Re­no­va vai re­du­zir in­de­ni­za­ções de atin­gi­dos pe­la la­ma

Sa­mar­co e ins­ti­tui­ção po­dem des­con­tar das in­de­ni­za­ções va­lo­res dos lu­cros ces­san­tes após de­ci­são da Jus­ti­ça

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA - PRISCILLA THOMPSON

Pes­ca­do­res, co­mer­ci­an­tes e to­dos os de­mais im­pac­ta­dos pe­la la­ma de re­jei­tos que atin­giu o rio Do­ce e di­ver­sas co­mu­ni­da­des de Mi­nas Ge­rais e do Es­pí­ri­to San­to após o rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Sa­mar­co, em Ma­ri­a­na (MG), em no­vem­bro de 2015, de­vem ter re­du­zi­dos os va­lo­res re­ce­bi­dos co­mo com­pen­sa­ção pe­la per­da de ren­da de su­as ati­vi­da­des. Em de­ci­são do úl­ti­mo dia 27 de de­zem­bro, o juiz fe­de­ral Má­rio de Pau­la Fran­co Jú­ni­or, da 12ª Va­ra Cí­vel e Agrá­ria de Mi­nas Ge­rais, con­ce­deu uma li­mi­nar em que au­to­ri­za a Sa­mar­co e a Fun­da­ção Re­no­va - au­to­ras do pe­di­do fei­to à Jus­ti­ça - des­con­ta­rem os va­lo­res pa­gos co­mo au­xí­lio fi­nan­cei­ro emer­gen­ci­al dos lu­cros ces­san­tes - uma das in­de­ni­za­ções de­vi­das às po­pu­la­ções atin­gi­das.

Na prá­ti­ca, os im­pac­ta­dos po­dem re­ce­ber cer­ca de 25% a me­nos por ano. O au­xí­lio emer­gen­ci­al pa­go, ho­je, é de pou­co mais de R$ 1 mil por mês. Já o va­lor dos lu­cros ces­san­tes, que têm co­mo ob­je­ti­vo com­pen­sar as per­das pe­lo não cres­ci­men­to da ren­da, va­ria de acor­do com ca­da ca­so. Pe­la de­ci­são, o des­con­to po­de ser fei­to a par­tir de de­zem­bro de 2018, mas os va­lo­res pa­gos an­tes des­sa da­ta não po­dem ser co­bra­dos dos im­pac­ta­dos.

Tan­to o au­xí­lio quan­to as in­de­ni­za­ções fo­ram acor­da­dos em 2017 com o Co­mi­tê In­ter­fe­de­ra­ti­vo, com­pos­to por re­pre­sen­tan­tes da União, dos go­ver­nos de Mi­nas Ge­rais e do Es­pí­ri­to San­to, dos mu­ni­cí­pi­os im­pac­ta­dos, das pes­so­as atin­gi­das, da De­fen­so­ria Pú­bli­ca e do Co­mi­tê da Ba­cia Hi­dro­grá­fi­ca do rio Do­ce.

In­se­gu­ran­ça

“O pes­ca­dor vai vi­ver de que? Con­ta­mi­na­ram o rio e não te­mos pre­vi­são de qu­an­do po­de­re­mos vol­tar a pes­car”, ques­ti­o­na o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Pes­ca­do­res de Re­gên­cia (Li­nha­res), Leô­ni­das Car­los. Ele exem­pli­fi­ca que há ca­sos de pes­ca­do­res que re­ce­bem R$ 40 mil de in­de­ni­za­ção por ano e que, com a me­di­da, po­dem fi­car sem ren­da.

O ad­vo­ga­do da Fe­de­ra­ção dos Pes­ca­do­res do Es­pí­ri- to San­to, Le­o­nar­do Ama­ran­te, diz que, só na fe­de­ra­ção, mais de 1,5 mil pes­ca­do­res se­rão pre­ju­di­ca­dos. “No apa­gar das lu­zes de 2018, a Sa­mar­co tem li­mi­nar con­ce­di­da con­tra o acor­do que ela mes­ma fir­mou. A de­ci­são vi­o­la o prin­cí­pio da boa fé ao dis­cu­tir a no­men­cla­tu­ra dos au­xí­li­os, sen­do que, qu­an­do se ne­go­cia um acor­do, o que in­te­res­sa é o va­lor”, diz.

Na de­ci­são, o juiz ar­gu­men­ta que “não há qual­quer di­fe­ren­ça en­tre a na­tu­re­za ju­rí­di­ca do pa­ga­men­to do au­xí­lio fi­nan­cei­ro emer­gen­ci­al e os lu­cros ces­san­tes, já que am­bos se pres­tam a in­de­ni­zar (ou com­pen­sar) a per­da da ren­da dos atin­gi­dos”.

Em ou­tro tre­cho, diz a res­pei­to dos pa­ga­men­tos: “O que não se po­de ad­mi­tir, sob pe­na de com­ple­ta sub­ver­são da te­o­ria do di­rei­to, é que o atin­gi­do e o po­der pú­bli­co ve­nham, por vi­as trans­ver­sas, a ex­pe­ri­men­tar um en­ri­que­ci­men- to sem cau­sa ju­rí­di­ca idô­nea”.

O MPF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral) de Mi­nas Ge­rais e as De­fen­so­ri­as Pú­bli­cas vão recorrer da de­ci­são. O defensor pú­bli­co do Es­pí­ri­to San­to Ra­fa­el Mel­lo Por­tel­la Cam­pos afir­ma que a de­ci­são evi­den­cia que o ob­je­ti­vo da em­pre­sa e da Re­no­va não é per­se­guir uma in­de­ni­za­ção jus­ta. “Tra­ta-se de uma es­pé­cie de ‘atalho’ pa­ra en­cer­rar os pro­gra­mas so­ci­o­e­conô­mi­cos o mais rá­pi­do pos­sí­vel”, diz.

In­te­gran­te do Mo­vi­men­to dos Atin­gi­dos e Atin­gi­das por Bar­ra­gens, Tchen­na Ma­su fa­la da pre­o­cu­pa­ção com ques­tões a se­rem es­cla­re­ci­das. “Os au­xí­li­os se­rão in­ter­rom­pi­dos? As pes­so­as que ain­da es­pe­ram o re­co­nhe­ci­men­to co­mo im­pac­ta­das fi­ca­rão sem re­ce­ber? A de­ci­são ge­ra uma gran­de in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca”, diz.

Pro­cu­ra­da, a Re­no­va dis­se que ana­li­sa a ope­ra­ci­o­na­li­za­ção da li­mi­nar e que até no­vem­bro de 2018, foi pa­go R$ 1,3 bi­lhão em au­xí­li­os fi­nan­cei­ros e in­de­ni­za­ções. A Sa­mar­co tam­bém foi pro­cu­ra­da, mas não res­pon­deu.

“O pro­gra­ma de in­de­ni­za­ção já con­vi­ve com a se­ve­ra des­con­fi­an­ça das co­mu­ni­da­des so­bre a sua trans­pa­rên­cia e se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca. A de­ci­são agra­va ain­da mais es­se qua­dro”

RA­FA­EL POR­TEL­LA, DEFENSOR PÚ­BLI­CO

| ALEX DE JE­SUS/O TEM­PO/FO­LHA­PRESS

Mo­ra­do­res das ci­da­des atin­gi­das pe­la la­ma de re­jei­tos da Sa­mar­co per­de­ram su­as ren­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.