EM CASA A GENTE CONVERSA

Co­pa do Bra­sil. Com a pro­pos­ta de se de­fen­der, Co­rinthi­ans per­de de 1 a 0 do Cru­zei­ro em Be­lo Ho­ri­zon­te no pri­mei­ro jo­go da de­ci­são

Metro Brazil (Brasilia) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Co­rinthi­ans per­de de 1 a 0 do Cru­zei­ro no pri­mei­ro jo­go da fi­nal da Co­pa do Bra­sil; vol­ta, em Ita­que­ra, se­rá na quar­ta-fei­ra que vem

O pri­mei­ro ato da ba­ta­lha en­tre dois dos mai­o­res Cam­peões da Co­pa do Bra­sil foi re­gis­tra­do on­tem na his­tó­ria. No gra­ma­do do Mi­nei­rão, o Cru­zei­ro, atu­al cam­peão e do­no de cin­co tro­féus, en­ca­rou o Co­rinthi­ans, de­ten­tor de três ta­ças. E quem lar­gou na fren­te foi a Ra­po­sa, que ven­ceu por 1 a 0.

O du­e­lo de­ci­si­vo, em Ita­que­ra, acon­te­ce quar­ta-fei­ra que vem. Pa­ra le­var o quar­to tí­tu­lo da com­pe­ti­ção pa­ra o Par­que São Jor­ge, o Ti­mão pre­ci­sa de uma vi­tó­ria sim­ples pa­ra che­gar a de­ci­são pa­ra os pê­nal­tis e, por dois gols, pa­ra ser cam­peão di­re­to.

An­tes da par­ti­da, Cás­sio ha­via fei­to um aler­ta: “Pre­ci­sa­mos sair vi­vos do pri­mei­ro jo­go”. Ou se­ja, pa­ra o goleiro co­rin­ti­a­no, o Ti­mão pre­ci­sa­ria vol­tar com um pla­car de vi­tó­ria, em­pa­te ou, no má­xi­mo, com uma der­ro­ta por di­fe­ren­ça mí­ni­ma.

Jair Ven­tu­ra apa­ren­te­men­te con­cor­da­va com seu goleiro, apos­tan­do em uma es­ca­la­ção con­ser­va­do­ra no 4-4-2, in­cluin­do dois vo­lan­tes de con­ten­ção: Ga­bri­el e Ralf. Do la­do azul, o ban­co era ocu­pa­do por Ma­no Me­ne­zes, jus­ta­men­te o téc­ni­co al­vi­ne­gro em 2009, quan­do o clu­be le­vou pe­la úl­ti­ma vez a Co­pa do Bra­sil.

Co­mo es­pe­ra­do, e em­pur­ra­do por qu­a­se 60 mil tor­ce­do­res, os do­nos da casa é que pro­pu­nham mais o jo­go. O Ti­mão, mais pos­ta­do na de­fe­sa, ten­ta­va en­cai­xar con­tra-ata­ques pa­ra ex­plo­rar a ve­lo­ci­da­de de Ro­me­ro e Clay­son. Se não con­se­guia fa­zer is­so fun­ci­o­nar, o Co­rinthi­ans pas­sa­va su­fo­co com al­gu­nas in­ves­ti­das cru­zei­ren­ses, que pres­si­o­na­vam des­de o api­to ini­ci­al. Uma pan­ca­da na tra­ve de Thi­a­go Ne­ves e uma de­fe­sa­ça de Cás­sio, em es­pe­ci­al, fi­ze­ram com que unhas al­vi­ne­gras fos­sem roí­das. Só que, aos 45 mi­nu­tos, não te­ve jei­to quan­do Thi­a­go Ne­ves ca­be­ce­ou, a bo­la des­vi­ou em Hen­ri­que e en­trou.

Na eta­pa com­ple­men­tar, Ven­tu­ra man­te­ve a mes­ma equi­pe, que tam­bém não se ar­ris­ca­va tan­to não dar es­pa­ços. Além dis­so, a Ra­po­sa tam­bém não mu­dou a sua pos­tu­ra e se­guia em ci­ma dos pau­lis­tas em cam­po.

E o Cru­zei­ro per­dia as chan­ces que cri­a­va. Pa­ra ten­tar mu­dar o pa­no­ra­ma, o Ti­mão lan­çou mão de Pe­dri­nho, xo­dó da tor­ci­da. Mas o jo­vem, que es­tá na mi­ra do Bar­ce­lo­na, tam­bém fi­cou en­cai­xo­ta­do na mar­ca­ção ri­val. E as­sim foi até o fi­nal.

“Re­sul­ta­do to­tal­men­te re­ver­sí­vel, ain­da mais de­ci­din­do em casa. Vi­e­mos pa­ra, pe­lo me­nos, o em­pa­te, mas faz par­te. Es­ta­mos con­fi­an­tes que na nos­sa casa, com a nos­sa tor­ci­da, va­mos sair com o tí­tu­lo”

GA­BRI­EL, VOLANTE DO CO­RINTHI­ANS

“Qual­quer ti­po de van­ta­gem é boa. Foi um jo­go gran­de e di­fí­cil, com boa par­te de­fen­si­va do Co­rinthi­ans, mas a van­ta­gem é boa pa­ra se­ma­na que vem”

DEDÉ, ZAGUEIRO DO CRU­ZEI­RO

“No de­cor­rer de to­da a si­tu­a­ção, o Co­rinthi­ans sai vi­vo. Lá vai es­tar lo­ta­do, com o apoio da nos­sa tor­ci­da. Bus­cá­va­mos uma vi­tó­ria, ou até em­pa­te, mas 1 a 0 é pos­sí­vel re­ver­ter”

CÁS­SIO, GOLEIRO DO CO­RINTHI­ANS

| DUDU MACEDO/FOTOARENA/FOLHAPRESS

Com bo­as de­fe­sas, Cás­sio evi­tou o pi­or no Mi­nei­rão

| MARCO GALVÃO/FOLHAPRESS

Thi­a­go Ne­ves fez, de ca­be­ça, o gol que ti­rou o ze­ro do pla­car do pri­mei­ro jo­go da fi­na­lís­si­ma

| FE­LI­PE CORREIA/FOLHAPRESS

Ara­os en­trou no 2º tem­po e foi ex­pul­so no fim do jo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.