E OS DI­REI­TOS NO HO­ME OF­FI­CE?

Metro Brasil (Rio) - - {SAÚDE} -

“O que mu­da é o lo­cal on­de a pres­ta­ção de ser­vi­ço acon­te­ce. Es­se tra­ba­lha­dor, na sua ca­sa, es­ta­rá su­jei­to ao re­gi­me de ho­rá­rio e aos de­mais di­rei­tos e ga­ran­ti­as”, ex­pli­ca Fa­bi­a­no Za­va­nel­la, pro­fes­sor e ad­vo­ga­do tra­ba­lhis­ta.

“Não é por­que es­tá em ca­sa que fa­rá is­so de ma­nei­ra de­sor­ga­ni­za­da ou sem li­mi­tes.” Não há im­po­si­ção le­gal pa­ra que a em­pre­sa for­ne­ça equi­pa­men­to de tra­ba­lho du­ran­te o ho­me of­fi­ce, o que va­le é o bom sen­so. Em re­la­ção às fal­tas, “a le­gis­la­ção diz que, em de­cor­rên­cia do iso­la­men­to ou de qua­ren­te­na, são jus­ti­fi­ca­das”, diz Za­va­nel­la. Até o 14º dia de afas­ta­men­to de um ca­so di­ag­nos­ti­ca­do, a res­pon­sa­bi­li­da­de de pa­ga­men­to é da em­pre­sa; de­pois, ca­so ha­ja ne­ces­si­da­de de con­ti­nui­da­de do iso­la­men­to, ela po­de re­ce­ber au­xí­lio- do­en­ça do INSS. “Os autô­no­mos, co­mo di­ar is­tas e mo­tor is­tas de apli­ca­ti­vos, des­de que te­nham ins­cr ição no INSS, con­se­guem al­gum ti­po de pro­te­ção, o au­xí­lio- do­en­ça, por exem­plo. A in­for­ma­li­da­de não traz ne­nhum ti­po de pro­te­ção.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.