JULIAN CORRIE

“É um dis­co so­bre vá­ri­as emo­ções, prin­ci­pal­men­te so­bre se di­ver­tir e se re­er­guer.”

Metro Brazil (Curitiba) - - CULTURA -

Julian Corrie é co­nhe­ci­do na mú­si­ca ele­trô­ni­ca co­mo Mi­a­oux Mi­a­oux e pas­sou a in­te­grar, em 2017, a ban­da Franz Ferdinand, na qual to­ca te­cla­do, gui­tar­ra e sin­te­ti­za­do­res. Seu úl­ti­mo ál­bum so­lo, “Scho­ol of Ve­lo­vity”, foi lan­ça­do em ju­nho de 2015. Mes­mo re­a­li­zan­do lon­gas tur­nês com o gru­po es­co­cês, Julian não dei­xa de pla­ne­jar os pró­xi­mos pas­sos de sua car­rei­ra so­lo. Em en­tre­vis­ta ao Metro Jor­nal, o mú­si­co fa­lou so­bre o no­vo ál­bum de Franz Ferdinand, sua adap­ta­ção e con­tri­bui­ção pa­ra o som da ban­da e sua vin­da ao Bra­sil.

Co­mo tem si­do tra­ba­lhar com os in­te­gran­tes da ban­da?

Tem si­do óti­mo, eles são pes­so­as mui­to le­gais. Nós to­ca­mos em qua­se to­do o mun­do e tem si­do mui­to di­ver­ti­do es­tar na es­tra­da. A re­cep­ção do pú­bli­co tam­bém tem si­do mui­to boa. A ban­da es­tá num mo­men­to óti­mo e, pa­ra mim, is­so tem si­do um pre­sen­te, sa­be? É uma no­va ex­pe­ri­ên­cia es­tar fa­zen­do tur­nês des­se ní­vel. Eu não po­de­ria de­se­jar ser par­te de uma ban­da me­lhor. Es­tou mui­to fe­liz.

Co­mo foi o pro­ces­so cri­a­ti­vo do ál­bum “Always As­cen­ding”?

A ideia por trás do ál­bum era fa­zer uma es­pé­cie de song­bo­ok, uma sequên­cia de mú­si­cas que fun­ci­o­na­ri­am em qual­quer con­tex­to. Nós de­ci­di­mos se­guir pe­lo dan­ce mu­sic – que sem­pre es­te­ve pre­sen­te no Franz Ferdinand, mas, des­sa vez, qui­se­mos dei­xar mais ex­plí­ci­to. Pas­sa­mos cer­ca de qu­a­tro ou cin­co me­ses no es­tú­dio do Alex, na Es­có­cia, vi­ven­do jun­tos, tra­ba­lhan­do nas mú­si­cas e to­can­do. Co­mo sou no­vo na ban­da, nun­ca ha­vía­mos to- ca­do jun­tos an­tes. En­tão, le­van­tá­va­mos to­dos os di­as, to­má­va­mos ca­fé-da-ma­nhã e ía­mos pa­ra o es­tú­dio to­car. A gen­te que­ria gra­var o ál­bum da ma­nei­ra mais “ao vi­vo” que pu­dés­se­mos. De­pois des­ses me­ses de en­saio, fo­mos pa­ra Lon­dres e gra­va­mos o dis­co in­tei­ro em seis di­as, tal­vez. Foi um pro­ces­so mui­to rá­pi­do. Foi tu­do gra­va­do ao vi­vo, não cor­ri­gi­mos na­da.

Vo­cê acre­di­ta que trou­xe al­go de no­vo pa­ra o som da ban­da?

As pes­so­as que ou­vi­ram tan­to o ál­bum [“Always As­cen­ding”] quan­to o meu tra­ba­lho so­lo de­fi­ni­ti­va­men­te con­se­guem ou­vir que ti­ve uma in­fluên­cia na ban­da, o que é al­go ma­ra­viho­so de se es­cu­tar, mas acre­di­to que o DNA do Franz Ferdinand sem­pre es­te­ve ali e es­tá nes­se ál­bum tam­bém. Eu en­trei na ban­da pen­san­do que que­ria ape­nas ser eu mes­mo cri­a­ti­va­men­te, só che­gar e ver o que acon­te­ce.

Vo­cê con­si­de­ra que o ál­bum tem uma pe­ga­da po­lí­ti­ca?

Acre­di­to que não. Cer­ta­men­te, a mú­si­ca “De­ma­go­gue”, que pro­du­zi­mos an­tes do “Always As­cen­ding” ser lan­ça­do, é uma mú­si­ca po­lí­ti­ca que ti­nha co­mo al­vo a Ca­sa Bran­ca. O res­tan­te das fai­xas do ál­bum não é par­ti­cu­lar­men­te so­bre po­lí­ti­ca. É um dis­co so­bre vá­ri­as emo­ções di­fe­ren­tes, prin­ci­pal­men­te so­bre se di­ver­tir e se re­er­guer.

Co­mo vo­cê se sen­te em re­la­ção ao Bra­sil e aos seus fãs bra­si­lei­ros?

Eu mal pos­so es­pe­rar pa­ra ir ao Bra­sil. Se­rá a mi­nha pri­mei­ra vez no país e sei que os fãs são in­crí­veis. Eu acho que se­rá sen­sa­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.