Fal­ta bem pou­co, ‘mu­cha­cho’!

Lewis Ha­mil­ton ven­ce o Gran­de Prê­mio do Mé­xi­co e fi­ca a apenas qu­a­tro pon­tos de con­quis­tar o he­xa­cam­pe­o­na­to; Vet­tel e Bot­tas com­ple­ta­ram o pó­dio on­tem

Metro Brasil (ABC) - - ESPORTE -

Em bus­ca de seu sex­to tí­tu­lo na Fór­mu­la 1, Lewis Ha­mil­ton ven­ceu o GP do Mé­xi­co de for­ma bri­lhan­te e fi­cou ain­da mais per­to do he­xa. Ape­sar do triun­fo, o pi­lo­to in­glês da Mer­ce­des ga­ran­tiu ter so­fri­do mui­to na pro­va de on­tem. “Obri­ga­do, ca­ras! Foi uma cor­ri­da di­fí­cil”, dis­se o pen­ta­cam­peão à equi­pe ger­mâ­ni­ca por meio do rá­dio do seu car­ro de­pois de re­ce­ber a ban­dei­ra qua­dri­cu­la­da no Au­tó­dro­mo Her­ma­nos Ro­drí­guez.

Ha­mil­ton ain­da de­di­cou a vi­tó­ria ao seu en­ge­nhei­ro Peter Bon­ning­ton, que pas­sou por uma ope­ra­ção, per­deu a eta­pa me­xi­ca­na e tam­bém se au­sen­ta­rá do GP dos Es­ta­dos Uni­dos, no pró­xi­mo fim de se­ma­na. “Es­sa foi pa­ra Bo­no”, ho­me­na­ge­ou o in­glês.

De­pois de des­cer do car­ro, o pi­lo­to da Mer­ce­des res­sal­tou as di­fi­cul­da­des na Ci­da­de do Mé­xi­co: “Vi­e­mos pa­ra cá com um pé atrás sa­ben­do que se­ria di­fí­cil, mas con­se­gui­mos. Ti­ve meu as­so­a­lho da­ni­fi­ca­do, mas se­gui em fren­te”. “Gos­ta­ria de aplau­dir es­se pú­bli­co. O re­sul­ta­do foi in­crí­vel, de­vo agra­de­cer mui­to a equi­pe. Vou le­var uma cor­ri­da por vez, mas es­sa eu que­ria ven­cer”, com­ple­men­tou o pen­ta­cam­peão mun­di­al.

Ha­mil­ton ter­mi­nou o GP do Mé­xi­co à fren­te do ale­mão Se­bas­ti­an Vet­tel, da Fer­ra­ri. Quem com­ple­tou o pó­dio foi Valt­te­ri Bot­tas, tam­bém pi­lo­to da Mer­ce­des. Vi­ce-lí­der da tem­po­ra­da, o fin­lan­dês é o úni­co com chan­ces de ti­rar o tí­tu­lo do in­glês. En­tre­tan­to, a mis­são de Bot­tas é in­di­ges­ta, já que Ha­mil­ton pre­ci­sa apenas de um oi­ta­vo lu­gar em Aus­tin pa­ra cra­var o he­xa. De to­do mo­do, o fin­lan­dês crê que fez o pos­sí­vel na cor­ri­da des­te do­min­go.

“Foi um bom re­sul­ta­do. A lar­ga­da foi di­fí­cil e per­di uma po­si­ção Acho que não po­de­ria ter fei­to mais do que fi­ze­mos ho­je”, ava­li­ou o pi­lo­to, que lar­gou em sex­to no Her­ma­nos Ro­drí­guez.

Mais per­to

Com o re­sul­ta­do do GP do Mé­xi­co, Ha­mil­ton che­gou aos 363 pon­tos, contra 289 de Bot­tas. Pa­ra ser cam­peão nos Es­ta­dos Uni­dos, o in­glês pre­ci­sa ter­mi­nar o fim de se­ma­na com 52 pon­tos a mais do que o com­pa­nhei­ro.

As­sim, o pen­ta­cam­peão pode ter­mi­nar a cor­ri­da atrás do fin­lan­dês, per­den­do 22 pon­tos em re­la­ção a Bot­tas, que pre­ci­sa ven­cer e tor­cer pa­ra que Ha­mil­ton che­gue no má­xi­mo em no­no pa­ra em­pur­rar a de­ci­são pa­ra o GP do Bra­sil, eta­pa se­guin­te da tem­po­ra­da.

“O re­sul­ta­do foi in­crí­vel, a equi­pe con­ti­nua tra­ba­lhan­do mui­to fo­ca­da. Ti­ve uma ava­ria, foi uma sequên­cia de vol­tas mui­to gran­des com es­ses pneus. O GP do Mé­xi­co sem­pre foi di­fí­cil pa­ra nós e não foi fá­cil man­ter as Fer­ra­ris atrás”

LEWIS HA­MIL­TON

| MARK THOMPSON/GETTY IMA­GES

Lewis Ha­mil­ton de­ve as­se­gu­rar o tí­tu­lo na pró­xi­ma cor­ri­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.