Pre­pa­re seu pet pa­ra a ma­ra­to­na da Co­pa do Mun­do

Me­tro Jor­nal traz di­cas pa­ra evi­tar o es­tres­se dos ani­mais com os fo­gos e as fes­tas du­ran­te o Mun­di­al

Metro Brazil (ABC) - - PRIMEIRA PÁGINA - LUCCAS BALACCI, ES­PE­CI­AL PA­RA O ME­TRO ABC

Se pa­ra nós, hu­ma­nos, a Co­pa do Mun­do é sinô­ni­mo de fes­ta, pa­ra os ani­mais de es­ti­ma­ção po­de ser um pe­río­do de es­tres­se e pre­o­cu­pa­ção.

Du­ran­te o even­to, são co­muns os es­tou­ros de fo­gos de ar­ti­fí­cio, as­sim co­mo o ba­ru­lho cau­sa­do por gru­pos de ami­gos e fa­mi­li­a­res que se reú­nem pa­ra as­sis­tir aos jo­gos do cam­pe­o­na­to – prin­ci­pal­men­te os do Bra­sil.

Os fo­gos, por exem­plo, são mo­ti­vo de pâ­ni­co pa­ra mui­tos pets. “Os ani­mais têm uma au­di­ção mui­to mais apu­ra­da que a nos­sa. Es­sa sen­si­bi­li­da­de faz com que, ao ou­vi­rem os fo­gos, eles te­nham uma re­a­ção de me­do”, ex­pli­ca a mé­di­ca veterinária e pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Me­to­dis­ta de São Pau­lo Tânia Par­ra Fer­nan­des.

O des­con­for­to tam­bém é co­mum qu­an­do os ani­mais re­ce­bem mui­tas vi­si­tas em ca­sa. “Se­ria co­mo uma in­va­são do seu es­pa­ço, é nor­mal que os bi­chos, prin­ci­pal­men­te os fe­li­nos, se in­co­mo­dem com a agi­ta­ção”, dis­se Tânia.

Pa­ra a veterinária, o uso de re­mé­di­os cal­man­tes ou se­da­ti­vos pa­ra os ani­mais não é re­co­men­da­do. “Do­nos de pets que se as­sus­tam mais fa­cil­men­te de­vem pre­pa­rar um am­bi­en­te iso­la­do e se­gu­ro pa­ra que eles pos­sam se es­con­der, to­man­do cui­da­do pa­ra que não se ma­chu­quem”, afir­mou.

Mo­ra­dor de San­to An­dré, o ades­tra­dor Le­o­nar­do Bra­ga con­ta que seu ca­chor­ro – Thor, de seis anos – ti­nha me­do dos es­tou­ros. “Uma su­ges­tão é apre­sen­tar es­ses sons ao seu ani­mal com um es­tí­mu­lo po­si­ti­vo, co­mo dan­do um pe­tis­co”, dis­se. “As­sim, o ani­mal pas­sa­rá a as­so­ci­ar os ba­ru­lhos a al­go po­si­ti­vo.”

Bra­ga afir­ma tam­bém que é im­por­tan­te que os do­nos não de­mons­trem me­do ao bi­cho. “A fa­mí­lia de­ve agir na­tu­ral­men­te, sem mu­dar sua pos­tu­ra, pa­ra que o ani­mal en­ten­da que os ba­ru­lhos são nor­mais.”

Só um pe­da­ci­nho...

Prá­ti­ca co­mum du­ran­te en­con­tros de fa­mí­li­as e ami­gos, dar co­mi­das aos bi­chos, co­mo car­nes do chur­ras­co, tam­bém de­ve ser evi­ta­do. “Os ani­mais po­dem ter uma re­a­ção alér­gi­ca. Há ca­sos até de ani­mais que en­go­li­ram es­pe­tos de ma­dei­ra, que cau­sam pro­ble­mas ain­da mai­o­res”, aler­ta Tânia.

“Os ani­mais têm uma au­di­ção mui­to mais apu­ra­da que a nos­sa. A sen­si­bi­li­da­de faz com que re­a­jam com me­do.” TÂNIA PAR­RA FER­NAN­DES. VETERINÁRIA

O ades­tra­dor Le­o­nar­do Bra­ga e seu cão, Thor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.