Go­ver­no quer fle­xi­bi­li­zar lei tra­ba­lhis­ta

Pro­gra­ma An­ti­de­sem­pre­go de­ve­rá in­cluir pos­si­bi­li­da­de de re­du­zir em até 50% jor­na­das e sa­lá­ri­os

Metro Brasil (Rio) - - PRIMEIRA PÁGINA -

O go­ver­no fle­xi­bi­li­za­rá re­gras tra­ba­lhis­tas pa­ra ten­tar con­ter o de­sem­pre­go di­an­te da cri­se do co­ro­na­ví­rus. Uma me­di­da pro­vi­só­ria se­rá en­vi­a­da com re­gras pa­ra o pe­río­do de emer­gên­cia, mo­di­fi­can­do, tem­po­ra­ri­a­men­te, re­gras pre­vis­tas pe­la CLT (Con­so­li­da­ção das Leis Tra­ba­lhis­tas).

Cha­ma­do de “Pro­gra­ma An­ti­de­sem­pre­go”, as me­di­das pre­ve­em a re­du­ção em até 50% da jor­na­da e do sa­lá­rio dos tra­ba­lha­do­res, o que te­rá que ser acor­da­do en­tre em­pre­ga­do e em­pre­sa. Po­de­rá ha­ver sus­pen­são do con­tra­to de tra­ba­lho, des­de que o pa­ga­men­to de me­ta­de do va­lor se­ja man­ti­do.

O va­lor pa­go ao tra­ba­lha­dor não po­de­rá ser in­fe­ri­or ao sa­lá­rio mí­ni­mo e não po­de­rá ha­ver sus­pen­são do sa­lá­rio-ho­ra.

Ha­ve­rá ain­da ações pa­ra sim­pli­fi­car o te­le­tra­ba­lho e a uti­li­za­ção de ban­co de ho­ras, e a an­te­ci­pa­ção de fé­ri­as. “São ins­tru­men­tos que ofe­re­cem agi­li­da­de e fle­xi­bi­li­da­de pa­ra em­pre­sas e tra­ba­lha­do­res”, ex­pli­cou o se­cre­tá­rio de Tra­ba­lho, Bru­no Dal­co­mo.

A re­du­ção de jor­na­da e sa­lá­ri­os po­de­rá du­rar en­quan­to es­ti­ver em vi­gor o es­ta­do de ca­la­mi­da­de. O Con­gres­so apro­vou on­tem o de­cre­to, a pe­di­do do go­ver­no, que es­ta­be­le­ce a si­tu­a­ção emer­gen­ci­al até o fim do ano.

O go­ver­no tam­bém anun­ci­ou on­tem um pro­gra­ma de aju­da pa­ra tra­ba­lha­do­res autô­no­mos e in­for­mais, tam­bém por meio de MP. A ini­ci­a­ti­va pre­vê a con­ces­são um “vou­cher” men­sal de R$ 200 por mês.

O va­lor cor­res­pon­de a du­as cestas bá­si­cas, dis­se Gu­e­des. Se­rão gas­tos R$ 15 bi­lhões em três me­ses pa­ra o “vou­cher”, R$ 5 bi­lhões por mês com o pro­gra­ma.

“Uma gran­de pre­o­cu­pa­ção que o pre­si­den­te sem­pre te­ve é o mer­ca­do in­for­mal. São 38 mi­lhões de bra­si­lei­ros que es­tão nas prai­as ven­den­do ma­te, ven­den­do co­ca­da pe­la rua, en­tre­gan­do coi­sas, os fla­ne­li­nhas. To­do es­se pes­so­al dos autô­no­mos”, afir­mou Gu­e­des ao la­do do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e ou­tros mi­nis­tros.

O be­ne­fí­cio co­me­ça­rá a ser dis­tri­buí­do nas pró­xi­mas se­ma­nas, se­gun­do o go­ver­no. Os vou­chers po­de­rão ser re­ti­ra­dos por pes­so­as ins­cri­tas no Ca­das­tro Úni­co.

O mi­nis­tro dis­se que es­sas me­di­das só são pos­sí­veis de se­rem to­ma­das por­que o go­ver­no pe­diu ao Con­gres­so que re­co­nhe­ça es­ta­do de ca­la­mi­da­de pú­bli­ca, o que dis­pen­sa a União de atin­gir a me­ta fis­cal, que per­mi­te rom­bo de até R$ 124,1 bi­lhões nes­te ano.

Sem o es­ta­do de ca­la­mi­da­de, se­gun­do Gu­e­des, se­ria pre­ci­so blo­que­ar de R$ 40 bi­lhões no Or­ça­men­to “Não se­ria ra­zoá­vel con­tin­gen­ci­ar. Saú­de e de­fe­sa de em­pre­gos es­tá aci­ma de in­te­res­ses”, dis­se.

Gu­e­des afir­mou ain­da que a equi­pe econô­mi­ca con­ti­nu­a­rá anun­ci­an­do me­di­das a ca­da 48 ho­ras pa­ra com­ba­ter os efei­tos da co­vid-19 na eco­no­mia bra­si­lei­ra.

MI­GUEL SCHINCARIO­L/GETTY IMAGES

Avan­ço do co­ro­na­ví­rus es­va­zia mer­ca­do de rua no cen­tro de São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.