A NO­VA FA­CE DE AL PA­CI­NO

AOS 79 ANOS, ATOR FA­LA AO ME­TRO SO­BRE SEU 1º TRA­BA­LHO EM SERIADOS, ‘HUNTERS’, DA AMA­ZON PRIME

Metro Brasil (ABC) - - PRIMEIRA PÁGINA -

‘É PRE­CI­SO SO­BRE­VI­VER’

A tra­ma bá­si­ca de “Hunters” (Ama­zon Prime), a pri­mei­ra sé­rie de TV de Al Pa­ci­no, é sim­ples: uma ca­ça aos na­zis­tas. No en­tan­to, o sub­tex­to da nar­ra­ti­va nos le­va a uma No­va York dos anos 70, aque­la ci­da­de sel­va­gem e in­se­gu­ra que de for­ma al­gu­ma se as­se­me­lha à que os tu­ris­tas ho­je des­fru­tam. Nas ru­as, um gru­po de ju­deus de­ci­de trans­for­má-la num de­cal­que do Ve­lho Oes­te. Um oes­te on­de os ju­deus to­mam a jus­ti­ça em su­as pró­pri­as mãos em uma missão des­ti­na­da a ca­çar ofi­ci­ais na­zis­tas.

Nes­ta en­tre­vis­ta ao Me­tro, o ex­pe­ri­en­te ator con­ta mais so­bre a ex­pe­ri­ên­cia.

Co­mo foi o pro­ces­so de re­a­li­za­ção da sé­rie? “Hunters” foi um de­sa­fio pa­ra to­do o elen­co por cau­sa de su­as ca­rac­te­rís­ti­cas. Eu não sa­bia que ha­via um gru­po de ju­deus em No­va York de­di­ca­do a ca­çar na­zis­tas em se­gre­do. Su­po­nho que nes­te mo­men­to em que o na­ci­o­na­lis­mo vol­ta com for­ça, se­ja o mo­men­to per­fei­to pa­ra es­se ti­po de sé­rie.

Atu­ar nu­ma sé­rie pe­la pri­mei­ra vez foi al­go di­fe­ren­te pa­ra vo­cê?

Con­si­de­ro “Hunters” um fil­me de 15 ho­ras e não ne­ces­sa­ri­a­men­te uma sé­rie con­ven­ci­o­nal. É uma nar­ra­ti­va ci­ne­ma­to­grá­fi­ca em que os per­so­na­gens pre­ci­sam de mais tem­po pa­ra de­sen­vol­ver sua his­tó­ria.

O que mais lhe atraiu no seu per­so­na­gem? En­con­trei al­go nes­se ro­tei­ro que cha­mou mi­nha aten­ção e achei ne­ces­sá­rio con­tar. Mas não que­ro re­ve­lar mui­to, por­que o en­re­do tem su­as sur­pre­sas,

Co­mo é mu­dar de área de­pois de tan­to tem­po?

É pre­ci­so so­bre­vi­ver. Os ro­tei­ros mu­dam, as pes­so­as mu­dam. Ain­da es­tou aqui gra­ças às ofer­tas que re­ce­bo, aos bons es­cri­to­res que con­fi­a­ram em mim. Os ar­tis­tas de­vem se adap­tar aos tem­pos, en­tão eu fa­ço es­te tra­ba­lho, gos­to de evo­luir. En­ve­lhe­cer me as­sus­ta, te­mo não ser ca­paz de lem­brar mi­nhas fa­las, meus diá­lo­gos, não po­der atu­ar por não ter mais pi­que... is­so se­ria trá­gi­co. O pi­or se­ria se o pú­bli­co me es­que­ces­se, is­so me dei­xa­ria lou­co.

Vo­cê es­tre­lou tí­tu­los ines­que­cí­veis, co­mo “O Po­de­ro­so Che­fão” e “Scar­fa­ce”. E con­ti­nua ativo com um pa­pel am­bí­guo en­tre a co­mé­dia e o dra­ma...

To­dos os per­so­na­gens têm sua his­tó­ria. Eles são co­mo te­las em bran­co que vo­cê co­me­ça a pin­tar a par­tir do mo­men­to em que pe­ga o ro­tei­ro. Cos­tu­mo es­co­lher meus per­so­na­gens de acor­do com o que se pas­sa na mi­nha vi­da. Acho que, com a ida­de, me tor­nei um ator mui­to prá­ti­co.

GRAN­DE SÃO PAU­LO Sex­ta-fei­ra, 28 de fe­ve­rei­ro de 2020 Edi­ção nº 3.201, ano 13

DI­VUL­GA­ÇÃO/AMA­ZON PRIME

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.