A GRAN­DE SURPRESA

‘O PE­QUE­NO PRÍN­CI­PE PRE­TO’ ABORDA BELEZAS E RIQUEZAS DA CUL­TU­RA NE­GRA NO PAL­CO DO TE­A­TRO DO SESC

Metro Brazil (Campinas) - - Primeira Página -

A pe­ça do clás­si­co “O Pe­que­no Prín­ci­pe” foi en­ce­na­da na es­co­la do ator Ju­ni­or Dan­tas quan­do ele ti­nha se­te anos e, na épo­ca, sua pro­fes­so­ra não o dei­xou in­ter­pre­tar o pro­ta­go­nis­ta da his­tó­ria por con­ta de su­as ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas. Ago­ra, aos 38 anos, ele re­a­li­za o so­nho ao apre­sen­tar o es­pe­tá­cu­lo “O Pe­que­no Prín­ci­pe Pre­to”. Es­cri­to por Ro­dri­go Fran­ça a par­tir da si­tu­a­ção e de ou­tras pes­qui­sas, a pe­ça ga­nha exi­bi­ção no do­min­go, às 16h, no Te­a­tro do Sesc Cam­pi­nas. In­gres­sos à ven­da por até R$ 17.

O es­pe­tá­cu­lo con­ta a his­tó­ria de um prín­ci­pe que per­cor­re di­fe­ren­tes pla­ne­tas em uma jor­na­da de en­ten­di­men­to so­bre a im­por­tân­cia da au­to­va­lo­ri­za­ção da sua pró­pria cul­tu­ra e des­co­bre o quan­to é bo­ni­ta a di­ver­si­da­de de ca­da po­vo. Ele le­va pa­ra ca­da lo­cal on­de pas­sa se­men­tes da ár­vo­re ba­o­bá, as quais têm o ob­je­ti­vo de se­me­ar, en­tre ou­tras coi­sas, a co­le­ti­vi­da­de.

“O Pe­que­no Prín­ci­pe Pre­to” dis­cu­te ain­da o em­po­de­ra­men­to e a au­to­es­ti­ma de cri­an­ças e ado­les­cen­tes ne­gros que não se ve­em re­pre­sen­ta­dos na mai­o­ria dos li­vros e brin­que­dos exis­ten- tes. Per­me­a­do por can­ções e brin­ca­dei­ras, o es­pe­tá­cu­lo se­meia o en­ten­di­men­to so­bre a im­por­tân­cia da va­lo­ri­za­ção de ques­tões co­mo a di­ver­si­da­de, a cul­tu­ra, o amor, a ge­ne­ro­si­da­de, a em- pa­tia e o res­pei­to.

De acor­do com o au­tor e di­re­tor da pe­ça, Ro­dri­go Fran­ça, es­se ti­po de in­qui­e­ta­ção dis­cu­ti­da no es­pe­tá­cu­lo vem da ne­ces­si­da­de de ter re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de ne­gra no âm­bi­to cul­tu­ral. Ele, que re­a­li­zou pes­qui­sas, diz que res­sig­ni­fi­cou a obra clás­si­ca “O Pe­que­no Prín­ci­pe”.

Pa­ra o pro­ta­go­nis­ta da pe­ça, o ator Ju­ni­or Dan­tas o pú­bli­co se iden­ti­fi­ca com a his­tó­ria. “En­gra­ça­do que, sem­pre que aca­ba a pe­ça, vem al­gum adul­to con­tar que já pas­sou por uma si­tu­a­ção pa­re­ci­da. Sem­pre tem al­gu­ma his­tó­ria pa­ra con­tar. Ou se­ja, es­sas his­tó­ri­as se re­pe­tem to­dos os di­as”, con­ta.

Os in­gres­sos es­tão dis­po­ní­veis pa­ra com­pra nas bi­lhe­te­ri­as das uni­da­des. Em Cam­pi­nas, o Sesc fi­ca na Rua Dom Jo­sé I, 270/333, Bon­fim.

“As cri­an­ças que vão as­sis­tir ao es­pe­tá­cu­lo sa­em com um re­per­tó­rio de au­to­a­mor, em­pa­tia, va­lo­ri­za­ção e res­pei­to aos mais ve­lhos”

RO­DRI­GO FRAN­ÇA, AU­TOR E DI­RE­TOR

RO­DRI­GO MENEZES/DI­VUL­GA­ÇÃO

His­tó­ria do es­pe­tá­cu­lo sur­giu a par­tir de si­tu­a­ção vi­vi­da na in­fân­cia pe­lo ator Ju­ni­or Dan­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.