Ca­bos se rom­pem e ro­do­viá­ria é in­ter­di­ta­da

Em­pre­sa fa­zia in­ter­ven­ção ir­re­gu­lar quan­do fi­os que sus­ten­tam vi­ga que­bra­ram. GDF aci­o­na­rá a Jus­ti­ça

Metro Brazil (Brasilia) - - PRIMEIRA PÁGINA - FABIANE GUIMARÃES METRO BRASÍLIA

Uma pres­ta­do­ra de ser­vi­ço da em­pre­sa de te­le­fo­nia Vi­vo rom­peu dez ca­bos de sus­ten­ta­ção de uma vi­ga da ro­do­viá­ria du­ran­te uma in­ter­ven­ção ile­gal, on­tem, e o go­ver­no pre­ci­sou in­ter­di­tar um tre­cho do lo­cal. Is­so re­pre­sen­ta apro­xi­ma­da­men­te 15% da quan­ti­da­de to­tal de ca­bos exis­ten­te na­que­le pi­lar. O GDF in­for­mou que aci­o­na­rá a em­pre­sa ju­di­ci­al­men­te.

Ao to­do, são 1,2 mil me­tros qua­dra­dos in­ter­di­ta­dos, tan­to na pla­ta­for­ma su­pe­ri­or na qu­an­to in­fe­ri­or, atin­gin­do o de­sem­bar­que do BRT e o em­bar­que das li­nhas de Pla­nal­ti­na.

Se­gun­do o pre­si­den­te da Novacap (Com­pa­nhia Ur­ba­ni­za­do­ra da No­va Ca­pi­tal), Júlio Menegoto, não há ris­co de de­sa­ba­men­to e a in­ter­di­ção foi fei­ta ape­nas por pre­cau­ção.

“Es­ses 10 ca­bos rom­pi­dos ain­da es­tão na mar­gem de se­gu­ran­ça pa­ra que a es­tru­tu­ra es­te­ja se­gu­ra. Se hou­ves­se o rom­pi­men­to de um ca­bo, nós fa­ría­mos o mes­mo pro­ce­di­men­to”, afir­mou.

A Novacap ain­da não sa­be di­zer qu­an­to tem­po vai du­rar a in­ter­ven­ção. Téc­ni­cos do ór­gão fa­rão os cál­cu­los pa­ra sa­ber se é ne­ces­sá­rio o es­co­ra­men­to da es­tru­tu­ra. O trá­fe­go de pe­des­tres e ôni­bus no lo­cal po­de le­var até du­as se­ma­nas pa­ra ser li­be­ra­do.

Ser­vi­ço ile­gal

Con­for­me Menegoto, a Vi­vo não ti­nha ne­nhum ti­po de au­to­ri­za­ção pa­ra re­a­li- zar o ser­vi­ço. Os fun­ci­o­ná­ri­os fo­ram des­co­ber­tos por aca­so, quan­do o equi­pa­men­to que usa­vam pa­ra rom­per a vi­ga que­brou, o que cha­mou aten­ção de téc­ni­cos da Novacap que tra­ba­lha­vam na obra de re­for­ma da ro­do­viá­ria. Só en­tão o go­ver­no foi aci­o­na­do.

A Vi­vo já foi no­ti­fi­ca­da e te­rá que ar­car com to­dos os cus­tos do rom­pi­men­to dos ca­bos. “Foi um ato ir­res­pon­sá­vel que co­lo­cou em ris­co as pes­so­as”, ava­lia Menegoto.

Em no­ta, a Vi­vo ex­pli­cou que re­a­li­za­va uma ope­ra­ção de “ca­be­a­men­to”. “A em­pre­sa es­cla­re­ce que já es­tá em con­ta­to com os ór­gãos com­pe­ten­tes pa­ra for­ne­cer to­das as in­for­ma­ções e to­mar as me­di­das ca­bí­veis”, in­for­mou.

“Es­ses 10 ca­bos rom­pi­dos ain­da es­tão na mar­gem de se­gu­ran­ça pa­ra que a es­tru­tu­ra es­te­ja se­gu­ra.”

JÚLIO MENEGOTO, PRE­SI­DEN­TE DA NOVACAP

| METRO BRASÍLIA

In­ter­di­ção vai du­rar até que ajus­tem se­jam fei­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.