AVEN­TU­RA EM OU­TRA DI­MEN­SÃO

CLÁS­SI­CO DE 1993, ‘ LINK’S AWAKENING’É ATU­A­LI­ZA­DO PA­RA O NIN­TEN­DO SWIT­CH

Metro Brasil (ABC) - - PRIMEIRA PÁGINA -

“Ago­ra vo­cê es­tá jo­gan­do com po­der… po­der por­tá­til!” Há 30 anos, a Nin­ten­do lan­çou seu pri­mei­ro con­so­le de mão, o Ga­me Boy, com sua pe­que­na te­la ver­de de 2,6 po­le­ga­das sem luz de fun­do e a pro­mes­sa de le­var os jo­gos do já bem su­ce­di­do NES pa­ra qual­quer lu­gar (pe­lo me­nos en­quan­to as pi­lhas du­ras­sem).

En­tre os tí­tu­los que che­ga­ram à pla­ta­for­ma – cu­ja li­nha te­ve atu­a­li­za­ções e me­lho­ri­as até 2003 – es­tão “Super Mario Land”, “Te­tris”, “Po­ké­mon Red & Blue” e “The Le­gend of Zel­da: Link’s Awakening”.

O último, de 1993, foi a es­treia da fran­quia pro­ta­go­ni­za­da por Link em um con­so­le por­tá­til, e no mês pas­sa­do ga­nhou uma ver­são re­pa­gi­na­da pa­ra o Swit­ch.

Ape­sar de ter Zel­da no tí­tu­lo, es­se é um dos ra­ros mo­men­tos da fran­quia em que a princesa não es­tá pre­sen­te da tra­ma. Na his­tó­ria, o el­fo es­tá ve­le­jan­do quan­do uma tem­pes­ta­de des­trói seu bar­co e o dei­xa à de­ri­va na ilha de Koho­lint.

Lá, o he­rói des­co­bre que de­ve des­bra­var mas­mor­ras em bus­ca de oito ins­tru­men­tos mu­si­cais pa­ra acor­dar o Pei­xe dos Ven­tos – sua úni­ca esperança pa­ra dei­xar o lo­cal.

Se já na épo­ca o jo­go sur­pre­en­deu pe­la quan­ti­da­de de de­ta­lhes em uma te­la tão pe­que­na, a no­va ver­são com­pro­va a ri­que­za em his­tó­ria, jo­ga­bi­li­da­de e mú­si­ca que “Link’s Awakening” apre­sen­tou há 26 anos.

O es­ti­lo de ilus­tra­ção es­co­lhi­do re­me­te ao toy art, com co­res vi­bran­tes e per­so­na­gens que lem­bram brin­que­dos co­le­ci­o­ná­veis. Ou­tro di­fe­ren­ci­al é a pre­sen­ça de se­res do uni­ver­so de Mario, co­mo Go­om­bas e Chain Chomps.

Se há um gran­de de­fei­to a ser apon­ta­do no no­vo jo­go, é a sua que­da de per­for­man­ce. De­pen­den­do de quan­ta ação ocor­re na te­la, a ta­xa de qua­dros por segundo do jo­go des­pen­ca pa­ra a me­ta­de, o que não es­tra­ga a ex­pe­ri­ên­cia, mas atra­pa­lha.

Quan­do foi anun­ci­a­do, o jo­go tam­bém cau­sou po­lê­mi­ca por não ser ori­gi­nal e cus­tar US$ 60 (cer­ca de R$ 250).

Mes­mo com o preço cheio, o re­lan­ça­men­to car­re­ga to­da a nos­tal­gia de quem já vi­veu “Link’s Awakening” – fo­ram 6 mi­lhões de có­pi­as ven­di­das no Ga­me Boy (parte em uma ver­são co­lo­ri­da, de 1998) –, em uma rou­pa­gem mo­der­na e cha­ma­ti­va pa­ra no­vos jo­ga­do­res.

Ga­me foi ilus­tra­do no es­ti­lo ‘toy art’ Tí­tu­lo ori­gi­nal, de 1993 No­va ver­são, de 2019

“THE LE­GEND OF ZEL­DA: LINK’S AWAKENING” ( NIN­TEN­DO) R$ 250 SWIT­CH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.