Mul­ta por não uso da ca­dei­ri­nha cres­ce 18%

Se­gu­ran­ça. Em Cam­pi­nas, au­tu­a­ções des­se ti­po che­ga­ram a 732 em 2018 an­te 616 de 2017. Es­pe­ci­a­lis­ta acredita que pais são per­mis­si­vos e ce­dem às bir­ras das cri­an­ças. In­fra­ção é con­si­de­ra­da fal­ta gra­vís­si­ma pe­lo De­tran

Metro Brazil (Campinas) - - Primeira Página -

Trân­si­to. No ano pas­sa­do, fo­ram 732 au­tu­a­ções em Cam­pi­nas. Mui­tos pais ain­da des­res­pei­tam lei cri­a­da em 2008, que obri­ga que cri­an­ças vi­a­gem no veí­cu­lo com o equi­pa­men­to. Es­pe­ci­a­lis­ta afir­ma que, mui­tas ve­zes, pais ce­dem às bir­ras dos fi­lhos

O uso de ca­dei­ri­nhas e dos cha­ma­dos “bus­ters” de se­gu­ran­ça (dis­po­si­ti­vos de ele­va­ção) pa­ra cri­an­ças em veí­cu­los é obri­ga­tó­rio des­de 2008. Mas, um da­do di­vul­ga­do pe­la Em­pre­sa Mu­ni­ci­pal de De­sen­vol­vi­men­to de Cam­pi­nas (Em­dec) mos­trou que, in­fe­liz­men­te, mui­tos pais e res­pon­sá­veis ain­da co­lo­cam a vi­da dos pe­que­nos em ris­co ao não ado­tar a medida sem­pre.

De acor­do com o le­van­ta­men­to da Em­dec, o nu­me­ro de mul­tas emi­ti­das pe­lo não uso da ca­dei­ri­nha du­ran­te o trans­por­te das cri­an­ças cres­ceu 18% em Cam­pi­nas em 2018 em re­la­ção ao ano de 2017. Em 2017, fo­ram 288 atu­a­ções, con­tra 616 ca­sos con­tra 732 nes­te úl­ti­mo an­po

Pais per­mis­si­vos

“O que se tem ob­ser­va­do é um nú­me­ro in­de­se­ja­do de ca­sos em que a cri­an­ça é trans­por­ta­da sol­ta na par­te de trás do car­ro. Mui­tas ve­zes a ca­dei­ri­nha es­tá lá, mas a cri­an­ça, inex­pli­ca­vel­men­te, es­tá fo­ra de­la”, re­ve­la Renato Cam­pes­tri­ni, es­pe­ci­a­lis­ta em se­gu­ran­ça no trân­si­to e Con­sul­tor Téc­ni­co do Observatório Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça Viária.

Pa­ra ele, os pais têm si­do per­mis­si­vos com as “bir­ras” dos fi­lhos. “Pa­ra evi­tar chor­ro e bir­ra, mui­tos pais e res­pon­sá­veis per­mi­tem que a cri­an­ça fique fo­ra do dis­po­si­ti­vo de se­gu­ran­ça. É pre­ci­so ex­pli­car a ela que a ca­dei­ri- nha é pa­ra o seu pró­prio bem e o que po­de acon­te­cer ca­so ha­ja um aci­den­te e ela es­ti­ver fo­ra de­la. Fa­zer a cri­an­ça usar a ca­dei­ri­nha é, an­tes de tu­do, um ges­to de amor e os adul­tos pre­ci­sam se cons­ci­en­ti­zar dis­so, sem ce­der às pres­sões”, com­ple­tou Cam­pes­tri­ni.

Cri­an­ças de até um ano de ida­de de­vem ser trans­por­ta­das no be­bê con­for­to, sem­pre no sen­ti­do con­trá­rio do trân­si­to do veí­cu­lo. De 1 a 4 anos, ela pas­sa pa­ra a ca­dei­ri­nha e dos 4 aos 7 e meio po­de usar o bus­ter, ou as­sen­to de ele­va- ção. De­pois des­sa ida­de, já po­dem usar o sin­to de se­gu­ran­ça do car­ro nor­mal­men­te.

“Os pais não têm que ne­go­ci­ar com a cri­an­ça a ma­nei­ra que ela vai ser trans­por­ta­da. Os ris­cos são mui­to gra­ves e des­ne­ces­sá­ri­os”

ONSULTOR TÉC­NI­CO DO OBSERVATÓRIO NA­CI­O­NAL DE SE­GU­RAN­ÇA VIÁRIA.

Exem­plo

“Em ter­mos de edu­ca­ção, não adi­an­ta so­men­te o adul­to obri­gar a cri­an­ça a usar o dis­po­si­ti­vo de se­gu­ran­ça. Tem de dar exem­plo. Ele bri­ga com a cri­an­ça pa­ra fi­car na ca­dei­ri­nha, mas não usa o cin­to de se­gu­ran­ça, atra­ves­sa no si­nal ver­me­lho, usa o ce­lu­lar en­quan­to es­tá di­ri­gin­do... O que a cri­an­ça vê, ela faz. Nós, adul­tos te­mos obri­ga­ção de ofe­re­cer bom exem­plos não ape­nas no trân­si­to, mas pa­ra cons­truir­mos uma so­ci­e­da­de me­lhor”, diz o es­pe­ci­a­lis­ta.

Dei­xar de trans­por­tar a cri­an­ça em seu dis­po­si­ti­vo de se­gu­ran­ça ade­qua­do de acor­ro com a sua ida­de cons­ti­tui em in­fra­ção gra­vís­si­ma jun­to ao De­tran, com mul­ta de R$ 293,47 e 7 pon­tos no pron­tuá­rio do in­fra­tor.

| LU­CI­A­NO CLAUDINO/CÓDIGO19

Ca­dei­ri­nhas são obri­ga­tó­ri­as pa­ra cri­an­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.