POR QUE ‘SHA­ZAM!’ É O FIL­ME CER­TO NA HO­RA CER­TA PA­RA A DC

Metro Brazil (Espirito Santo) - - { PUBLIMETRO} -

Di­fí­cil elen­car ape­nas um mo­ti­vo que ex­pli­que a trajetória do uni­ver­so DC nos ci­ne­mas. Mas tal­vez o prin­ci­pal e mais sim­ples de­les se­ja a de­ci­são de fa­zer com que o DCU fos­se o exa­to opos­to do Uni­ver­so Mar­vel.

Se na Mar­vel exis­tia um gran­de pla­no, na DC os di­re­to­res te­ri­am mais li­ber­da­de; se na Mar­vel às ve­zes ha­via ex­ces­so de hu­mor, na DC não exis­ti­ria hu­mor al­gum; se na Mar­vel fil­mes in­di­vi­du­ais le­va­ri­am a um gran­de fil­me de gru­po, na DC um gran­de fil­me de gru­po ge­ra­ria vá­ri­os fil­mes in­di­vi­du­ais.

So­me a is­so tu­do o su­ces­so da tri­lo­gia Bat­man de Ch­ris­topher No­lan, que era “som­bria e re­a­lis­ta”, e te­mos um ce­ná­rio… som­brio e de­ses­pe­ra­dor!

Não por aca­so, “Mu­lher- Ma­ra­vi­lha” e “Aqua­man” fo­ram os fil­mes que re­con­quis­ta­ram o pú­bli­co, ao dei­xa­rem de la­do o Ca­va­lei­ro das Tre­vas e fo­ca­rem no que eram per­so­na­gens nas HQs e pro­cu­rar for­mas de di­ver­tir quem foi ao ci­ne­ma.

E as­sim sur­ge ago­ra “Sha­zam!”, que bus­ca ins­pi­ra­ção em clás­si­cos co­mo “Que­ro Ser Gran­de” e abra­ça os as­pec­tos mais le­ves e di­ver­ti­dos do per­so­na­gem.

En­tão vai ser tu­do as­sim ago­ra? Cla­ro que não! Mas sig­ni­fi­ca que fi­nal­men­te o al­to es­ca­lão do es­tú­dio pa­re­ce ter en­ten­di­do que pa­ra fa­zer su­ces­so seus per­so­na­gens não pre­ci­sam ser to­dos iguais ao Bat­man, nem ser o opos­to dos fil­mes da Mar­vel.

DI­VUL­GA­ÇÃO: WAR­NER BROS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.