Lon­ga ex­plo­ra di­ver­si­da­de

Pre­mi­a­do no Fes­ti­val do Rio, ‘Tin­ta Bru­ta’ mos­tra as an­gús­ti­as de jo­vem so­li­tá­rio que só con­se­gue se co­mu­ni­car pe­la in­ter­net

Metro Brazil (ABC) - - CULTURA - MÔNICA KANITZ METRO PORTO ALEGRE

Os di­re­to­res gaú­chos Mar­cio Re­o­lom e Fi­li­pe Mat­zem­ba­cher apro­fun­dam a re­fle­xão so­bre o uni­ver­so gay em “Tin­ta Bru­ta”, que es­treia ho­je nos ci­ne­mas de­pois de con­quis­tar prê­mi­os im­por­tan­tes, co­mo o de me­lhor fil­me e di­re­ção no Fes­ti­val do Rio e o Teddy Awards (de­di­ca­do a fil­mes de te­má­ti­ca LGBT), na Ber­li­na­le.

No lon­ga an­te­ri­or, “Bei­ra-Mar” (2015), a du­pla apre­sen- tou a his­tó­ria da des­co­ber­ta do amor en­tre dois ado­les­cen­tes nu­ma ci­da­de do li­to­ral. Ago­ra, o ce­ná­rio de “Tin­ta Bru­ta” é o cen­tro de Porto Alegre, qua­se sem­pre à noi­te, e o pro­ta­go­nis­ta é Pedro, um jo­vem que faz do quar­to es­cu­ro seu re­fú­gio.

É di­an­te do com­pu­ta­dor que ele en­car­na o Ga­ro­to Ne­on, se mo­ven­do em co­re­o­gra­fi­as eró­ti­cas en­quan­to pin­ta o cor­po com tin- tas fos­fo­res­cen­tes. Ele tem sua pe­que­na pla­teia na in­ter­net, o que lhe garante al­guns tro­ca­dos.

Além de in­tros­pec­ti­vo, Pedro (pa­pel de es­treia de Shi­co Me­ne­gat) é um jo­vem que pre­ci­sa en­fren­tar vá­ri­as per­das ao lon­go da tra­ma.

A pri­mei­ra é a mu­dan­ça da ir­mã, que vai tra­ba­lhar em Sal­va­dor; a se­gun­da en­vol­ve Léo (o ator Bru­no Fer­nan­des), por quem Pedro se apai­xo­na e com quem che­ga a fa­zer uma par­ce­ria ar­tís­ti­ca.

Há tam­bém uma per­da de re­fe­rên­ci­as em re­la­ção à vi­da “nor­mal”, já que Pedro foi ex­pul­so da fa­cul­da­de por con­ta de uma bri­ga e res­pon­de a um pro­ces­so ju­di­ci­al por ter fe­ri­do um co­le­ga.

No de­cor­rer do fil­me, o es­pec­ta­dor fi­ca sa­ben­do que Pedro foi ví­ti­ma de bullying, o que tam­bém jus­ti­fi­ca o com­por­ta­men­to pou­co so­ciá­vel.

Mais do que tra­tar de um jo­vem que se sen­te opri­mi­do e não vê gran­des es­pe­ran­ças no fu­tu­ro, “Tin­ta Bru­ta” fa­la da sen­sa­ção de não per­ten­ci­men­to. “A gen­te cres­ceu em Porto Alegre, mas ho­je a ci­da­de es­tá mais hos­til, in­clu­si­ve cul­tu­ral­men­te. Qu­e­ría­mos tra­ba­lhar es­te sen­ti­men­to com nos­so pro­ta­go­nis­ta. Tam­bém há es­ta on­da con­ser­va­do­ra no país, acre­di­ta­mos que o ci­ne­ma é uma for- ma de ques­ti­o­nar e re­a­gir”, co­men­ta Mar­cio Re­o­lon.

Os di­re­to­res tam­bém co­me­mo­ram a vi­si­bi­li­da­de que o fil­me con­quis­tou com as pre­mi­a­ções. “Lan­çar luz so­bre a di­ver­si­da­de, so­bre te­mas co­mo bullying e pre­con­cei­to, são fun­da­men­tais ho­je em dia”, des­ta­cam.

VITRINE FIL­MES/DI­VUL­GA­ÇÃO

Shi­co Me­ne­gat vi­ve Pedro, que pin­ta o cor­po com co­res fos­fo­res­cen­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.