JO­A­QUIN PHO­E­NIX

Metro Brasil (ABC) - - CULTURA -

Vo­cê leu as his­tó­ri­as em qua­dri­nhos do Co­rin­ga?

Quan­do co­me­ça­mos a pes­qui­sar, pen­sei que qu­e­ria se­guir meu pró­prio ca­mi­nho. Eu não qu­e­ria ser in­flu­en­ci­a­do por ou­tros qua­dri­nhos. Ten­tei abor­dar Co­rin­ga por den­tro, co­mo ho­mem, e não pe­lo su­per vi­lão icô­ni­co.

Foi di­fí­cil en­con­trar o ri­so cer­to? Foi do­lo­ro­so?

Na se­gun­da vez que en­con­trei Todd [Phil­lips, di­re­tor], qu­e­ria que ele es­cu­tas­se mi­nha ri­sa­da e le­vei al­guns mi­nu­tos pa­ra en­con­trar o pon­to cer­to. Eu não qu­e­ria fin­gir. Ti­nha que ser ge­nuí­no. E em um pon­to Todd se sen­tiu re­al­men­te des­con­for­tá­vel. Vo­cê po­de sen­tir a dor do per­so­na­gem quan­do ele es­tá rin­do.

Es­se Co­rin­ga es­tá ob­vi­a­men­te mui­to do­en­te.

Eu o ve­jo co­mo al­guém que so­freu mui­tos trau­mas, que não sa­be li­dar com o mun­do re­al. As­sim, ele aca­ba sen­do me­di­ca­do. Ele nun­ca te­ve a opor­tu­ni­da­de de ex­pres­sar su­as ne­ces­si­da­des e nun­ca iden­ti­fi­quei na­da so­bre ele es­tar men­tal­men­te do­en­te.

Es­sas con­tor­ções... co­mo elas sur­gi­ram?

Co­me­cei a con­ver­sar com um co­reó­gra­fo e foi mui­to in­te­res­san­te apren­der so­bre o vo­ca­bu­lá­rio da dan­ça e do mo­vi­men­to. As­sis­ti a al­guns ví­de­os e um em par­ti­cu­lar me emo­ci­o­nou, mas não foi a dan­ça de­le que gos­tei, mas sim a ar­ro­gân­cia. Foi aí que o Co­rin­ga apa­re­ceu.

En­tão, o Co­rin­ga sur­giu en­quan­to vo­cê es­ta­va fil­man­do?

Sim. Ele veio atra­vés do mo­vi­men­to. Era mui­to na­tu­ral. Es­sa ideia de me­ta­mor­fo­se era in­tri­gan­te pa­ra mim. Quem é es­se ca­ra e o quê ele se tor­nou? Quan­do co­me­ça­mos a fil­mar, eu es­ta­va apa­vo­ra­do, mas tu­do fa­zia sen­ti­do.

Exis­tem vá­ri­as men­sa­gens po­lí­ti­cas ocul­tas nes­te fil­me. Is­so foi in­ten­ci­o­nal?

Não pen­sei so­bre is­so, mas é óti­mo que vo­cê ve­ja es­sas men­sa­gens. Gos­to quan­do as pes­so­as es­tão sen­do de­sa­fi­a­das em di­fe­ren­tes ques­tões, de não ha­ver res­pos­tas fá­ceis pa­ra es­ses pro­ble­mas.

Vo­cê faria o Co­rin­ga de no­vo?

É di­fí­cil res­pon­der. Re­al­men­te de­pen­de do re­tor­no do pú­bli­co, não é?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.