Ta­xa do li­xo so­be até 30% e che­ga a su­pe­rar o IPTU

Mo­ra­do­res re­cla­mam do au­men­to bem aci­ma da in­fla­ção no pe­río­do, de 3,75%. Pre­fei­tu­ra diz que não há al­ta li­ne­ar e que cál­cu­lo é fei­to com ba­se no que a ci­da­de gas­tou pa­ra co­le­ta e des­ti­na­ção do li­xo. Mu­ni­cí­pio aguar­da con­tra­ta­ção de no­va em­pre­sa pa­ra limp

Metro Brazil (ABC) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Mo­ra­do­res de São Bernardo fo­ram sur­pre­en­di­dos com au­men­to de até 30% na ta­xa do li­xo des­te ano. O tri­bu­to é pa­go jun­to ao IPTU (Im­pos­to Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Ur­ba­no). Em al­guns ca­sos ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem, a ta­xa su­pe­ra até o va­lor do pró­prio IPTU.

O re­a­jus­te cha­ma a aten­ção por ser mui­to aci­ma da in­fla­ção. Em 2018, o ín­di­ce ofi­ci­al me­di­do pe­lo IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca) fe­chou em 3,75%.

A ta­xa do li­xo do mo­ra­dor Afonso Costa cus­ta­va R$ 317 e nes­te ano su­biu pa­ra R$ 412, al­ta de 30%. “O au­men­to é bem fo­ra da re­a­li­da­de. Se vo­cê for le­var em con­si­de­ra­ção a in­fla­ção e o re­a­jus­te sa­la­ri­al, fi­ca bem aci­ma do que o con­tri­buin­te aca­ba re­ce­ben­do”, diz ele.

A mo­ra­do­ra do bair­ro Ba­e­ta Ne­ves Ro­sa­na Ma­ria Ri­o­to vai pa­gar nes­te ano ta­xa de li­xo de R$ 474,84, va­lor que su­pe­ra o IPTU de R$ 388,68. “Em to­das as ci­da­des exis­te es­sa ta­xa. Po­rém es­tá ab­so­lu­ta­men­te al­ta aqui. Co­mo po­de a ta­xa de co­le­ta ser mai­or do que o IPTU?”

A do­na de ca­sa Eli­e­te Gas­pa­rin, mo­ra­do­ra do Al- ves Dias, te­ve au­men­to de 18%, com a ta­xa pas­san­do de R$ 401 pa­ra R$ 474.

A co­bran­ça do li­xo no ca­so do mo­ra­dor do Ba­e­ta Ne­ves Matheus Maia fi­cou 26% mais ca­ra, in­do de R$ 359 pa­ra R$ 454. Pa­ra ele, o au­men­to é uma for­ma de com­pen­sar a ta­xa de si­nis­tro, que por medida ju­di­ci­al te­ve de dei­xar de ser co­bra­da a par­tir de 2019. “Por que vi­ria um au­men­to tão al­to em tão pou­co tem­po e lo­go de­pois de a ta­xa de si­nis­tro ter si­do ex­cluí­da?”, ques­ti­o­nou.

O ou­vin­te da Rá­dio Ban­dei­ran­tes Sa­mu­el Sil­va tam­bém re­cla­ma do au­men­to. “Aca­bei de pa­gar meu IPTU des­te ano e veio um au­men­to bem abu­si­vo mes­mo.”

Cál­cu­lo

A pre­fei­tu­ra diz que a ta­xa do li­xo é ba­se­a­da no cus­to to­tal do ser­vi­ço. Se os cus­tos so­bem, a ta­ri­fa tam­bém fi­ca mais ca­ra. O va­lor que se­rá co­bra­do de ca­da con­tri­buin­te con­si­de­ra tam­bém a área cons­truí­da do imó­vel e seu uso e des­ti­na­ção.

O se­cre­tá­rio de Fi­nan­ças de São Bernardo, Jo­sé Luiz Ga­vi­nel­li, dis­se em en­tre­vis­ta à Rá­dio Ban­dei­ran­tes que não exis­te au­men­to fi­xo do im­pos­to “Se a pes­soa por exem­plo, ti­nha um imó­vel no ano pas­sa­do de 100 me­tros qua­dra­dos de área cons­truí­da e ela re­for­mou e am­pli­ou, au­to­ma­ti­ca­men­te o cál­cu­lo da ta­xa de li­xo su­biu tam­bém. En­tão, é ca­so a ca­so. Não exis­te um per­cen­tu­al que foi apli­ca­do so­bre a ta­xa de li­xo. É sem­pre em ci­ma do cus­to. A ideia do mu­ni­cí­pio é re­com­por o cus­to que ele gas­ta”, afir­ma.

Na ta­xa de li­xo não es­tão in­cluí­dos os ser­vi­ços de var­ri­ção e ze­la­do­ria dos bair­ros.

| DIVULGAÇÃO

Ta­xa co­bre os cus­tos de co­le­ta e dis­po­si­ção fi­nal do li­xo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.