Es­tu­do re­ve­la que Ma­ta Atlân­ti­ca tem co­ber­tu­ra mai­or

Me­di­ção fei­ta por sa­té­li­te mos­tra que a área ver­de che­ga a 28%, e não ape­nas 16% co­mo era pre­vis­to an­tes

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Os re­ma­nes­cen­tes do bi­o­ma mais de­vas­ta­do do Bra­sil não são tão pe­que­nos quan­to se ima­gi­na­va. Um es­tu­do re­cen­te da ong FBDS (Fun­da­ção Bra­si­lei­ra pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel), do Rio de Janeiro, mos­trou que há 32 mi­lhões de hec­ta­res da Ma­ta Atlân­ti­ca no país, o que cor­res­pon­de a 28% da co­ber­tu­ra ori­gi­nal. An­te­ri­or­men­te, os es­pe­ci­a­lis­tas acha­vam que só 16% da ma­ta es­ta­va de pé.

A no­va es­ti­ma­ti­va sur­giu de­pois da aná­li­se de ima­gens em al­ta re­so­lu­ção fei­tas pe­lo sa­té­li­te Ra­pidEye e com a ado­ção de no­vas téc­ni­cas de de­tec­ção de frag­men­tos flo­res­tais. O ín­di­ce an­te­ri­or, de 16%, ha­via si­do le­van­ta­do pe­la Fun­da­ção SOS Ma­ta Atlân­ti­ca, em par­ce­ria com o In­pe (Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pes­qui­sas Es­pa­ci­ais).

“O ma­pe­a­men­to da SOS Ma­ta Atlân­ti­ca e do In­pe era o me­lhor que a gen­te ti­nha, eles vêm fa­zen­do is­so há mui­to tem­po e é im­por­tan­te ter es­sa sequên­cia de da­dos”, diz o dou­tor em Eco­lo­gia Je­an Paul Metz­ger, pro­fes­sor ti­tu­lar do De­par­ta­men­to de Eco­lo­gia da USP (Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo). Ele é um dos au­to­res do es­tu­do, pu­bli­ca­do no pe­rió­di­co “Pers­pec­ti­ves in Eco­logy and Con­ser­va­ti­on”, da Abe­co (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Ci­ên­cia Eco­ló­gi­ca e Con­ser­va­ção), que tem apoio da Fun­da­ção Gru­po Bo­ti­cá­rio.

As no­vas ima­gens, fei­tas pe­lo Ra­pidEye (sis­te­ma ale­mão que ope­ra cin­co sa­té­li­tes si­mul­ta­ne­a­men­te, com mai­or re­so­lu­ção), fo­ram ad­qui­ri­das pe­la FBDS. “Con­se­gui­mos olhar mais a fun­do e ver frag­men­tos pe­que­nos, com mais pre­ci­são na de­li­mi­ta­ção do que é e do que não é ma­ta”, ex­pli­ca Metz­ger.

Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, a ma­ta re­ma­nes­cen­te des­co­ber­ta com a aju­da do sis­te­ma Ra­pidEye es­tá di­vi­di­da em pe­que­nos frag­men­tos, en­tre áreas ur­ba­nas e de pro­du­ção agrí­co­la. “O avan­ço da agri­cul­tu­ra e das áreas ur­ba­nas dei­xou es­sas flo­res­tas em pe­que­nos frag­men­tos, que ago­ra con­se­gui­mos vi­su­a­li­zar me­lhor”, afir­ma. Pe­lo me­nos 90% da ma­ta ma­pe­a­da ago­ra es­tá em pro­pri­e­da­des par­ti­cu­la­res.

Metz­ger re­la­ta, no en­tan­to, que mui­tas das áreas iden­ti­fi­ca­das es­tão lon­ge de ser co­mo as ori­gi­nais. “Mui­tas ve­zes os pro­pri­e­tá­ri­os man­têm as ár­vo­res mais al­tas, mas cor­tam o bos­que­a­men­to (ár­vo­res mais bai­xas) ou ex­tra­em ma- dei­ra. Mui­tas ma­tas que ain­da se pa­re­cem com flo­res­tas são de­gra­da­das. As ár­vo­res fi­cam mais es­par­sas”.

Os tre­chos do bi­o­ma re­ve­la­dos es­tão es­pa­lha­dos por to­da a área ori­gi­nal de co­ber­tu­ra da ma­ta Atlân­ti­ca, em 17 es­ta­dos bra­si­lei­ros. “Não en­con­tra­mos mais ma­ta agru­pa­da em uma de­ter­mi­na­da re­gião, tem mais ma­ta es­pa­lha­da por to­do o bi­o­ma. O que mu­dou foi a nos­sa ca­pa­ci­da­de de vi­su­a­li­za­ção”, co­men­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

Metz­ger lem­bra que a Ma­ta Atlân­ti­ca é im­por­tan­te por uma sé­rie de fa­to­res que be­ne­fi­ci­am a to­da so­ci­e­da­de. “A co­ber­tu­ra da ma­ta es­tá li­ga­da com o for­ne­ci­men­to de água, o con­tro­le da ero­são e uma sé­rie de be­ne­fí­ci­os, mes­mo que a pes­soa não per­ce­ba que es­tá se be­ne­fi­ci­an­do”.

| ADRI­A­NA MATTOSO/SMA

Área ori­gi­nal­men­te co­ber­ta pe­lo bi­o­ma abri­ga a mai­or par­te da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra e so­freu com ex­pan­são agrí­co­la, in­dus­tri­a­li­za­ção e ur­ba­ni­za­ção

JO­SÉ MAR­COS LO­PES ME­TRO CURITIBA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.