Dja­van pri­vi­le­gia me­lo­di­as pop e le­tras di­re­tas no re­cém- lan­ça­do ál­bum ‘Ve­sú­vio’, o 24o da car­rei­ra, em que ele can­ta so­bre po­lí­ti­ca e ex­plo­ra me­tá­fo­ras da na­tu­re­za

Metro Brazil (ABC) - - CULTURA -

Co­mo um ar­te­são, Dja­van en­ca­ra o ofí­cio da com­po­si­ção co­mo um pro­ces­so. Da ma­té­ria-pri­ma – a pa­la­vra –, ele cons­trói um pro­du­to: a mú­si­ca. “A mi­nha ins­pi­ra­ção é uma trans­pi­ra­ção. É o es­for­ço pe­la bus­ca. Tra­ba­lho com mú­si­ca e pe­ri­o­di­ca­men­te te­nho que lan­çar ma­te­ri­al no­vo”, re­ve­la o can­tor ao Metro Jor­nal.

A des­cri­ção sim­plis­ta nem pa­re­ce a de um com­po­si­tor que, há mais de 40 anos, con­ce­be me­tá­fo­ras tão en­ge­nho­sas quan­to pro­fun­das. Mas ela re­fle­te a pro­pos­ta ar­tís­ti­ca em­bu­ti­da no cer­ne do re­cém-lan­ça­do “Ve­sú­vio”, o 24º ál­bum da car­rei­ra.

“Não é que eu qui­ses­se fa­zer um dis­co pop. Mas eu ten­tei ser mais pop em al­gu­mas can­ções, em um es­for­ço pa­ra ser mais sim­ples, ape­nas pa­ra me de­sa­fi­ar”, con­ta.

A sim­pli­ci­da­de me­ló­di­ca e a so­no­ri­da­de pop, con­tu­do, não pres­su­põem o uso ba­nal da ar­te. Pe­lo con­trá­rio: o con­teú­do lí­ri­co, na mai­o­ria das 12 fai­xas, é apre­sen­ta­do de for­ma di­re­ta, sem flo­rei­os. “Guer­ra ven­de ar­mas, man­tém car­gos, des­trói so­nhos, tu­do de uma vez”, can­ta em “So­li­tu­de”, ex­plo­ran­do um dis­cur­so mais po­lí­ti­co do que o usu­al em sua obra.

O mo­men­to de in­cer­te­zas po­lí­ti­co-econô­mi­cas pe- lo qual atra­ves­sa o país é o pre­tex­to pa­ra a uti­li­za­ção de ver­sos co­mo es­se, em­bo­ra não ha­ja a de­fe­sa de ban­dei­ras es­pe­cí­fi­cas.

“Eu que­ria fa­zer uma mú­si­ca apar­ti­dá­ria que, mes­mo to­can­do em ma­ze­las, ex­pri­mis­se es­pe­ran­ça e apon­tas­se pa­ra um fu­tu­ro bom”, des­ta­ca.

Na­tu­re­za co­mo ins­pi­ra­ção

Além da po­lí­ti­ca, ou­tra cons­tan­te re­cor­ren­te no ál­bum é a ale­go­ria da na­tu­re- za, con­si­de­ra­da pe­lo ar­tis­ta co­mo mais im­por­tan­te ca­ta­li­sa­dor de sua cri­a­ti­vi­da­de. “Não há na­da que me ins­pi­re mais, a to­do tem­po, do que a na­tu­re­za”, afir­ma.

O jar­dim de 850 plan­tas, de 360 es­pé­ci­es, que ele man­tém em seu sí­tio, em Pe­tró­po­lis, na re­gião ser­ra­na, além de ser uma das gran­des pai­xões, apa­re­ce, por exem­plo, em “Orquí­de­as”, na qual são enu­me­ra­dos no­mes ci­en­tí­fi­cos de es­pé­ci­es com a fa­ci­li­da­de de um pro­fis­si­o­nal.

Na pró­pria fai­xa-tí­tu­lo, a ima­gem da na­tu­re­za é as­so­ci­a­da à for­ça do amor. “Se vai-se de mim, vo­cê dei­xa um jar­dim em pran­tos, e o sol cai no mar”, diz em um dos tre­chos da can­ção, que mais se as­se­me­lha aos hits mais ra­di­ofô­ni­cos da car­rei­ra.

Mas se o pop apa­re­ce co­mo es­pi­nha dor­sal do tra­ba­lho, tam­bém há diá­lo­gos com ou­tras fron­tei­ras cri­a­ti­vas. É o ca­so do bo­le­ro es­pa­nhol “Es­plen­dor”, du­e­to com o uru­guaio Jor­ge Drex­ler – a pri­mei­ra vez que o bra­si­lei­ro com­par­ti­lha vo­cais des­de 2000, qu­an­do can­tou em “Mi­la­grei­ro” com Cás­sia El­ler (1962–2001).

Pres­tes a com­ple­tar 70 anos, em ja­nei­ro, Dja­van de­mons­tra com sa­ca­das co­mo es­sa que sua mu­si­ca­li­da­de ar­te­sa­nal não en­ve­lhe­ceu, o que não sig­ni­fi­ca que “Ve­sú­vio” re­pre­sen­te uma obra es­tag­na­da. “Es­se é um dis­co no qual bus­co no­vos ele­men­tos e en­tro­sa­men­to mais harmô­ni­co”, re­su­me.

“Na­da vai mal, mui­to sal. Quem há de dar a mão pa­ra que o mun­do saia lá do fun­do pa­ra res­pi­rar e não mor­rer?”

“Amor em que­da, mes­mo tal mo­e­da per­de co­ta­ção. Um mun­do lou­co evo­lui aos pou­cos pe­la con­tra­mão.”

“Eu não su­por­to ser quem sou qu­an­do es­tou sem nin­guém. Tu­do é fei­to de au­sên­cia, ca­rên­cia. Co­nhe­ço es­se es­ta­do.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.