WhatsApp ga­nha re­gras em em­pre­sas

Objetivo é con­ter abu­sos no en­vio de men­sa­gens fo­ra de hora e evi­tar ações na Jus­ti­ça

Metro Brazil (ABC) - - PRIMEIRA PÁGINA - JOR­NAL DA BAND

Os apli­ca­ti­vos de men­sa­gem ins­tan­tâ­nea vi­ra­ram fer­ra­men­ta de tra­ba­lho. Mas o uso em ho­rá­rio de des­can­so tem si­do al­vo de re­cla­ma­ções na Jus­ti­ça. Por isso, muitas em­pre­sas es­tão cri­an­do re­gras de con­du­ta pa­ra o uso dos apps.

O ven­de­dor Denival Cer­quei­ra vai ser in­de­ni­za­do em R$ 3,5 mil por ter re­ce­bi­do men­sa­gens de WhatsApp de um ges­tor fo­ra do ho­rá­rio de tra­ba­lho. Pe­lo apli­ca­ti­vo, o funcionári­o era co­bra­do pa­ra atingir me­tas de ven­da.

“[A em­pre­sa en­vi­a­va men­sa­gens] ou nas fé­ri­as, ou em ho­rá­rio de des­can­so, até mes­mo no ho­rá­rio de al­mo­ço en­quan­to a gen­te es­ta­va des­can­san­do... Qual­quer ho­rá­rio que fos­se im­pres­cin­dí­vel pa­ra ela por em prá­ti­ca es­sa ques­tão do as­sé­dio, não ti­nha li­mi­tes”, re­la­ta o ven­de­dor.

O ca­so foi pa­ra no TST (Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho). A em­pre­sa ale­gou que o funcionári­o não pre­ci­sa­va responder ime­di­a­ta­men­te. Mas na de­ci­são, os mi­nis­tros afir­ma­ram que men­sa­gem fo­ra da jor­na­da de tra­ba­lho invade a vi­da pri­va­da da pes­soa, que tem ou­tras coisas pa­ra fa­zer e vai fi­car se pre­o­cu­pan­do com si­tu­a­ções de tra­ba­lho fo­ra do ho­rá­rio. O tex­to diz ain­da que o tra­ba­lha­dor fi­ca afli­to, ago­ni­a­do, que­ren­do resolver na­que­le mes­mo ins­tan­te si­tu­a­ções de tra­ba­lho.

“Quan­do o lí­der, su­per­vi­sor, pe­de uma pro­vi­dên­cia ime­di­a­ta, ob­vi­a­men­te, o tra­ba­lha­dor vai se sen­tir pres­si­o­na­do a re­a­li­zar aqui­lo de for­ma ime­di­a­ta”, afir­ma Wol­nei Ferreira, di­re­tor da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de RH.

O WhatsApp se tor­nou uma im­por­tan­te fer­ra­men­ta de tra­ba­lho, mas o que é con­ver­sa­do no app po­de se tor­nar pro­va em um pro­ces­so ju­di­ci­al. E co­mo não exis­te uma lei es­pe­cí­fi­ca pa­ra re­gu­la­men­tar o seu uso, muitas em­pre­sa es­tão cri­an­do nor­mas in­ter­nas pa­ra evi­tar pro­ble­mas.

Nes­te ano, um es­cri­tó­rio de ad­vo­ga­cia de São Pau­lo ori­en­tou mais de 20 em­pre­sas pre­o­cu­pa­das com a con­du­ta no uso de apli­ca­ti­vo. A re­co­men­da­ção é evi­tar men­sa­gens pa­ra fun­ci­o­ná­ri­os que es­te­jam em ho­rá­rio de des­can­so, a não ser em ca­sos de emer­gên­ci­as ou se en­vol­ver ges­to­res que não ba­tem pon­to. “Em al­gu­mas si­tu­a­ções, po­de ne­ces­sá­rio. Aí, nes­ses ca­sos, é pre­ci­so avi­sar an­tes que a pes­soa po­de re­ce­ber al­gu­ma men­sa­gem, que ela vai pre­ci­sar olhar e que se vi­er a tra­ba­lhar, vai ga­nhar horas ex­tras pa­ra isso”, diz Ga­bri­e­la Li­ma, ad­vo­ga­da tra­ba­lhis­ta.

Uma ges­to­ra de in­ves­ti­men­to de­ci­diu usar ou­tro apli­ca­ti­vo pa­ra con­ver­sas sobre tra­ba­lho, o Slack. Ne­le, é pos­sí­vel de­fi­nir a jor­na­da de tra­ba­lho e blo­que­ar a en­tre­ga men­sa­gens fo­ra des­se ho­rá­rio. Quem faz o en­vio recebe o aviso de que o funcionári­o es­tá no pe­río­do de des­can­so. Se for ur­gen­te, é pos­sí­vel for­çar o re­ce­bi­men­to.

“Ele só me dá um lem­bre­te que eu de­ve­ria con­si­de­rar es­sa ques­tão do ho­rá­rio an­tes de im­por­tu­nar um co­le­ga”, afir­ma Fe­li­pe Sot­to, di­re­tor da em­pre­sa.

“[A em­pre­sa en­vi­a­va men­sa­gens]em qual­quer ho­rá­rio que fos­se im­pres­cin­dí­vel pa­ra ela por em prá­ti­ca es­sa ques­tão do as­sé­dio, não ti­nha li­mi­tes ”

DENIVAL CER­QUEI­RA, VEN­DE­DOR

“É pre­ci­so avi­sar an­tes que a pes­soa po­de re­ce­ber al­gu­ma men­sa­gem, que vai pre­ci­sar olhar e que se tra­ba­lhar, vai ga­nhar horas ex­tras”

GA­BRI­E­LA LI­MA, AD­VO­GA­DA TRA­BA­LHIS­TA

| RE­PRO­DU­ÇÃO/BAND

App de­fi­ne jor­na­da de tra­ba­lho e blo­queia men­sa­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.