ZECA CAMARGO ‘NA­DA DERRUBA ELZA SO­A­RES’

Jor­na­lis­ta con­ta co­mo en­ca­rou seu mai­or de­sa­fio co­mo es­cri­tor ao as­si­nar a bi­o­gra­fia de Elza So­a­res, a es­tre­la cas­ti­ga­da de to­das as for­mas pe­la vi­da

Metro Brazil (ABC) - - { CULTURA} - NE­TO DEL HOYO ME­TRO MA­RIN­GÁ

Zeca Camargo nun­ca foi a pri­mei­ra op­ção de Elza So­a­res. A can­to­ra que­ria o tex­to de Ruy Cas­tro em sua bi­o­gra­fia de­fi­ni­ti­va. Acon­te­ce que o es­cri­tor con­sa­gra­do que le­vou o prê­mio Ja­bu­ti em 1996 com a bi­o­gra­fia de Gar­rin­cha (“Es­tre­la So­li­tá­ria”) não con­ta a his­tó­ria de pes­so­as vi­vas.

“Fui con­vi­da­do pa­ra es­cre­ver a his­tó­ria de uma das pes­so­as mais vi­vas que co­nhe­ço”, brin­ca Zeca. Em en­tre­vis­ta ao Me­tro

Jor­nal, ele con­ta que co­lo­car no pa­pel a in­fân­cia so­fri­da de Elza, os tom­bos sem fim que a vi­da lhe pre­gou e co­mo ela sou­be se le­van­tar ain­da mais for­te de ca­da um de­les foi um de­sa­fio e tan­to. Mes­mo pa­ra um jor­na­lis­ta com mais de 30 anos de car­rei­ra.

“O que não es­tá no li­vro? São os pró­xi­mos dez anos de Elza, por­que a ener­gia que es­sa mu­lher tem aos 88 anos é im­pres­si­o­nan­te. Na­da derruba Elza So­a­res”, acredita ele.

Co­mo foi o con­vi­te?

Fui num show de­la em 2016. Pri­mei­ro foi uma brin­ca­dei­ra das pes­so­as que cui­dam de­la. Uma brin­ca­dei­ra que vi­rou con­vi­te seis me­ses de­pois.

Vo­cê fez pes­qui­sas an­tes? Se en­con­tra­va com ela com qual frequên­cia?

Só em abril de 2018 en­ga­ta­mos um rit­mo bom com en­con­tros se­ma­nais na ca­sa de­la, to­da quin­ta-fei­ra. Cla­ro que tu­do par­te de uma pes­qui­sa, de da­tas e acon­te­ci­men­tos. E o que fa­ci­li­ta ho­je é que a in­ter­net agi­li­za to­do es­se pro­ces­so. Mas o que eu fa­zia era ti­rar a vi­são de­la da­que­les fa­tos. Os even­tos eram ape­nas uma ba­se pa­ra as his­tó­ri­as que a Elza me con­ta­ria. O Go­o­gle aju­da com os da­dos, te dá até a da­ta em que ela se en- con­trou com o Gar­rin­cha, mas não con­ta o que o Gar­rin­cha sus­sur­rou no ou­vi­do de­la.

E qual a im­por­tân­cia de Gar­rin­cha no li­vro?

A Elza é pro­ta­go­nis­ta do li­vro, não o Gar­rin­cha. Ele es­tá em al­guns epi­só­di­os da vi­da de­la, co­mo tem que es­tar. Não fa­la­mos da le­são no jo­e­lho do Gar­rin­cha, por exem­plo, por­que is­so não me­xeu na bi­o­gra­fia de­la. O que tem no li­vro é a pro­mes­sa que ela pe­diu que ele fi­zes­se: ‘Se eu te der um fi­lho ho­mem, vo­cê pa­ra de be­ber’. E que ele que­brou ao apa­re­cer bê­ba­do na ma­ter­ni­da­de. A in­ten­ção foi es­sa, dar voz a Elza.

O li­vro não se­gue uma or­dem cro­no­ló­gi­ca. Foi al­go que vo­cê cri­ou ou sur­giu das en­tre­vis­tas?

Co­me­ça­mos fa­lan­do da in­fân­cia, mas o li­vro não se­gue a or­dem cro­no­ló­gi­ca. Dei­xei a me­mó­ria de­la con­du­zir. Li­nha do tem­po é mui­to útil, mas às ve­zes é meio cha­ta.

Hou­ve al­gum mo­men­to em que ela he­si­tou e não que­ria que al­go es­ti­ves­se no li­vro?

Fo­ram três epi­só­di­os po­lê­mi­cos. Os ro­tei­ros eram livres e ela con­ta­va de fa­to tu­do. Eu es­cre­via e lia pa­ra ela. Mas, dois dias de­pois, ela li­ga­va: ‘Eu não que­ro is­so no li­vro’. Eu ti­nha que con­ven­cê-la que os epi­só­di­os mais de­li­ca­dos não di­mi­nui­ri­am o ta­ma­nho de­la. Ela en­ten­dia e, no ou­tro dia: ‘Ti­ra tu­do’. O ca­so mais re­cen­te foi do en­vol­vi­men­to de­la com ca­ras 50 anos mais jo­vens. No dia que ela me con­ta, ela se re­ve­la mu­lher apai­xo­na­da: ‘Eu sou mu­lher, te­nho de­se­jos’. Mui­to fe­mi­ni­na, trans­pa­ren­te... No ou­tro dia, não que­ria: ‘Vão achar que eu es­tou atrás de ho­mem’. Mas con­ver­sa­mos e ela en­ten­deu a im­por­tân­cia de tu­do is­so.

Co­mo ela se com­por­ta­va pa­ra con­tar epi­só­di­os de­li­ca­dos?

Era sem­pre de­li­ca­do e eu sa­bia da res­pon­sa­bi­li­da­de que ti­nha. Era pe­sa­do, mas ela con­ta­va. Te­ve uma ce­na di­fe­ren­te quan­do ela con­tou o epi­só­dio que en­trou nas dro­gas pe­sa­das quan­do o Gar­rin­cha mor­reu. Che­guei na ca­sa de­la e, em vez de um ca­fe­zi­nho, ti­nha um jan­tar com me­sa, gar­çom e tu­do mais. Era uma oca­sião es­pe­ci­al, ela dis­se que con­ta­ria uma coi­sa mui­to es­pe­ci­al.

Qual foi a par­te mais du­ra de ou­vir e es­cre­ver?

Acho que a par­te que ela en­tra nas dro­gas pe­sa­das e a per­da do fi­lho, que é di­fí­cil de­la fa­lar.

De on­de vem sua for­ça?

A in­fân­cia da Elza foi de mui­ta pri­va­ção. Ver um fi­lho mor­rer de fo­me, a mãe tra­ba­lhar co­mo do­més­ti­ca... Es­se é o al­go­rit­mo de­la. Quan­do ela vai pa­ra o fun­do do po­ço, ela diz: ‘Eu já co­nhe­ço aqui’. Acon­te­ce que ir pa­ra o fun­do do po­ço não era no­vi­da­de pa­ra Elza, por­que ela veio do fun- do do po­ço. É pa­ra on­de ela sem­pre vol­ta quan­do cai, pa­ra a in­fân­cia di­fí­cil.

Qual a gran­de li­ção?

Não de­sis­tir nun­ca. Es­sa é uma his­tó­ria im­pro­vá­vel. Elza ti­nha tu­do pa­ra dar er­ra­do e che­gou on­de che­gou. A mú­si­ca bra­si­lei­ra não es­ta­va pre­pa­ra­da pa­ra ela. Mes­mo se fos­se num dis­co de sam­ba mo­nó­to­no, uma mú­si­ca ao me­nos se­ria de crí­ti­ca, te­ria a as­si­na­tu­ra de­la. Ho­je, ela diz que aos 80 anos, enfim, o que ela que­ria di­zer é o que seu pú­bli­co que­ria ou­vir. Hou­ve um co­mum acor­do.

Es­sa é a bi­o­gra­fia de­fi­ni­ti­va. Fal­tou al­gu­ma coi­sa?

Faltam os pró­xi­mos dez anos. Ela tem show até ju­lho des­te ano e, ape­sar dos pro­ble­mas de saú­de, tem um vi­gor in­crí­vel. Me man­da­va men­sa­gem de WhatsApp às 3h, 4h da ma­nhã. Sa­be aque­les áu­di­os de 3 mi­nu­tos? ‘Ó, lem­brei de uma coi­sa’. De­fi­ni­ti­va­men­te, es­sa é uma bi­o­gra­fia de uma pes­soa mui­to vi­va.

De­pois de es­tre­ar com Elza, vo­cê pre­ten­de se­guir es­cre­ven­do bi­o­gra­fi­as?

Gos­tei mui­to dis­so, de bi­o­gra­far pes­so­as vi­vas. Quan­do fui au­to­gra­far o li­vro pa­ra a Marina Li­ma (can­to­ra), mi­nha de­di­ca­tó­ria foi: “Vo­cê quer ser a pró­xi­ma?”. Quem sa­be... É uma pes­soa que eu te­nho uma es­tú­pi­da ad­mi­ra­ção.

“O Go­o­gle te dá até a da­ta em que ela se en­con­trou com Gar­rin­cha, mas não con­ta o que ele sus­sur­rou no ou­vi­do de­la”

“O que acon­te­ce é que ir pa­ra o fun­do do po­ço não era no­vi­da­de pa­ra Elza, por­que ela veio do fun­do do po­ço”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.