AN­NA LUÍ­SA BE­SER­RA

Em en­tre­vis­ta ao Me­tro, pri­mei­ra bra­si­lei­ra ven­ce­do­ra do prê­mio Jo­vens Cam­peões da Ter­ra, con­ce­di­do pe­la ONU, fa­la de seu ino­va­dor pro­je­to am­bi­en­tal que pu­ri­fi­ca água de cis­ter­nas em zo­nas ru­rais

Metro Brasil (ABC) - - FOCO - EDU­AR­DO RI­BEI­RO ME­TRO SÃO PAU­LO

A bai­a­na An­na Luí­sa Be­ser­ra, de 21 anos, foi con­de­co­ra­da em se­tem­bro com o prê­mio Jo­vens Cam­peões da Ter­ra, a prin­ci­pal pre­mi­a­ção am­bi­en­tal das Na­ções Uni­das pa­ra jo­vens en­tre 18 a 30 anos. Pri­mei­ra bra­si­lei­ra a con­quis­tar o tí­tu­lo, ela re­ce­beu a ho­me­na­gem du­ran­te a As­sem­bleia Ge­ral da ONU, em No­va York.

Nas­ci­da em Sal­va­dor, An­na Luí­sa é di­re­to­ra executiva da Safe Drin­king Wa­ter For All, star­tup de impacto so­ci­o­am­bi­en­tal que sur­giu di­an­te da ne­ces­si­da­de de aju­dar a pro­ver o aces­so a água po­tá­vel por meio de so­lu­ções ino­va­do­ras. Co­me­çou a de­sen­vol­ver a tec­no­lo­gia que a le­vou ao prê­mio com 15 anos, em 2013, de­pois de ga­nhar uma bol­sa pa­ra jo­vens ci­en­tis­tas ofe­re­ci­da pe­lo CNPq (Con­se­lho Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Ci­en­tí­fi­co e Tec­no­ló­gi­co), do go­ver­no fe­de­ral. Fo­ram dez ver­sões até che­gar ao re­sul­ta­do es­pe­ra­do: pu­ri­fi­car água não-po­tá­vel usan­do a luz so­lar, sem pro­du­tos quí­mi­cos ou fil­tros des­car­tá­veis.

O dis­po­si­ti­vo, ba­ti­za­do de Aqua­luz, foi aco­pla­do em fa­se de tes­tes a cis­ter­nas na re­gião do se­miá­ri­do do Nor­des­te e já garante aces­so a água lim­pa pa­ra 265 pes­so­as.

Po­de­ria con­tar a his­tó­ria da Safe Drin­king Wa­ter For All?

A SDW nas­ceu em 2015, na ver­da­de, de­pois do Aqua­luz, que foi cri­a­do em 2013, quan­do eu co­me­cei a des­co­brir o mun­do do em­pre­en­de­do­ris­mo e par­ti­ci­pei so­zi­nha de um pro­ces­so de in­cu­ba­ção cha­ma­do No­va Po­li, da UFBA (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia). De­pois dis­so, mais pes­so­as fo­ram en­tran­do na equi­pe. Aos pou­cos, par­ti­ci­pa­mos de vá­ri­os even­tos de em­pre­en­de­do­ris­mo pa­ra con­se­guir­mos re­co­nhe­ci­men­to e che­gar­mos on­de es­ta­mos ho­je. Foi no Ins­ti­tu­to TIM, quan­do par­ti­ci­pa­mos do pro­gra­ma AWC (Aca­de­mic Work Ca­pi­tal), que con­se­gui­mos uma ace­le­ra­ção in­crí­vel e fo­mos ca­pa­zes de de­se­nhar o mo­de­lo de ne­gó­cio que a gen­te es­tá tra­ba­lhan­do atu­al­men­te. Uma das coi­sas mais di­fí­ceis de star­tup é che­gar ao mo­de­lo de ne­gó­cio. Du­ran­te o pro­gra­ma AWC, im­plan­ta­mos o pi­lo­to do pro­je­to e ganhamos tam­bém o se­gun­do lu­gar do Hack Bra­sil. Sem o pro­gra­ma, se­ria im­pos­sí­vel.

Que be­ne­fí­ci­os fo­ram tra­zi­dos pe­lo prê­mio da ONU?

O prê­mio traz vi­si­bi­li­da­de e cre­di­bi­li­da­de. Co­mo con­sequên­cia, atrai par­cei­ros, cli­en­tes e me­lho­ra nos­so po­der de con­ven­ci­men­to so­bre o pro­du­to no Bra­sil in­tei­ro e em ou­tros paí­ses. Além dis­so, tem o pró­prio in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro e in­te­lec­tu­al que a ONU dá pa­ra os pro­je­tos. Con­se­gui­mos uma parceria com a Co­ves­tro, um dos pa­tro­ci­na­do­res do prê­mio. Eles es­tão bem ali­nha­dos com o nos­so propósito e es­tão que­ren­do aju­dar e dar su­por­te ex­tra, o que não é nem obri­ga­ção de­les.

Co­mo fun­ci­o­na a or­ga­ni­za­ção da equi­pe in­ter­na e a atu­a­ção da star­tup?

Al­gu­mas pes­so­as tra­ba­lham vo­lun­ta­ri­a­men­te e ou­tras fa­zem par­te da equi­pe. Te­mos cer­ca de 16 mem­bros. Não há só mem­bros na Bahia, mas tam­bém no Ce­a­rá e do

Rio Gran­de do Nor­te. Mi­nha úni­ca só­cia, a Le­tí­cia, é do Ce­a­rá. São pes­so­as de áre­as dis­tin­tas. Ago­ra es­ta­mos ten­tan­do or­ga­ni­zar mais a equi­pe pa­ra ter­mos um lo­cal fi­xo de tra­ba­lho, pois por en­quan­to é tu­do fei­to à dis­tân­cia. Que­re­mos ter al­guns cen­tros em ou­tras ci­da­des, em no má­xi­mo dois anos.

Co­mo vo­cê des­co­briu que se­ria pos­sí­vel cri­ar um me­ca­nis­mo que pu­ri­fi­ca água uti­li­zan­do a luz do Sol?

O pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do Aqua­luz foi mui­to com­ple­xo. No iní­cio, o nos­so fo­co não era a cis­ter­na. Não co­nhe­cía­mos a cis­ter­na, eu não co­nhe­cia es­sa re­gião do se­miá­ri­do di­rei­to. Tu­do foi uma evo­lu­ção. De­mo­ra­mos al­guns anos até che­gar ao pú­bli­co-al­vo e con­cluir­mos que o ce­ná­rio per­fei­to era o se­miá­ri­do pa­ra a me­to­do­lo­gia que usa­mos, que é a de­sin­fec­ção so­lar da água.

Ou se­ja, usa­mos a luz do Sol far­ta no am­bi­en­te pa­ra ma­tar os mi­cror­ga­nis­mos da água co­le­ta­da e ar­ma­ze­na­da em cis­ter­nas que são mui­to co­muns na re­gião.

On­de es­se sis­te­ma de purificaçã­o é apli­ca­do?

Ho­je es­ta­mos em cin­co es­ta­dos: Bahia, Ala­go­as, Per­nam­bu­co, Ce­a­rá e Rio Gran­de do Nor­te. E já te­mos uma cam­pa­nha de fi­nan­ci­a­men­to coletivo pa­ra ex­pan­dir pa­ra a Áfri­ca. Es­ta­mos bus­can­do par­ce­ri­as pa­ra che­gar a es­ses paí­ses. Nos­sa meta é que o Aqua­luz pos­sa que­brar bar­rei­ras e atin­gir to­dos os lo­cais on­de ele pos­sa ser im­plan­ta­do.

O que é ne­ces­sá­rio pa­ra im­ple­men­tar o me­ca­nis­mo?

Es­tar em uma zo­na ru­ral sem con­ta­mi­na­ção at­mos­fé­ri­ca, ter uma cis­ter­na de cap­ta­ção e ar­ma­ze­na­men­to de água de chu­va que fun­ci­o­ne com bom­ba. Im­plan­ta­mos em fa­mí­li­as de bai­xa ren­da, fa­zen­do um tra­ba­lho so­ci­al as­so­ci­a­do à tec­no­lo­gia de ca­pa­ci­ta­ção e trei­na­men­to das fa­mí­li­as que vão usar. De­pois vol­ta­mos pa­ra mo­ni­to­rar o equi­pa­men­to e co­le­tar da­dos de impacto so­ci­al e de saú­de, edu­ca­ção e eco­no­mia.

‘USA­MOS A LUZ DO SOL FAR­TA NO AM­BI­EN­TE PA­RA MA­TAR OS MICROORGAN­ISMOS DA ÁGUA’

PNUMA/UNEP

A jo­vem bi­o­tec­no­lo­gis­ta (UFBA) ex­trai água po­tá­vel do dis­po­si­ti­vo que ide­a­li­zou

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.