Pas­seio re­ve­la es­cra­vos do ABC en­ter­ra­dos em SP

Fa­mí­lia Pi­ra­ti­nin­ga tra­ba­lhou até a Lei do Ven­tre Li­vre em fa­zen­das que da­ri­am ori­gem a São Ber­nar­do e São Ca­e­ta­no

Metro Brasil (ABC) - - FOCO - VA­NES­SA SELICANI

Con­si­de­ra­do um dos mai­o­res pes­qui­sa­do­res da his­tó­ria do ABC, o pro­fes­sor emé­ri­to da USP Jo­sé de Sou­za Mar­tins quer con­tar aos mo­ra­do­res da re­gião uma tra­je­tó­ria pou­co co­nhe­ci­da. Ele es­ta­rá ama­nhã, Dia de Fi­na­dos, às 11h, no Ce­mi­té­rio do San­tís­si­mo Sa­cra­men­to, na ca­pi­tal, pa­ra ho­me­na­ge­ar uma fa­mí­lia de es­cra­vos que tra­ba­lhou em fa­zen­das de São Ber­nar­do e São Ca­e­ta­no. A vi­si­ta po­de ser acom­pa­nha­da por in­te­res­sa­dos em sa­ber mais so­bre es­se ca­pí­tu­lo da his­tó­ria da re­gião.

“É uma opor­tu­ni­da­de pa­ra que os que se pre­o­cu­pam com a his­tó­ria do ABC de­em um pas­so al­ta­men­te sim­bó­li­co con­tra a in­jus­ti­ça so­ci­al do es­que­ci­men­to. Po­de ser edu­ca­ti­vo pa­ra os jo­vens”, diz Mar­tins.

O tú­mu­lo vi­si­ta­do se­rá o da fa­mí­lia Pi­ra­ti­nin­ga. De acor­do com o his­to­ri­a­dor, eles fo­ram tra­zi­dos da Áfri­ca em 1700 e tra­ba­lha­ram na Fa­zen­da de São Ca­e­ta­no do Ti­ju­cu­çu, ter­ri­tó­rio on­de ho­je es­tá a ci­da­de de São Ca­e­ta­no. A li­ber­da­de veio em 1871, no dia se­guin­te ao da Lei do Ven­tre Li­vre, quan­do o Ca­pí­tu­lo Ge­ral da Or­dem de São Ben­to ex­tin­guiu a es­cra­vi­dão e li­ber­tou to­dos os seus es­cra­vos de fa­zen­das e mos­tei­ros em to­do o Bra­sil, con­ta Mar­tins.

“De­pois dis­so, mui­tos fo­ram pa­ra Bahia. Quem se es­ta­be­le­ceu em São Pau­lo foi Ni­co­lau To­len­ti­no Pi­ra­ti­nin­ga, en­tão com 16 anos”, ex­pli­ca.

Os es­tu­dos do his­to­ri­a­dor in­di­cam que ele vi­veu no bair­ro da Li­ber­da­de, na ca­pi­tal, on­de par­ti­ci­pou de gru­pos abo­li­ci­o­nis­tas. Ni­co­lau foi no­tí­cia de jor­nal em 1916 ao pro­mo­ver um sa­rau em sua ca­sa, quan­do a reu­nião ar­tís­ti­ca era res­tri­ta a al­ta eli­te. “Foi o pri­mei­ro sa­rau de uma fa­mí­lia de an­ti­gos es­cra­vos de que se tem no­tí­cia.” Ele mor­reu em 1929.

O Ce­mi­té­rio do San­tís­si­mo Sa­cra­men­to, on­de es­tá o tú­mu­lo da fa­mí­lia e re­ce­be­rá a vi­si­ta gui­a­da do pro­fes­sor, fi­ca na ave­ni­da Dr. Ar­nal­do, 1.200 pró­xi­mo ao Ce­mi­té­rio do Ara­çá e da es­ta­ção Clí­ni­cas do Me­trô.

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Tú­mu­lo da fa­mí­lia de es­cra­vos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.