RI­TA ORA

Com sin­gle no­vo che­gan­do es­te mês e show mar­ca­do no Lol­la­pa­lo­o­za Bra­sil, can­to­ra pop tro­cou ideia com o Metro

Metro Brasil (Brasília) - - CULTURA -

Ri­ta Ora ga­nhou o co­ra­ção do pú­bli­co gra­ças à sua voz, úni­ca em meio à ex­ten­sa lis­ta de mu­lhe­res ta­len­to­sas da no­va ge­ra­ção pop. Do­na de vo­cais emo­ti­vos e chei­os de uma ale­gre ener­gia, a can­to­ra bri­tâ­ni­co-al­ba­ne­sa fez es­treia em 2012, es­ca­lan­do o to­po das pa­ra­das com seu ál­bum “Ora”. Mes­mo de­pois de um hi­a­to que ame­a­çou in­ter­rom­per sua car­rei­ra, ela per­ma­ne­ceu nas pa­ra­das, e lan­çou o triun­fan­te “Pho­e­nix”, em 2018. Com sin­gle de sua pró­xi­ma fa­se, “How to be Lo­nely”, mar­ca­do pa­ra sair no dia 13 e show con­fir­ma­do no Lol­la­pa­lo­o­za des­te ano, em São Pau­lo, dia 3 de abril, ela deu uma pau­sa nas gra­va­ções pa­ra fa­lar com o Metro.

Po­de­mos es­pe­rar pe­lo seu no­vo ál­bum em 2020?

Es­tou no es­tú­dio tra­ba­lhan­do em no­vas mú­si­cas sem­pre que pos­so. Eu que­ro con­ti­nu­ar lan­çan­do mú­si­cas ao lon­go do ano. Meus de­dos estão cru­za­dos pa­ra que não de­mo­re mui­to até que os fãs pos­sam ou­vir.

Em 2015, vo­cê in­ter­pre­tou a ir­mã de Ch­ris­ti­an Grey em “50 Tons de Cin­za”. Qu­an­do po­de­re­mos vê-la no­va­men­te nas te­las?

Aca­bei de ro­dar um no­vo fil­me cha­ma­do “Twist”, um re­ma­ke do clás­si­co “Oli­ver Twist”. Fa­ço o pa­pel de Art­ful Dod­ger, até en­tão um pa­pel mas­cu­li­no. Ado­ra­ria po­der me de­di­car mais à atu­a­ção, em­bo­ra mui­tas ve­zes não te­nha tem­po, por con­ta da ne­ces­si­da­de de sair em tur­nês. Mas gra­ças às opor­tu­ni­da­des que ti­ve até ago­ra em atu­ar, me des­co­bri re­al­men­te apai­xo­na­da pe­la pro­fis­são.

Qu­al é o seu fes­ti­val de mú­si­ca fa­vo­ri­to?

Se­ria im­pos­sí­vel es­co­lher! Exis­tem mui­tos, mas ir a fes­ti­vais é uma das mi­nhas ati­vi­da­des fa­vo­ri­tas. Te­nho mui­tas me­mó­ri­as bo­as de fre­quen­tar fes­ti­vais de mú­si­ca com ami­gos.

Co­mo vo­cê ava­lia a sua evo­lu­ção ar­tís­ti­ca, do co­me­ço da car­rei­ra pa­ra cá?

Gos­to de pen­sar que ain­da sou exa­ta­men­te a mes­ma pes­soa, nun­ca es­que­ci de on­de vim. Le­van­to-me to­dos os di­as e fa­ço o que mais amo no mun­do, e é por is­so que tra­ba­lho tan­to.

Tem si­do di­fí­cil aten­der a tan­tos com­pro­mis­sos mo­ti­va­dos pe­lo su­ces­so?

Acho que ca­sa pes­soa tem uma jor­na­da di­fe­ren­te. Qu­an­do co­me­cei, pa­re­cia mui­to na­tu­ral pa­ra mim. Eu não po­de­ria fa­zer o que fa­ço sem o amor e o apoio da mi­nha fa­mí­lia, ami­gos e da­que­les que tra­ba­lha­ram co­mi­go. É pre­ci­sa­men­te es­se apoio e en­ten­di­men­to que me per­mi­tiu cri­ar coi­sas das qu­ais re­al­men­te me or­gu­lho e me deu es­pa­ço e li­ber­da­de pa­ra fa­zer mú­si­ca vin­da do meu co­ra­ção. To­do dia re­ve­la um no­vo apren­di­za­do, e sou gra­ta por acor­dar e es­tar vi­va pa­ra con­ti­nu­ar me de­di­can­do àqui­lo que amo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.