No DF, no­va Câ­ma­ra é frag­men­ta­da e con­ser­va­do­ra

Ca­sa con­ta­rá com 18 par­ti­dos. 16, dos 24 mem­bros, são no­vos. Per­fil pro­gres­sis­ta per­de es­pa­ço

Metro Brazil (Brasilia) - - PRIMEIRA PÁGINA - FABIANE GUI­MA­RÃES METRO BRA­SÍ­LIA

No pró­xi­mo ano, a CLDF (Câ­ma­ra Le­gis­la­ti­va do DF )con­ta­rá com 16 no­vos de­pu­ta­dos, den­tre os 24 ocu­pan­tes. A re­no­va­ção, de 70,8%, apon­ta pa­ra um per­fil mais con­ser­va­dor, com for­ta­le­ci­men­to da ban­ca­da evan­gé­li­ca e de re­pre­sen­tan­tes da se­gu­ran­ça pú­bli­ca.

Co­mo nas elei­ções pas­sa­das, o dis­tri­tal mais vo­ta­do foi um po­lí­ti­co do PRB li­ga­do à igre­ja: Mar­tins Ma­cha­do, pas­tor da Igre­ja Uni­ver­sal, con­quis­tou 29,4 mil vo­tos. Em 2014, ti­nha si­do Ju­lio Ce­sar, mem­bro da mes­ma igre­ja e par­ti­do, que des­ta vez foi elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo DF.

O se­gun­do mais vo­ta­do foi o De­le­ga­do Fer­nan­do Fer­nan­des (Pros), que pro­me­te lu­tar pe­los di­rei­tos da Po­lí­cia Ci­vil na Ca­sa. Bom­bei­ros e Po­lí­cia Mi­li­tar tam­bém ele­ge­ram seus re­pre­sen­tan­tes: Ro­o­se­valt Vi­le­la (PSB) e Her­me­to (PHS), res­pec­ti­va­men­te.

De acor­do com o pro­fes­sor de ci­ên­cia po­lí­ti­ca do UDF (Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio do Dis­tri­to Fe­de­ral) An­dré Ja­co­mo, o mo­vi­men­to no par­la­men­to dis­tri­tal re­fle­te o que tem acon­te­ci­do no país.

A Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos tam­bém so­freu gran­de re­no­va­ção, com gui­na­da à di­rei­ta e ao con­ser­va­do­ris­mo.

Não dá pa­ra di­zer, con­tu­do, que os no­vos in­te­gran­tes são “out­si­ders” na po­lí­ti­ca.

“O DF es­tá in­se­ri­do no con­tex­to da elei­ção in­tei­ra, mos­tra a von­ta­de de um elei­tor que já ti­nha se mos­tra­do mui­to con­ser­va­dor. Os no­vos re­pre­sen­tan­tes, que ago­ra fa­zem par­te for­mal­men­te da po­lí­ti­ca, são pes­so­as apoi­a­das por gru­pos po­lí­ti­cos em ge­ral, co­mo igre­ja e gru­pos de bair­ro”, ex­pli­ca.

Ape­sar da in­cli­na­ção con­ser­va­do­ra, as elei­ções des­te ano tam­bém trou­xe­ram uma no­vi­da­de no cam­po pro­gres­sis­ta, com a elei­ção de Fá­bio Fé­lix (Psol), pri­mei­ro de­pu­ta­do dis­tri­tal as­su­mi­da­men­te ho­mos­se­xu­al da his­tó­ria.

Pul­ve­ri­za­ção par­ti­dá­ria

Se­guin­do a re­gra do co­e­fi­ci­en­te elei­to­ral (na qual os vo­tos na le­gen­da e co­li­ga­ção tam­bém são le­va­dos em con- ta na ho­ra de ele­ger os re­pre­sen­tan­tes), só oi­to de­pu­ta­dos atu­ais da câ­ma­ra con­se­gui­ram se re­e­le­ger. Par­ti­dos co­mo MDB e PR, por exem­plo, per­de­ram es­pa­ço na ho­ra de fa­zer as con­tas.

De 1,4 mi­lhão de vo­tos vá­li­dos, 94,5% fo­ram no­mi­nais, uti­li­zan­do o nú­me­ro es­pe­cí­fi­co dos can­di­da­tos, e 5,49% pa­ra le­gen­das par­ti­dá­ri­as. Vo­tos em bran­co re­pre­sen­ta­ram 5,18% e nu­los 7,46%.

O bai­xo nú­me­ro de apos-

tas em cer­tas le­gen­das foi prin­ci­pal­men­te o que im­pe­diu que can­di­da­tos com al­to nú­me­ro de vo­tos in­di­vi­du­ais, co­mo o Dr. Gu­tem­berg (PR), com 13,3 mil, fi­cas­se de fo­ra, e ou­tros com vo­ta­ção me­nos ex­pres­si­va fos­sem elei­tos.

Dos 18 par­ti­dos na câ­ma­ra, além dis­so, se­te não têm re­pre­sen­tan­tes na Ca­sa atu­al­men­te.

Pa­ra o pro­fes­sor Ja­co­mo, es­sa pul­ve­ri­za­ção par­ti­dá­ria re­pre­sen­ta­rá di­fi­cul­da­des pa­ra o pró­xi­mo che­fe do Exe­cu­ti­vo, in­de­pen­den­te­men­te de quem ven­cer as

elei­ções do se­gun­do tur­no pa­ra go­ver­na­dor, Iba­neis Ro­cha (MDB) ou Ro­dri­go Rol­lem­berg (PSB).

“Quem for elei­to vai en­ca­rar um ple­ná­rio frag­men­ta­do, e te­rá di­fi­cul­da­des pa­ra for­mar uma ba­se ali­a­da e apro­var pro­je­tos. Iba­neis, tal­vez, te­nha mais fa­ci­li­da­de, se for elei­to, por­que tem mais par­ti­dos em sua co­li­ga­ção. Mas se­rá um de­sa­fio pa­ra qual­quer um dos dois”, ga­ran­tiu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.