De­ci­são de Bol­so­na­ro de­ve ‘apa­gar’ 126 ra­da­res no ES

Pre­si­den­te di­vul­gou men­sa­gem na qual de­ter­mi­na a re­vi­são e o can­ce­la­men­to de ins­ta­la­ção de mais ra­da­res nas es­tra­das fe­de­rais. Se­gun­do ele, equi­pa­men­tos só ser­vem pa­ra aten­der ne­ces­si­da­des fi­nan­cei­ras do go­ver­no. Es­pe­ci­a­lis­ta dis­cor­da

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA - PRISCILLA THOMPSON

O fun­ci­o­na­men­to de 126 ra­da­res nas ro­do­vi­as fe­de­rais que cor­tam o es­ta­do po­de en­trar na mi­ra do go­ver­no fe­de­ral. No úl­ti­mo do­min­go, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL) pu­bli­cou no Twit­ter que vai can­ce­lar a ins­ta­la­ção de 8 mil no­vos ra­da­res nas ro­do­vi­as fe­de­rais de to­do o país e tam­bém re­vi­sar to­dos os con­tra­tos dos equi­pa­men­tos ao re­no­var as con­ces­sões dos tre­chos ro­do­viá­ri­os, ve­ri­fi­can­do a “re­al ne­ces­si­da­de de sua exis­tên­cia”. No iní­cio de mar­ço, ele já ha­via afir­ma­do, em uma trans­mis­são ao vi­vo no Fa­ce­bo­ok, que os con­tra­tos pa­ra per­ma­nên­cia dos ra­da­res exis­ten­tes não se­ri­am re­no­va­dos quan­do a va­li­da­de do acor­do aca­bas­se.

No es­ta­do, o Dnit (De­par­ta­men­to Na­ci­o­nal de In­fra­es­tru­tu­ra de Trans­por­tes) é res­pon­sá­vel pe­la ope­ra­ção de 100 ra­da­res. Já a Eco101 ope­ra 26 apa­re­lhos na BR-101.

Há, ain­da, ou­tros 143 pon­tos nas ro­do­vi­as es­ta­du­ais mo­ni­to­ra­dos por ra­da­res, sob res­pon­sa­bi­li­da­de do DER (De­par­ta­men­to de Es­tra­das de Ro­da­gem do Es­ta­do), que afir­ma não ha­ver ori­en­ta­ção pa­ra sus­pen­são das ope­ra­ções.

Na pu­bli­ca­ção de do­min­go, Bol­so­na­ro tam­bém afir­ma que a mai­o­ria dos ra­da­res “tem o úni­co in­tui­to de re­tor­no fi­nan­cei­ro ao es­ta­do”.

Ques­ti­o­na­do a res­pei­to do im­pac­to do anún­cio pa­ra o es­ta­do, o Dnit ape­nas con­fir­mou a sus­pen­são da ins­ta­la­ção de ra­da­res até o es­ta­be­le­ci­men­to de no­vas di­re­tri­zes, em ela­bo­ra­ção, mas não de­ta­lha qual era a pre­vi­são de no­vos ra­da­res pa­ra o es­ta­do nem co­mo a me­di­da afe­ta os equi­pa­men­tos em ope­ra­ção.

Pa­ra o co­or­de­na­dor do pro­gra­ma de pós-gra­du­a­ção em En­ge­nha­ria Ci­vil da Ufes, Ro­dri­go Ro­sa, os ra­da­res não são “in­dús­tria de mul­ta”, co­mo de­fi­ne o pre­si­den­te. “Fá­bri­ca de mul­ta é quem não cum­pre a lei e ex­ce­de a ve­lo­ci­da­de. O ra­dar or­de­na a ve­lo­ci­da­de em pon­tos crí­ti­cos. Po­de-se até dis­cu­tir se a ve­lo­ci­da­de má­xi­ma das vi­as é bai­xa, mas não re­ti­rar os apa­re­lhos”, diz. “O que não po­de é o ra­dar fi­car es­con­di­do e en­ga­nar o mo­to­ris­ta. É pre­ci­so ter si­na­li­za­ção ho­ri­zon­tal e ver­ti­cal cla­ra”, opi­na.

No ano pas­sa­do, a Po­lí­cia Rodoviária Fe­de­ral con­ta­bi­li­zou 118 mil in­fra­ções nas es­tra­das do es­ta­do, qu­a­se 48 mil por ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de.

|CHICO GU­E­DES

Em 2018, PRF re­gis­trou qu­a­se 48 mil in­fra­ções por ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.