Go­ver­no ga­ran­te ajus­te sem al­ta de im­pos­tos

Se­cre­tá­rio da Fa­zen­da, Re­nê Garcia Jú­ni­or, diz que o equi­lí­brio das con­tas vi­rá por meio do con­tro­le de gas­tos e da ra­ci­o­na­li­za­ção da ges­tão pú­bli­ca. “Não vai ter au­men­to por­que é uma de­ter­mi­na­ção do go­ver­na­dor”, diz

Metro Brazil (Curitiba) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Mes­mo sem ter cla­re­za da ver­da­dei­ra si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra do go­ver­no, o se­cre­tá­rio es­ta­du­al da Fa­zen­da, Re­nê Garcia Jú­ni­or, des­car­ta a pos­si­bi­li­da­de de a atu­al ges­tão ajus­tar su­as con­tas pro­mo­ven­do au­men­to de im­pos­tos. No fi­nal de 2014, o go­ver­na­dor Be­to Ri­cha (PSDB) re­a­li­zou um ajus­te fis­cal com au­men­to de ICMS em mais de 100 mil itens, além de ele­var em até 40% o IPVA.

“Não vai ter ( au­men­to de im­pos­tos) por­que é uma de­ter­mi­na­ção do go­ver­na­dor. Nós te­mos que cri­ar ra­ci­o­na­li­za­ção da ges­tão pú­bli­ca, te­mos que fa­zer re­vi­são de con­tra­tos, de pro­ce­di­men­tos, bus­car efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal no es­ta­do. Es­sa é gran­de ta­re­fa, es­sa é a di­vi­são e o di­fe­ren­ci­al da ges­tão atu­al”, de­fi­niu ele em en­tre­vis­ta na se­ma­na que pas­sou.

O se­cre­tá­rio ava­lia que a ges­tão an­te­ri­or do go­ver­no cum­priu, em 2018, as su­as obri­ga­ções le­gais de gas­tos com saú­de e edu­ca­ção; “Até foi um pou­co aci­ma, 15,6% na saú­de e 33,1% na edu­ca­ção”. Ape­sar dis­so, há di­ver­gên­ci­as so­bre ex­ces­so de gas­tos com fun­ci­o­na­lis­mo. “O li­mi­te com pes­so­al, de­pen­den­do da me­to­do­lo­gia a ser ado­ta­da, po­de es­tar aci­ma do li­mi­te pru­den­ci­al”, ad­mi­tiu.

Os ór­gãos de con­tro­le fe­de­rais e es­ta­du­ais têm in­ter­pre­ta­ções dis­tin­tas so­bre os cál­cu­los e, du­ran­te a ges­tão Be­to Ri­cha (PSB), o go­ver­no che­gou a ex­tra­po­lar o li­mi­te – o que exi­giu, por exem­plo, ar­ro­cho nos sa­lá­ri­os do fun­ci­o­na­lis­mo e can­ce­la­men­to de no­vas con­tra­ta­ções

Se­ja qual for a in­ter­pre­ta­ção so­bre os sa­lá­ri­os, o go­ver­no já te­rá que con­vi­ver com um or­ça­men­to en­xu­to em 2019 – a lei apro­va­da pe­la ges­tão an­te­ri­or pre­viu re­cei- tas e gas­tos no mes­mo mon­tan­te: de R$ 57,3 bi­lhões.

“Te­mos que cri­ar ra­ci­o­na­li­za­ção da ges­tão pú­bli­ca, te­mos que fa­zer a re­vi­são de con­tra­tos, de pro­ce­di­men­tos (...) es­se é o di­fe­ren­ci­al”

RE­NÊ GARCIA JU­NI­OR, SECRETARIO ES­TA­DU­AL DA FA­ZEN­DA

Me­di­das

O se­cre­tá­rio da Fa­zen­da adi­an­tou que es­tá to­man­do du­as me­di­das de ges­tão na pas­ta – a pri­mei­ra é a ado­ção da me­to­do­lo­gia ISO-9000. A se­gun­da são as re­gras de com­pli­an­ce, de­ter­mi­na­das pe­lo go­ver­na­dor em to­das as pas­tas. “É pre­ci­so que as ro­ti­nas e os pro­ces­sos se­ja im­pes­so­ais e com­ple­ta­men­te trans­pa­ren­tes”, dis­se Re­nê.

| AR­NAL­DO ALVES/ ANPR

Se­cre­tá­rio da Fa­zen­da em en­tre­vis­ta co­le­ti­va na se­ma­na pas­sa­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.