INSS mu­da re­gras pa­ra em­prés­ti­mo con­sig­na­do

A par­tir de abril, as ins­ti­tui­ções te­rão de es­pe­rar seis me­ses pa­ra oferecer cré­di­to a no­vos be­ne­fi­ciá­ri­os

Metro Brazil (Campinas) - - Economia -

É co­mum que re­cém-apo­sen­ta­dos se­jam as­se­di­a­dos por ban­cos e fi­nan­cei­ras que ofe­re­cem cré­di­to com des­con­to em fo­lha. Por cau­sa das reclamações e frau­des, o INSS mu­dou as re­gras pa­ra os con­sig­na­dos.

A par­tir de abril, as ins­ti­tui­ções te­rão de es­pe­rar seis me­ses pa­ra oferecer em­prés­ti­mos a no­vos apo­sen­ta­dos. Além dis­so, o be­ne­fí­cio fi­ca­rá blo­que­a­do pa­ra con­tra­ta­ção de em­prés­ti­mos por três me­ses.

As­sim que pa­rou de tra­ba­lhar, a apo­sen­ta­da Clau­di­nei de Sou­za co­me­çou a re­ce­ber li­ga­ções “du­ran­te a noi­te, ma­nhã e tar­de”. “Co­mo há fa­ci­li­da­de de pe­gar o di­nhei­ro e a par­ce­la ca­be no or­ça­men­to, vo­cê aca­ba ce­den­do. Por ou­tro la­do, tam­bém é di­fí­cil por­que vo­cê fi­ca a vi­da in­tei­ra com is­so na sua con­ta.”

No Bra­sil, 80% dos apo­sen­ta­dos re­ce­bem um sa­lá­rio mí­ni­mo, e seis mi­lhões con­ti­nu­am tra­ba­lhan­do pa­ra pa­gar as con­tas e man­ter a fa­mí­lia. As ins­ti­tui­ções apro­vei­tam es­se ce­ná­rio pa­ra lu­crar.

“Is­so co­lo­ca o apo­sen­ta­do em si­tu­a­ção de dí­vi­da. Se ele pe­ga o di­nhei­ro, nun­ca mais sai. Ve­ja bem: al­guém ga­nha R$ 1.000 e se com­pro­me­te com R$ 300. Se com R$ 1.000 já ti­nha pro­ble­mas, com R$ 700 vai ter mais ain­da”, diz Jú­lio Qu­a­res­ma Fi­lho, do sin­di­ca­to dos apo­sen­ta­dos.

Só em 2018 fo­ram 97 mil quei­xas em re­la­ção à in­sis­tên­cia das ins­ti­tui­ções. “Eles até sa­bem o va­lor da apo­sen­ta­do­ria que foi con­ce­di­da an­tes mes­mo do be­ne­fi­ciá­rio. Não se sa­be se há va­za­men­to de da­dos, co­mér­cio ile­gal, frau­de ou se o sis­te­ma do INSS não tem uma pro­te­ção de­vi­da con­tra hac­kers. A gen­te não sa­be exa­ta­men­te on­de es­tá o pro­ble­ma”, diz Juliana Moya, ad­vo­ga­da da Pro­tes­te

O INSS ne­ga a di­vul­ga­ção de quais­quer da­dos. Quem se sen­tir as­se­di­a­do po­de fa­zer reclamações ao INSS, ao ser­vi­ço de aten­di­men­to da ins­ti­tui­ção que ofe­re­ce o cré­di­to ou a ór­gãos de de­fe­sa do con­su­mi­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.