AS ME­DI­DAS NE­CES­SÁ­RI­AS

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PUBLIMETRO - VÂNIA GOU­LART WWW.VANIAGOULA­RT.COM.BR

A co­lu­na de ho­je tem co­mo ba­se o tex­to es­cri­to por Ra­fa­el No­guei­ra, quem ad­mi­ro pe­lo em­pe­nho na cons­tru­ção de sua car­rei­ra. Com a li­cen­ça poé­ti­ca con­ce­di­da por ele, re­es­cre­vo pa­ra vo­cês.

Pa­ra que ser­vem as me­di­das? Exis­tem con­sul­to­res que di­zem “o que não po­de ser me­di­do não po­de se de­sen­vol­ver”. Eu sou psi­có­lo­ga, mas sem­pre acre­di­tei nes­ta pre­mis­sa. É pre­ci­so olhar pa­ra traz e vi­su­a­li­zar a evo­lu­ção. Quan­do pen­sa­mos em com­por­ta­men­tos hu­ma­nos, is­to pa­re­ce meio in­sa­no, con­tu­do no es­pa­ço em­pre­sa­ri­al es­sa de­fe­sa é mais con­for­tá­vel.

A mas­sa de da­dos reu­ni­da den­tro das em­pre­sas é oriun­da de di­ver­sas fon­tes – flu­xo da in­for­ma­ção ob­ti­da ao lon­go do re­la­ci­o­na­men­to com o cli­en­te até o de­sem­pe­nho de ca­da pro­fis­si­o­nal e se­tor. O re­ar­ran­jo, cau­sa­do pe­lo avan­ço das tec­no­lo­gi­as no fun­ci­o­na­men­to dos mer­ca­dos, de­man­da pro­fis­si­o­nais com ha­bi­li­da­des ana­lí­ti­cas e que com­pre­en­dam a re­le­vân­cia con­ti­da nes­ses con­jun­tos de da­dos. As­sim, é pos­sí­vel trans­for­má-los em in­for­ma­ção, se­ja pa­ra a re­so­lu­ção de pro­ble­mas, aná­li­se de re­sul­ta­dos ou mes­mo pa­ra a de­fi­ni­ção de pa­drões e in­di­ca­do­res em uma or­ga­ni­za­ção.

No universo da pes­qui­sa ci­en­tí­fi­ca, a aná­li­se de da­dos é pra­ti­ca­da há mui­to tem­po. Os ci­en­tis­tas têm co­mo fun­da­men­to o ato de ob­ser­var os fenô­me­nos, si­tu­a­ções, con­tex­tos, in­for­ma­ções e even­tos, com a fi­na­li­da­de bá­si­ca de in­fe­rir, de­du­zir ou, ain­da, emi­tir con­clu­sões.

A aná­li­se de da­dos, em­pos­sa­da pe­la Psi­co­lo­gia nos mais va­ri­a­dos am­bi­en­tes, po­de au­xi­li­ar na com­pre­en­são do ser hu­ma­no, das suas re­la­ções e dos seus des­do­bra­men­tos cog­ni­ti­vos.

A Psi­co­me­tria, su­bá­rea da ci­ên­cia psi­co­ló­gi­ca, é res­pon­sá­vel por uti­li­zar pres­su­pos­tos da lin­gua­gem ma­te­má­ti­ca na quan­ti­fi­ca­ção de fenô­me­nos psi­co­ló­gi­cos. Des­te mo­do, cons­truir mo­de­los quan­ti­ta­ti­vos em psi­co­lo­gia, sus­ten­ta­dos por es­tru­tu­ras axi­o­má­ti­cas, le­gi­ti­mam o uso de sím­bo­los ma­te­má­ti­cos na me­di­ção de pro­ces­sos de or­dem psí­qui­ca, ofe­re­cen­do um sa­ber que per­mi­te a in­ter­pre­ta­ção de va­riá­veis não ob­ser­va­das (di­re­ta­men­te) e, as­sim, a pro­po­si­ção de in­ter­ven­ções ba­se­a­das em mo­de­los teó­ri­cos plau­sí­veis.

Tais in­for­ma­ções são fun­da­men­tais pa­ra a ava­li­a­ção e acom­pa­nha­men­to dos as­pec­tos cog­ni­ti­vos, de car­rei­ra e das ha­bi­li­da­des com­por­ta­men­tais, adap­ta­bi­li­da­de de car­rei­ra, per­cep­ção de sucesso, sa­tis­fa­ção no tra­ba­lho, es­tres­se, ca­pi­tal psi­co­ló­gi­co. Apren­da a men­su­rar o re­sul­ta­do da evo­lu­ção de sua equi­pe, is­so se­rá um ex­ce­len­te ca­mi­nho pa­ra o seu cres­ci­men­to!

Vânia Gou­lart é psi­có­lo­ga for­ma­da pe­la Ufes; mes­tre em Ad­mi­nis­tra­ção Es­tra­té­gi­ca pe­la Fu­ca­pe; es­pe­ci­a­lis­ta em Psi­co­lo­gia Or­ga­ni­za­ci­o­nal, do Tra­ba­lho e do Trân­si­to; co­a­ch pro­fis­si­o­nal pe­lo Per­so­nal and Pro­fes­si­o­nal Co­a­ching e di­re­to­ra fun­da­do­ra da Se­lec­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.