Fil­me faz re­tra­to ín­ti­mo de Cal­las

Metro Brazil (ABC) - - CULTURA -

Di­va ab­so­lu­ta do te­a­tro lí­ri­co no sé­cu­lo 20, Ma­ria Cal­las (1923-1977) con­se­guiu se tor­nar ce­le­bri­da­de com uma mis­tu­ra de do­mí­nio vo­cal im­pe­cá­vel, ti­no dra­má­ti­co mag­ne­ti­zan­te e tem­pe­ra­men­to for­te que fez de­la pre­sen­ça cons­tan­te nas co­lu­nas de fo­fo­ca dos jor­nais.

Es­se per­fil exa­la no do­cu­men­tá­rio “Ma­ria Cal­las – Em Su­as Pró­pri­as Pa­la­vras”, que es­treia ho­je. Pro­du­zi­do ape­nas a par­tir de ma­te­ri­al de ar­qui­vo, o lon­ga de Tom Volf ten­ta re­cons­truir a tra­je­tó­ria da so­pra­no a par­tir de en­tre­vis­tas de­la e in­ter­pre­ta­ções de ári­as, além de car­tas es­cri- tas a ami­gos, nar­ra­das aqui pe­la atriz Fanny Ar­dant.

Reu­nir e se­le­ci­o­nar o que en­tra­ria pa­ra o fil­me re­sul­tou em qua­tro anos de vi­a­gens pe­lo mun­do, ta­re­fa que Volf en­ca­rou com en­tu­si­as­mo. Aos 32 anos, o di­re­tor sen­tiu ne­ces­si­da­de de fa­zer o do­cu­men­tá­rio as­sim que ou­viu uma gra­va­ção de Cal­las pe­la pri­mei­ra vez, há seis anos.

“Me apai­xo­nei pe­la ex­pe­ri­ên­cia de ou­vir uma voz co­mo a de­la. Sen­ti uma emo­ção que nun­ca ti­nha ex­pe­ri­men­ta­do com ne­nhu­ma ou­tra can­to­ra”, lem­bra ele.

Mais do que se ater a da­tas e fa­tos mar­can­tes, o fil­me se res­trin­ge a con­tar a his­tó­ria de Cal­las com pa­la­vras que ela mes­ma pro­fe­riu, con­fe­rin­do uma in­ti­mi­da­de sem pre­ce­den­tes com o pú­bli­co.

“Sen­ti que o úni­co jei­to de co­nhe­cê-la ver­da­dei­ra­men­te era a par­tir de uma imer­são. Foi de­sa­fi­a­dor co­lo­car tu­do is­so jun­to, por­que es­se não é ape­nas uma mos­tra de ar­qui­vo, mas uma his­tó­ria com co­me­ço, meio e fim, aces­sí­vel a to­dos. Vo­cê não pre­ci­sa sa­ber quem ela é de an­te­mão”, afir­ma o di­re­tor.

Em um mo­men­to, Cal­las fa­la que não pre­ci­sa­ria es­cre­ver um li­vro de me­mó­ri­as por­que sua vi­da es­tá pre­sen- te nas le­tras que can­ta. Es­sa coin­ci­dên­cia foi o que gui­ou Volf ao es­co­lher as ári­as apre­sen­ta­das, exi­bi­das sem­pre na ín­te­gra.

“Elas são uma par­te não fa­la­da da nar­ra­ti­va. Qu­an­do vo­cê lê a le­gen­da, en­ten­de que aqui­lo tem um sig­ni­fi­ca­do na vi­da de­la”, diz Volf, pa­ra quem o do­cu­men­tá­rio po­de ser­vir co­mo car­tão de vi­si­ta da di­va às no­vas ge­ra­ções.

“Eu a ve­jo co­mo uma ar­tis­ta do pre­sen­te, e não do pas­sa­do. Eu sou pro­va de que ela con­ti­nua a ins­pi­rar as pes­so­as pa­ra além do tem­po, e é is­so que o fil­me quer mos­trar”, con­clui .

| FONDS DE DOTATION MA­RIA CAL­LAS/DI­VUL­GA­ÇÃO

So­pra­no em con­cer­to em 1963

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.