Mo­ro quer le­var mo­de­lo da La­va Ja­to pa­ra Jus­ti­ça

Em en­tre­vis­ta co­le­ti­va, fu­tu­ro mi­nis­tro diz que quer cri­ar for­ças-ta­re­fas con­tra cor­rup­ção e cri­me or­ga­ni­za­do

Metro Brazil (Espirito Santo) - - Primeira Página - JO­SÉ MARCOS LO­PES METRO CURITIBA

Em sua 1ª en­tre­vis­ta, ti­tu­lar do su­per­mi­nis­té­rio dis­se que es­tru­tu­ra com for­ças-ta­re­fa de­ve­rá ser usa­da no com­ba­te à cor­rup­ção e ao cri­me or­ga­ni­za­do; afir­mou ain­da que Lu­la foi pre­so por­que co­me­teu um cri­me e que não tem pre­ten­são de ‘su­bir em pa­lan­que’

O juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, fu­tu­ro mi­nis­tro da Jus­ti­ça e da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca no go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro, pre­ten­de uti­li­zar a ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da na ope­ra­cão La­va Ja­to pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção e o cri­me or­ga­ni­za­do. Mo­ro, que na se­gun­da-fei­ra pe­diu fé­ri­as da Jus­ti­ça Fe­de­ral e até o fim do ano pe­di­rá exo­ne­ra­ção do car­go de juiz, deu uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va on­tem na se­de da Jus­ti­ça Fe­de­ral, em Curitiba. Con­fi­ra os prin­ci­pais pon­tos, nas pa­la­vras do juiz res­pon­sá­vel pe­las ações da La­va Ja­to na pri­mei­ra ins­tân­cia.

Mo­de­lo da La­va Ja­to

A ideia prin­ci­pal é uti­li­zar o mo­de­lo que foi bem su­ce­di­do na ope­ra­ção La­va Ja­to, de for­ças-ta­re­fas, e uti­li­zar es­sas for­ças-ta­re­fas não so­men­te con­tra ou­tros es­que­mas de cor­rup­ção, mas igual­men­te con­tra o cri­me or­ga­ni­za­do. Pre­ten­do cha­mar pa­ra o mi­nis­té­rio pes­so­as ab­so­lu­ta­men­te qua­li­fi­ca­das e, sim, no­mes que tra­ba­lha­ram na La­va Ja­to, tan­to por te­rem si­do tes­ta­dos por sua efi­ci­ên­cia, quan­to por sua in­te­gri­da­de. As in­di­ca­ções vi­rão a seu tem­po.

Al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas

A ideia é apre­sen­tar al­gu­ma coi­sa sim­ples e de fá­cil apro­va­ção no âm­bi­to do Con­gres­so. Exem­plos que não são de­fi­ni­ti­vos: al­te­ra­ção de re­gras de pres­cri­ção de cri­mes; dei­xar mais clara na lei a exe­cu­ção de se­gun­da ins­tân­cia; a pre­vi­são de exe­cu­ção das sen­ten­ças dos tri­bu­nais do jú­ri, in­de­pen­de­men­te de re­cur­sos; a proi­bi­ção da pro­gres­são do re­gi­me pri­si­o­nal quan­do hou­ver pro­va de li­ga­ção do pre­so com o cri­me or­ga­ni­za­do; ne­go­ci­a­ção de pe­nas, pa­ra re­sol­ver ra­pi­da­men­te ca­sos cri­mi­nais pe­que­nos; e uma re­gu­la­ção mais clara de ope­ra­ções po­li­ci­ais dis­far­ça­das.

Po­lí­ti­ca e di­rei­tos hu­ma­nos

Não exis­te a me­nor chan­ce da uti­li­za­ção do mi­nis­té­rio ou da po­lí­cia pa­ra per­se­gui­ção po­lí­ti­ca. To­dos têm di­rei­to à igual pro­te­ção da lei, mai­o­ri­as e mi­no­ri­as. Não exis­te qual­quer pos­si­bi­li­da­de de, no âm­bi­to da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca ou da Jus­ti­ça, po­lí­ti­cas dis­cri­mi­na­tó­ri­as. Cri­mes de ódi­os são in­to­le­rá­veis e is­so tem que ser re­sol­vi­do pe­las po­lí­ci­as lo­cais, mas se for ne­ces­sá­rio po­de-se mo­vi­men­tar o apa­ra­to da Po­lí­cia Fe­de­ral. Não des­co­nhe­ço o pro­ble­ma que en­vol­ve o as­sas­si­na­to da ex-ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co, é um cri­me que tem que ser so­lu­ci­o­na­do.

Ex­clu­den­tes de ili­ci­tu­de

Te­mos que re­co­nhe­cer que o con­fron­to é uma pos­si­bi­li­da­de. A le­gis­la­ção já con­tem­pla a le­gí­ti­ma de­fe­sa, tem que ava­li­ar se é ne­ces­sá­rio uma re­gu­la­ção me­lhor. É ne­ces­sá­rio que o po­li­ci­al es­pe­re um tra­fi­can­te ati­re de fu­zil con­tra ele?

Ar­mas

Quan­do fa­la­mos em pos­se de ar­mas, es­ta­mos fa­lan­do da ar­ma man­ti­da em ca­sa. Ex­ter­nei mi­nha pre­o­cu­pa­ção a ele (Bol­so­na­ro) de que uma fe­li­xi­bi­li­za­ção ex­ces­si­va possa ser uti­li­za­da co­mo fon­te de ar­ma­men­to pa­ra or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas. Quan­to à ques­tão do por­te, o pró­prio pre­si­den­te elei­to tem uma po­si­ção, is­so de­ve ser mais res­tri­to.

Lu­la

O ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va foi con­de­na­do e pre­so por­que co­me­teu um cri­me, não por cau­sa das elei­ções. Em­bo­ra eu te­nha pro­fe­ri­do a pri­mei­ra de­ci­são, es­sa de­ci­são con­de­na­tó­ria já foi con­fir­ma­da pe­la cor­te de ape­la­ção. E foi o pró­prio tri­bu­nal que or­de­nou o iní­cio da exe­cu­ção e a pri­são, eu ape­nas cum­pri a de­ci­são.

Mai­o­ri­da­de pe­nal

Exis­te uma pro­pos­ta de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal que pre­vê a re­du­ção pa­ra 16 anos em ca­so de cri­mes gra­ves. Ter um tra­ta­men­to di­fe­ren­ci­a­do pa­ra es­se ti­po de cri­me me pa­re­ce ra­zoá­vel. Exis­tem ques­tões re­la­ti­vas à jus­ti­ça in­di­vi­du­al, de pais de fa­mí­lia que per­dem seus fi­lhos. A mu­dan­ça é pa­ra fa­zer jus­ti­ça nes­ses ca­sos.

De on­de vêm os re­cur­sos

Em um ce­ná­rio de es­cas­sez de re­cur­sos é sem­pre ne­ces­sá­rio fo­co e es­ta­be­le­cer pri­o­ri­da­des. Es­sa po­lí­ti­ca foi ado­ta­da na La­va Ja­to, cri­ar for­ças-ta­re­fas e fo­ca­li­zar os re­cur­sos pa­ra in­ves­ti­gar e apu­rar aque­les cri­mes. Foi cri­a­do o Fun­do Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, é pos­sí­vel or­ga­ni­zar um bom trabalho.

Con­ta­to com Bol­so­na­ro

Co­nhe­ci o pre­si­den­te elei­to em 1º de no­vem­bro. Fui pro­cu­ra­do pe­lo fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, que fa­zia uma son­da­gem acer­ca do meu in­te­res­se de com­por o go­ver­no, no dia 23 de ou­tu­bro. Mi­nha ava­li­a­ção do pre­si­den­te elei­to é que é uma pes­soa pon­de­ra­da. Não ve­jo um ris­co à de­mo­cra­cia e ao es­ta­do de di­rei­to. Mi­nha pre­sen­ça no go­ver­no po­de ter um efei­to sa­lu­tar de afas­tar es­ses re­cei­os. Eu sou um juiz, um ho­mem de lei, eu ja­mais ad­mi­ti­ra­ria qual­quer so­lu­ção que fos­se fo­ra da lei.

Eu não pos­so pau­tar a mi­nha vi­da nu­ma fan­ta­sia, num áli­bi fal­so de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca”

| GERALDO BUBNIAK/AGB/FOLHAPRESS

Na en­tre­vis­ta, Mo­ro ga­ran­tiu que di­rei­tos hu­ma­nos e li­ber­da­des se­rão res­pei­ta­dos no no­vo go­ver­no:“sou um juiz, um ho­mem de lei”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.