FIQUE ATENTO AOS RIS­COS DE AFO­GA­MEN­TOS

Cor­po de Bom­bei­ros aler­ta pa­ra o au­men­to dos ca­sos por cãi­bra. Sai­ba co­mo se pro­te­ger

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA - PRISCILLA THOMPSON ME­TRO ES­PÍ­RI­TO SAN­TO

A água fria do li­to­ral ca­pi­xa­ba as­so­ci­a­da à fal­ta de con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co de quem se ar­ris­ca a na­dar no mar sem pre­pa­ro pa­ra a ati­vi­da­de es­tão re­la­ci­o­na­dos à prin­ci­pal cau­sa de afo­ga­men­tos no es­ta­do: a cãi­bra. Des­de o iní­cio do ano, mais de 50 prin­cí­pi­os de afo­ga­men­to fo­ram re­gis­tra­dos no es­ta­do - si­tu­a­ções em que é ne­ces­sá­rio e fei­to o res­ga­te a tem­po.

Se­gun­do o te­nen­te-co­ro­nel do Cor­po de Bom­bei­ros Carlos Wag­ner Borges a ocor­rên­cia de cãi­bras es­tá pre­sen­te na mai­o­ria dos ca­sos. “Is­so acon­te­ce prin­ci­pal­men­te quan­do des­res­pei­ta­mos os li­mi­tes do nos­so cor­po. As águas do nos­so li­to­ral tam­bém são bas­tan­te ge­la­das, o que fa­vo­re­ce a ocor­rên­cia de cãi­bras, e as pes­so­as têm o há­bi­to de pro­cu­rar áre­as mais fun­das pa­ra na­dar e aca­bam não ten­do for­ças pa­ra re­tor­nar à areia”, ex­pli­ca.

Em to­do o ano pas­sa­do, fo­ram re­gis­tra­dos mais de 500 prin­cí­pi­os de afo­ga­men­tos e 98 afo­ga­men­tos com ví­ti­ma fa­tal. Além das prai­as, os afo­ga­men­tos em ri­os, la­go­as e ca­cho­ei­ra pre­o­cu­pam. Só nos pri­mei- ros di­as des­te ano, qu­a­tro pes­so­as mor­re­ram em la­go­as do es­ta­do, sen­do dois adul­tos e du­as cri­an­ças. São lo­cais on­de, nor­mal­men­te, não há ser­vi­ço de sal­va-vi­das.

An­tes de en­trar nas águas fri­as, se­ja do mar ou de ri­os, a di­ca é fa­zer um alon­ga­men­to e um aque­ci­men­to do cor­po. Quem não tem o há­bi­to de na­dar, não de­ve se ar­ris­car a pra­ti­car a ati­vi­da­de sem a ori­en­ta­ção ade­qua­da. É pre­ci­so evi­tar, ain­da, se­guir em di­re­ção ao fun­do do mar. O ide­al é na­dar em pa­ra­le­lo à fai­xa de areia da praia e a uma dis­tân­cia on­de é pos­sí­vel to­car os pés no chão.

Ou­tras ocor­rên­ci­as

Ou­tra si­tu­a­ção co­mum du­ran­te o ve­rão são as ocor­rên­ci­as com cri­an­ças. “É pre­ci­so es­tar atento o tem­po to­do a elas, se­ja na areia ou na água. Bas­tam se­gun­dos de dis­tra­ção pa­ra que um afo­ga­men­to acon­te­ça”, ex­pli­ca o te­nen­te-co­ro­nel Borges.

A prin­ci­pal di­ca pa­ra ga­ran­tir a se­gu­ran­ça, nes­ses ca­sos, é fi­car sem­pre pró­xi­mo dos pos­tos de sal­va-vi­das e evi­tar in­ge­rir be­bi­das al­coó­li­cas, que di­mi­nu­em a aten­ção e a ca­pa­ci­da­de de re­a­ção. Na água, man­te­nha a cri­an­ça a uma dis­tân­cia má­xi­ma de um bra­ço, su­fi­ci­en­te pa­ra al­can­çá-la em ca­so de ne­ces­si­da­de.

Confira ao la­do ou­tras di­cas de co­mo na­dar no mar, la­go­as e ri­os e os cuidados com as cri­an­ças.

| CHICO GUEDES/ME­TRO ES

An­tes de en­trar na água fria, a di­ca é fa­zer alon­ga­men­to e aque­ci­men­to do cor­po. Já as cri­an­ças de­vem fi­car acom­pa­nha­das o tem­po to­do de um adul­to, se­ja na areia ou no mar

| CHICO GUEDES/ME­TRO ES

A água fria do li­to­ral e a fal­ta de con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co po­dem au­men­tar o ris­co de cãi­bra e, con­se­quen­te­men­te, re­sul­tar em um prin­cí­pio de afo­ga­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.