O IN­CRÍ­VEL MUN­DO DOS lei­lões

Co­mér­cio. As com­pras atra­vés de lan­ces são aber­tas a to­dos e es­tão mais sim­ples e va­ri­a­das do que mui­tos pen­sam. Es­pe­ci­a­lis­ta con­ta co­mo apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­des

Metro Brazil (Campinas) - - Economia -

Pre­sen­tes no ima­gi­ná­rio po­pu­lar, os lei­lões ain­da são vis­tos co­mo se só exis­tis­sem nos fil­mes. Gran­des sa­lões, ob­je­tos ca­rís­si­mos e pes­so­as le­van­tan­do su­as pla­qui­nhas ou pis­can­do enig­ma­ti­ca­men­te. Ape­sar de prá­ti­ca tra­di­ci­o­nal do mer­ca­do (no an­ti­go Egi­to ha­via lei­lão de pros­ti­tu­tas e es­cra­vos, por exem­plo), a com­pra e ven­da de bens em lei­lão ain­da ge­ra dú­vi­das en­tre os com­pra­do­res co­muns. Afi­nal, aque­la ce­na do leiloeiro ba­ten­do o mar­te­lo e con­tan­do os lan­ces exis­te na vi­da re­al, mas não é ne­ces­sá­rio ser ne­nhum exe­cu­ti­vo en­gra­va­ta­do pa­ra par­ti­ci­par.

“O mais im­por­tan­te é en­ten­der que um lei­lão é uma ven­da pú­bli­ca, aber­ta a qual­quer pes­soa, em que os mais di­ver­sos itens po­dem ser lei­lo­a­dos, des­de imó­veis, car­ros e obras de arte até joi­as e ani­mais, co­mo bo­vi­nos, ca­pri­nos e cães de ra­ça”, ex­pli­ca Helcio Kronberg, leiloeiro pú­bli­co ofi­ci­al e um dos mais no­me­a­dos pe­la Jus­ti­ça bra­si­lei­ra pa­ra ven­der to­do ti­po de bens.

Co­mo fun­ci­o­na?

Re­su­mi­da­men­te, os lei­lões fun­ci­o­nam as­sim: um va­lor mí­ni­mo é es­ti­pu­la­do pa­ra o item ou lo­te que se­rá ven­di­do, e ven­ce quem der o lan­ce mais al­to aci­ma des­se va- lor. É o fa­mo­so ar­re­ma­te.

No mun­do dos lei­lões, exis­tem dois prin­ci­pais ti­pos: o ju­di­ci­al e o ex­tra­ju­di­ci­al. O pri­mei­ro sem­pre en­vol­ve um pro­ces­so ju­di­ci­al, que cor­re em es­fe­ra mu­ni­ci­pal, es­ta­du­al ou fe­de­ral, co­mo ações de exe­cu­ção tra­ba­lhis­ta, cri­mi­nal, fis­cal ou, em ca­sos mais sim­ples, que te­nham ido pa­rar na Jus­ti­ça. Já o ex­tra­ju­di­ci­al, cla­ro, não é fei­to pe­la Jus­ti­ça. Um exem­plo des­te ti­po de ne­go­ci­a­ção são as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, co­mo ban­cos ou fi­nan­ci­a­do­ras de veí­cu­los, que por fal­ta de pa­ga­men­to re­to­mam o bem e o le­vam a lei­lão – o ca­so mais fre­quen­te é o de au­to­mó­veis.

Quem po­de par­ti­ci­par?

De acor­do com Kronberg, qual­quer pes­soa fí­si­ca ou ju­rí­di­ca po­de par­ti­ci­par de lei­lões ju­di­ci­ais e ex­tra­ju­di­ci­ais, des­de que se­jam mai­o­res de ida­de e ca­pa­zes. “Em al­guns lei­lões po­de ha­ver outras exi­gên­ci­as e con­di­ções es­pe­ci­ais, mas tu­do de­ve ser des­cri­to no edi­tal de lei­lão, que fun­ci­o­na co­mo um pré-con­tra­to. Em lei­lões on­li­ne é ne­ces­sá­rio que o in­te­res­sa­do se­ja ca­das­tra­do no si­te do leiloeiro res­pon­sá­vel e o en­vio de documentos é im­por­tan­te pa­ra com­pro­var a ve­ra­ci­da­de dos da­dos in­se­ri­dos no sis­te­ma”, ex­pli­ca.

Tam­bém pos­so ven­der?

As­sim co­mo na com­pra, qual­quer pes­soa fí­si­ca ou ju­rí­di­ca que te­nha bens imó­veis re­si­den­ci­ais, co­mer­ci­ais ou ru­rais, po­de ven­der em lei­lão. “Além dis­so, uma pes­soa po­de ven­der ab­so­lu­ta­men­te tu­do, des­de rou­pas até obras de arte. Ven­der em lei­lão é mais rá­pi­do, prá­ti­co, se­gu­ro e aca­ba sen­do mais lu­cra­ti­vo, já que as pes­so­as ‘bri­gam’ por um preço mai­or. Mas pa­ra ven­der, é ne­ces­sá­rio pro­cu­rar um leiloeiro pú­bli­co ofi­ci­al com ex­pe­ri­ên­cia”, ori­en­ta.

Aten­ção pa­ra a de­sis­tên­cia

Ar­re­pen­di­men­to é um sen­ti­men­to que não ca­be em quem quer par­ti­ci­par de um lei­lão. Se­gun­do o leiloeiro, le­gal­men­te a ar­re­ma­ta­ção é ir­re­tra­tá­vel, não po­den­do ser des­fei­ta. “Há al­guns ca­sos es­pe­cí­fi­cos em que uma pes­soa po­de de­sis­tir do lei­lão, mas na mai­o­ria das ve­zes a de­sis­tên­cia vai do­er no bol­so. O ar­re­ma­tan­te po­de até ser pro­ces­sa­do por frau­dar o lei­lão, já que a sua mu­dan­ça de de­ci­são pre­ju­di­ca os ou­tros con­cor­ren­tes e os en­vol­vi­dos na or­ga­ni­za­ção”, es­cla­re­ce.

“O mais im­por­tan­te é en­ten­der que um lei­lão é uma ven­da pú­bli­ca, aber­ta a qual­quer pes­soa”

HELCIO KRONBERG, LEILOEIRO PÚ­BLI­CO OFI­CI­AL

| DIVULGAÇÃO

Leiloeiro Helcio Kronberg em ação. Lan­ces po­dem ser fei­tos pe­la in­ter­net, mas ar­re­pen­di­men­to dói no bol­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.