo a de­pres­são

Metro Brazil (ABC) - - BRASIL -

Clas­si­fi­ca­do co­mo pri­o­ri­da­de pe­la OMS (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de), o sui­cí­dio ma­ta apro­xi­ma­da­men­te 800 mil pes­so­as por ano, uma a ca­da 40 se­gun­dos. No Bra­sil, 11.314 pes­so­as se ma­ta­ram no ano pas­sa­do, apro­xi­ma­da­men­te uma a ca­da 45 mi­nu­tos, se­gun­do o Anuá­rio Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. Um es­tu­do da Uni­fesp (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de São Pau­lo) re­ve­la que o ín­di­ce de jo­vens en­tre 10 a 19 anos que ti­ra­ram a pró­pria vi­da cres­ceu 24% en­tre 2006 e 2015. Em meio ao ce­ná­rio pre­o­cu­pan­te, cri­an­ças e ado­les­cen­tes são o fo­co prin­ci­pal do Se­tem­bro Ama­re­lo, te­ma de uma cam­pa­nha es­pe­ci­al da Rá­dio BandNews FM. Ao lon­go do mês, pí­lu­las diá­ri­as in­for­mam os ou­vin­tes so­bre pre­ven­ção e uma sé­rie de re­por­ta­gens se­rá exi­bi­da, até o dia 27, so­bre o te­ma.

Pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da USP (Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo), o mé­di­co Da­ni­el Bar­ros, co­lu­nis­ta da Rá­dio BandNews FM, ex­pli­ca que o sui­cí­dio não tem uma úni­ca cau­sa – é um pro­ces­so de­sen­ca­de­a­do por inú­me­ros e com­ple­xos fa­to­res. Mas 90% dos ca­sos, se­gun­do a OMS, têm li­ga­ção com pro­ble­mas de saú­de men­tal, prin­ci­pal­men­te a de­pres­são. Ape­sar dis­so, a do­en­ça é con­si­de­ra­da “fres­cu­ra” pe­la mai­o­ria dos bra­si­lei­ros, se­gun­do pes­qui­sa da Abrata (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Fa­mi­li­a­res Ami­gos e Portadores de Trans­tor­nos Afetivos).

A psi­có­lo­ga e fun­da­do­ra do Ins­ti­tu­to Vi­ta Ale­re de Pre­ven­ção e Pos­ven­ção do Sui­cí­dio, Ka­ren Sca­va­ci­ni, ex­pli­ca que nem to­dos os ca­sos apre­sen­tam si­nais cla­ros, mas in­di­ca que mu­dan­ças de hu­mor, iso­la­men­to e al­te­ra­ções de com­por­ta­men­to são pos­sí­veis si­nais de que al­go es­tá er­ra­do. “O que vai fa­lar se al­guém pre­ci­sa de aju­da pro­fis­si­o­nal é a du­ra­ção, frequên­cia e a in­ten­si­da­de (des­ses si­nais). Se a gen­te vê um ado­les­cen­te que era mui­to fa­lan­te e, de re­pen­te, ele fi­ca mui­to tí­mi­do, is­so não pas­sa e não tem mo­ti­vo, é um si­nal”.

A psi­có­lo­ga res­sal­ta que o so­fri­men­to in­ten­so, ca­rac­te­rís­ti­co nes­se qua­dro, di­fi­cul­ta o pe­di­do de aju­da. “Têm pes­so­as que não fa­lam por me­do ou por ver­go­nha, prin­ci­pal­men­te os ho­mens. As pes­so­as não sa­bem co­mo co­me­çar a pe­dir es­sa aju­da, che­gar e fa­lar: ‘es­tou mal’. Mas fa­lar que es­tá mal é uma for­ma de co­me­çar a di­zer que tem al­gu­ma coi­sa que es­tá te in­co­mo­dan­do. Às ve­zes, vo­cê pre­ci­sa pe­dir aju­da pa­ra uma, du­as ou até três pes­so­as, até en­con­trar al­guém que te en­ten­da”, acres­cen­ta a psi­có­lo­ga.

“Co­ma mo­ti­va­ção bai­xa, in­di­ví­du­os de­pri­mi­dos po­dem até nem to­mar ba­nho e, ob­vi­a­men­te, não con­se­gui­rão mar­car um aten­di­men­to psi­co­ló­gi­co ou psi­quiá­tri­co, mui­to me­nos irem até a con­sul­ta. A me­lhor con­du­ta é mar­car ou aju­da­ra mar­car a con­sul­ta e, in­clu­si­ve, ir jun­to ao con­sul­tó­rio

RAFAEL MORENO FER­RO DE ARAÚ­JO, PSI­QUI­A­TRA

“Eu pre­fe­ria es­tar mor­to.”

“Os ou­tros vão ser mais fe­li­zes sem mim.”

“Eu não pos­so fa­zer na­da.”

“Eu não aguen­to mais.”

“Eu sou um per­de­dor e um pe­so pa­ra os ou­tros.”

FON­TE: ABRATA (ASSCOCIAÇíO BRA­SI­LEI­RA DE FA­MI­LI­A­RES, AMI­GOS E PORTADORES DE TRANS­TOR­NOS AFETIVOS)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.